31 de Outubro dia da Reforma Protestante. Temos o que comemorar?

Reflexão acerca do momento atual que atravessa a Igreja Brasileira

Descoberta traz menção mais antiga sobre Jerusalém da história

Peça de 2 mil anos contraria argumentos sobre ausência de registros fora da Bíblia

Jovem se converte após conversa de pastores sobre Deus em jogo de videogame

Não existe hora ou dia certo para testemunhar o amor de Deus.

Pastor abriga venezuelanos durante protesto em Pacaraima

"Foram 63 pessoas que acolhemos ao todo. A compaixão venceu o medo", afirmou.

Igreja cria “caixa de bênçãos” para doar alimentos aos necessitados e inspira solidariedade

A iniciativa ganhou repercussão recentemente após uma pessoa deixar um bilhete agradecendo a solidariedade.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Igreja segue um padrão errado, alerta Francis Chan

Pastor abandonou megaigreja para viver nos moldes da Igreja Primitiva

Francis Chan

Para Francis Chan, seu caminho sempre foi muito diferente do caminho da maioria dos pastores. Em 2010, ele se demitiu da Cornerstone Community Church, uma próspera congregação de 4 mil membros, em Simi Valley, Califórnia.
Desde então, seguiu os dois maiores mandamentos bíblicos: “amar a Deus e ao próximo como a si mesmo”. Nessa jornada, ele garante ter visto o poder do Espírito Santo se manifestando em sua vida.
Antes disso, disse que se importava demais com o que as pessoas pensavam dele. “Isso começou a bagunçar minha mente. Me perguntava quantos artigos seriam escritos se eu dissesse isso ou aquilo”, confessou. Esse tipo de pressão pesou na alma de Chan. Ele sabia que precisava fugir. Então foi o que ele fez.
Mudança de vida
Em entrevista à revista Charisma, Chan revelou que se demitiu da Cornerstone, vendeu sua casa e se mudou para a Ásia. Lá, ele aprendeu uma lição poderosa com o movimento da igreja clandestina, na China. A humildade da igreja chinesa era um contraste quando comparada com o glamour das megaigrejas e os pastores de celebridades dos Estados Unidos.
“Na América, você sente que precisa se tornar famoso para causar impacto. Mas na China, é exatamente o oposto. É melhor que não haja ninguém que conheça você, ou você estará em apuros. Foi tão legal descobrir isso. O Senhor não precisa de nossa popularidade ou plataforma”, disse.
Ao voltar para casa meses depois, o pastor refletiu sobre o que significava realmente viver um ministério. Então, veio a pergunta: “Sem livros, sem convites, sem  manchetes, somente com as Escrituras… O que eu faria?”
Ele mesmo respondeu: “Sabe, acho que apenas andaria pelas ruas, encontraria pessoas e oraria por elas, implorando a Deus que trouxesse discípulos para mim do jeito que Jesus fez”.
Amor e relacionamento com Deus
Chan acredita que a igreja sofre de um grande problema: falta de amor. “Se o primeiro passo da fé é amar a Deus com todo o seu coração, mente e força, a maioria dos cristãos estão falhando logo nos primeiros passos”, observou.
Pensando em se aproximar mais de Deus, o evangelista explicou que não aconteceu da noite para o dia. “O amor não é apenas um sentimento”, disse. É necessário ter uma vida de oração, relacionamento com o Criador e intimidade, assim se produz o amor a Deus.
Como resultado, Chan diz que seu amor por Deus cresceu além das palavras. Ele descreve esse crescimento como a maior mudança de sua vida nos últimos cinco anos. “Meu coração está explodindo de amor por Ele”, compartilhou.
Suas novas igrejas se parecem mais com a igreja primitiva do que com Cornerstone. “Cada igreja se reúne em uma casa e tem dois pastores que não são remunerados. Todos os dízimos e ofertas são reservados para missões locais e internacionais”, explicou. As igrejas estão debaixo do mesmo ministério We Are Church (Nós Somos Igreja).
Igreja precisa seguir padrão bíblico
“Nos grupos me sinto mais perto de Deus. Eu nunca sentia isso, é bom estar com pessoas que pensam da mesma forma e que estão na mesma busca, apenas querendo adorá-lo”, citou.
Chan acha que o modelo padrão da igreja está errado. “Precisamos criar um retorno para as pessoas, para que tenham acesso a um ministério de comunhão com Deus”, alerta.
Depois confidenciou que adoraria ver mais conversões e milagres em sua comunidade. “Por muitos anos confiei na minha própria inteligência e na minha capacidade de comunicação”, relatou. Depois citou o apóstolo Paulo, que poderia ter feito o mesmo, mas preferiu enxergar sua fraqueza e viver na dependência do Espírito Santo.
“Estou crescendo nessa área”, justifica. De fato, muitas pessoas que trabalham ao seu lado atestam esse crescimento. “Me sinto uma pessoa diferente, de várias formas. Eu amo Jesus e amo a igreja e estou desfrutando dos dois imensamente”, concluiu.
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Resgate prepara documentário sobre 30 anos da banda

     Grupo formado por pastores é dos percursores do rock gospel no Brasil

 banda Resgate





Prestes a completar 30 anos de banda, Zé Bruno, Hamilton Gomes, Jorge Bruno e Marcelo Amorim, do Resgate, preparam o lançamento de um documentário que conta a história do grupo.
A ideia de um documentário surgiu em conjunto com Diretor Rodrigo Cabral, vencedor do Festival de Cinema Social da ONU com o documentário “Onde a Música Transforma”. Com a experiência do cineasta e com a história desses quatro músicos pastores, é possível esperar uma grande produção. “Queríamos fazer algo, talvez um vídeo com depoimentos, mas aí o Rodrigo entrou na cena nos falando sobre a possibilidade de fazer um filme mesmo”, conta Zé Bruno, vocalista e guitarrista da banda.
“Em agosto de 2017 começamos a recolher tudo que tínhamos de material em foto e vídeo, coisas do nosso arquivo pessoal, pra começarmos a digitalizar e catalogar tudo sobre a história da banda”, completa ele.
“No início de 2018 fizemos as primeiras locações e colhemos nossos depoimentos. Agora vem uma fase cara, tudo em cinema é caro! (risos). Ainda temos algumas locações e toda parte de edição, e pós-produção pra finalização do projeto”, continua Zé Bruno.
Para obter recursos para a finalização do projeto, o Resgate está lançando um Financiamento Coletivo (Crowdfunding) através do Site Catarse. Apoiadores terão acesso exclusivo, através de uma plataforma digital, ao filme, terão ainda seus nomes incluídos nos créditos finais da produção e terão acesso a um Show exclusivo em maio, onde outras novidades e lançamentos serão anunciados. “Devemos lançar em dezembro de 2019, se tudo der certo”, disse o músico.

Fonte: Gospel Prime


quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Blog do Ministério Nissí mais uma vez figura entre os 10 blogs mais visualizados de Altaneira em 2018

O Jurista e blogueiro Raimundo Soares Filho, administrador do Blog de Altaneira, postou na manhã de ontem dia 02/01 o levantamento sobre a audiência da blogosfera altaneirense no ano de 2018, a postagem mostra que juntos, os blogs altaneirenses somaram 1.700.000 visualizações, o que é sem sombra de dúvidas uma marca expressiva. No que diz respeito ao nosso blog, o texto aponta um total de 68.711 visualizações no ano de 2018 sendo o quinto blog em ordem de visualizações do ranking correspondente apenas ao ano de 2018, já no que diz respeito ao total de visitas, também ficamos também em quinto lugar no ranking da blogosfera altaneirense, com um total de 372,855 visitas em todo o tempo de existência do blog.
Segue abaixo, a postagem do blog de Altaneira:
 
"O levantamento sobre a audiência da blogosfera altaneirense mostra que houve algumas alterações no cenário anterior, mas outros permaneceram iguais, por exemplo: os administradores do Blog da Rádio Altaneira FM e o Blog Mandibulla, assim como no ano passado não disponibilizaram seus contadores de visualizações o que impede o levantamento, Blog de Altaneira mais uma vez foi o mais visualizado no ano e o Blog Negro Nicolau ficou em segundo lugar. A novidade é que o Blog Prof. Paulo Robson subiu para a terceira colocação e o recém lançado Palavras do Itim já aparece na relação.
A audiência do Blog A Pedreira também prejudicada, pois no último dia do ano estava fora do ar, sendo contabilizada a contagem último mês de setembro.
Confira os 10 Blogs mais visualizados em 2018:
01 - Blog de Altaneira: 889.492 visualizações;
02 - Blog Negro Nicolau: 455.937 visualizações;
03 - Blog Prof. Paulo Robson: 129.085 visualizações;
04 - Blog A Pedreira: 93.172 visualizações;
05 - Blog Ministério Nissí: 68.711 visualizações;
06 - Blog Vereador Prof. Adeilton: 31.019 visualizações;
07 - Blog da Escola Santa Tereza - 17.920 visualizações;
08 - Blog Palavras do Itim: 11.057 visualizações;
09 - Blog Esporte é Vida: 9.726 visualizações;
10 - Blog Vale do São Romão: 7.205 visualizações.
Apesar da não contabilização dos acessos dos blogs da Rádio Altaneira FM e do Mandibulla a soma total dos 10 blogs mais visualizados em Altaneira superam a marca de 1.700.000 visualizações.
Em relação ao acumulado dos acessos desde o lançamento de cada blog também não houve grandes algumas alterações, confiram:
01 - Blog de Altaneira: 4.011.812 visualizações;
02 - Blog Negro Nicolau: 2.128.762 visualizações;
03 - Blog Paulo Robson: 856.198 visualizações;
04 - Blog A Pedreira: 500.012 visualizações;
05 - Blog Ministério Nissí: 372.855 visualizações;
06 - Blog Vereador Prof. Adeilton: 152.074 visualizações;
07 - Blog da Escola Santa Tereza: 91.785 visualizações;
08 - Blog da Câmara Municipal de Altaneira: 58.470 visualizações;
09 - Blog Esporte é Vida: 43.620 visualizações;
10 - Blog Vale do São Romão: 18.422 visualizações."

Com informações do Blog de Altaneira

domingo, 30 de dezembro de 2018

Retrospectiva 2018 - Ações do Ministério Nissí



O ano de 2018 foi um ano em que os denominados evangélicos se destacaram muito a nível nacional, esse destaque não necessáriamente é positivo, o mesmo, vem muito ligado às eleições deste ano e a eleição do próximo presidente da República Jair Messias Bolsonaro, que teve apoio de quase a totalidade dos adeptos deste segmento religioso.

Na contramão deste destaque, estamos nós, 2018 foi o ano desde a criação e/ou surgmimento do Ministério Nissí, em que menos atuamos, seja através de evangelismos ou ação social, fizemos apenas um evento, relacionado ao 7º aniversário do Ministério Nissí, o mesmo, ocorreu no calçadão da Praça Manoel Pinheiro de Almeida, de forma simples, sem som, apenas com violão, todos sentados no chão, compartilhando a Palavra. A ministração foi do pastor Alexandre Santana, da Igreja batista Caminhos da Vida de Nova Olinda – Ce, o pastor Alexandre também ministrou o louvor.

Infelizmente, 2018 não foi um ano produtivo para nós do Ministério Nissí, como dito anteriormente, e vários foram os motivos, trabalho, estudos, vida pessoal dos membros do Ministério, isso demonstra a necessidade de uma reflexão acerca do mesmo, do que nós priorizamos, apesar de termos realizado apenas uma ação, estamos firmes, e esperamos no próximo ano, voltar a realizar um trabalho que faça a diferença na vida daqueles que necessitam.

sábado, 29 de dezembro de 2018

As 10 descobertas da arqueologia bíblica mais importantes de 2018

Ano foi marcado por importantes trabalhos de escavação na Terra Santa

 

As descobertas arqueológicas nos ajudam a entender melhor a Bíblia e conhecer melhor detalhes sobre pessoas, eventos e cultura. O ano de 2018 foi marcado por uma série de achados importantes, que colaboram para o aumento do nosso conhecimento do mundo bíblico e o início do cristianismo.
Lembra as 10 descobertas da arqueologia bíblica mais importantes, segundo especialistas.
10) Inscrição “Jerusalém” em coluna antiga
Pedra com inscrição de Jerusalém
Foto: Autoridade de Antiguidades de Israel
Os especialistas da Autoridade de Arqueologia de Israel (AAI) revelaram uma descoberta que contraria os argumentos sobre ausência de registros sobre Jerusalém fora da Bíblia. Trata-se de um bloco de pedra com uma inscrição de 2 mil anos de idade onde se lê “Jerusalém” em hebraico.
Ela foi achada em uma escavação embaixo do Centro de Convenções de Jerusalém (Binyanei Ha’Uma) durante a reforma de uma estrada. A peça arqueológica passará a ser exibida ao público no Museu de Israel, em Jerusalém.
O breve texto, que diz “Hananiah, filho de Dódalos de Jerusalém”, é o mais antigo em hebraico com o nome da cidade de forma completa e como se pronuncia hoje. Isso mostra, mais uma vez, que tratava-se de uma cidade judaica.
A pedra de 80 centímetros de altura fazia parte de uma coluna de um edifício romano. A inscrição aramaica utiliza letras do hebraico caraterístico da época do Segundo Templo. Especialistas afirmam que pertence ao período do reinado de Herodes, o Grande.
9) Romã de argila encontrada em Tel Shiloh
Ancient Shiloh Visitors’ Center
Tel Siló, o local onde o Tabernáculo e a Arca da Aliança ficaram entre a conquista da Terra Prometida por Josué e a construção do Templo em Jerusalém. Nas escavações recentes foi encontrada romã de barro.
Nas Escrituras, a romã é um símbolo de prosperidade e uma decoração comum no templo (1 Reis 7:18; 2 Reis 25:17), e pequenas decorações de romã eram presas à bainha das vestes dos sacerdotes (Êxodo 28:33).
8) Inscrições de Esar-Hadom encontradas no santuário de Jonas
Ruínas do palácio de Senaqueribe
Foto: Jéremy André
Em 2014, o Estado Islâmico explodiu o túmulo do profeta Jonas na cidade iraquiana de Mosul. O santuário, agora destruído, estava situado em um monte, onde os arqueólogos encontraram os restos de um palácio do rei assírio Esar-Hadom. O nome do rei é referenciado em inscrições descobertas em túneis que só puderam ser visitados após a tentativa de destruição pelos extremistas.
O Antigo Testamento faz referência a Esar-Hadon, filho de Senaqueribe (1 Reis 19: 36-37; Isaías 37: 37-38), o rei que devastou grande parte do reino de Ezequias em Judá e sitiou Jerusalém, mas sem sucesso. Acredita-se que Esar-Hadon reinou de 681 a 669 a.C. Os arqueólogos descobriram nas ruínas de seu palácio registros que mostram como foram os últimos dias do reino da Assíria, que viveu quase um século antes de Jonas.
7) Alfabeto semita encontrado no Egito
Foto: Nigel Strudwick
A história bíblica constantemente passa pela história da escrita, como ilustrado por uma peça de calcário descoberta em 1995 em um túmulo na margem oeste do Nilo, em Luxor.  O egiptólogo Thomas Schneider, da Universidade da Colúmbia Britânica, decifrou os inscritos e anunciou este ano que é trata-se de uma das primeiras versões do alfabeto semítico.
A tumba escavada remonta a 1450 aC, período em que viveu Moisés, de acordo com a cronologia bíblica. Sugere que, quando “Moisés escreveu todas as palavras do Senhor” (Êxodo 24: 4), não foi o único a escrever  usando a escrita semítica no Egito naquela época.
6) Tumba da família real em Megido
Autoridade de Antiguidades de Israel
Um túmulo cananeu escavado em Tel Megido e revelado no início deste ano apresentou novas informações sobre os habitantes de uma das mais antigas e importantes cidades antigas da região. Os arqueólogos se admiraram que a tumba de 3.700 anos ainda estava intacta, sendo possível identificar os restos mortais de um homem, uma mulher e uma criança, todos adornados com joias de ouro e prata.
Com esse achado, os arqueólogos esperaram aprender muito mais sobre a cultura cananéia existente em Israel durante a época dos patriarcas. Algumas semanas atrás, foi relatado que o resíduo em um dos jarros do túmulo foi identificado como baunilha, algo que não se sabia ter sido usado naquela época. A descoberta ilustra o robusto comércio de especiarias do mundo antigo.
5) Peso de ‘beka’ do Monte do Templo
Beka
Foto: Eliyahu Yanai, City of David
Um peso de pedra minúsculo extremamente raro datado do período do rei Davi foi descoberto em escavações feitas em Jerusalém esta semana. O texto de Êxodo 38:26 fala sobre o “beka”, que equivaleria a “meio siclo, conforme o siclo do santuário”.
A peça pesa cerca de 5 gramas. O shekel bíblico pesava 11,33 gramas. A peça em questão traz inscrita em hebraico antigo a palavra “beka”. Estava em meio ao “entulho” retirado de escavações nas fundações do Muro Ocidental.
Embora outras peças de pedra semelhantes foram descobertas em Israel no passado, nenhuma delas tinha essa inscrição exata. O arqueólogo Eli Shukron, que dirigiu as escavações em nome da Autoridade de Antiguidades de Israel, explica que esta “beka” era uma medida de peso do período do Primeiro Templo usado por peregrinos para calcular seu imposto de meio shekel antes de subir ao Monte do Templo para fazer sacrifícios.
4) Impressão do selo do governador de Jerusalém
Autoridade de Antiguidades de Israel
Enquanto limpavam poeira entre pedras em um antigo muro de Jerusalém, arqueólogos descobriram um título bíblico até então não atestado pela arqueologia, “governador da cidade”. Isso estava claramente visível num selo de selo de argila. A imagem mostrava duas figuras frente a frente e a inscrição.
O governador da cidade, que seria como um prefeito moderno, é mencionado em 2 Reis 23: 8, onde o autor lista um homem chamado Josué como governador da cidade nos dias de Ezequias, e em 2 Crônicas 18:25, onde o autor observa Amom como “governador da cidade” nos dias de Jeosafá.
3) Assinatura do profeta Isaías na impressão do selo
Autoridade de Antiguidades de Israel
Outra impressão de selo revelada em 2018 traz o nome de um dos mais importantes profetas do Antigo Testamento, Isaías. Acredita que originalmente dizia “Isaías, o profeta”, mas como falta uma letra no final, não está claro se ela realmente se refere a um nome pessoal.
Na pequena peça, com menos de um centímetro, a observa-se a figura do que parece ser um cordeiro e a frase “motivo de bênção e proteção encontrado em Judá, particularmente em Jerusalém”. Contudo, por estar quebrada,  precisa ser melhor estudada antes de um “veredito” final. A esperança é encontrarem o pedaço restante ou outra igual.
Na sua porção legível, há uma inscrição com as letras hebraicas usadas no período do Primeiro Templo, que parecem soletrar l’Yesha’yah [Pertence a Isaias]. Na linha abaixo, há a palavra parcial nvy, que significaria “profeta”.
“Como a bula está ligeiramente danificada no final da palavra nvy, não se sabe com certeza se originalmente terminava com a letra hebraica aleph, escrevendo a palavra hebraica para ‘profeta’ e não restaria dúvida que aquele era o selo usado como a assinatura do profeta Isaías”, esclarece a arqueóloga da Universidade Hebraica Dra. Eilat Mazar.
2) A cabeça da estátua de um rei bíblico de Abel Beth Maacah
Cabeça de estátua de rei bíblico
Foto: Gabi Laron
Uma minúscula escultura de 2.800 anos foi encontrada na antiga cidade de Abel Beth Maacah, no norte de Israel.  Medindo apenas 5 centímetros, não há nome ou inscrição.  As maiores possibilidades é que seja a imagem do rei Acabe (de Israel; 1 reis 16), o rei Hazael (de Aram-Damasco; 1 Reis 19:15) e o rei Etbaal (de Tiro 1 Reis 16:31).
As Escrituras não fornecem detalhes sobre a fisionomia dos monarcas, mas a cabeça retrata um homem com longos cabelos negros, barba e com uma faixa amarela e preta, que seria a coroa. Seus olhos amendoados escuros e a expressão no rosto é séria.
1) Anel de Pôncio Pilatos
Foto: Autoridade de Antiguidades de Israel
Em 1968, um importante sítio arqueológico de Israel foi escavado. Na Fortaleza de Heródio foram encontradas várias peças, mas uma delas trazia uma inscrição impossível de ser decifrada. Um anel de dois mil anos ficou “esquecido” no depósito de um museu até que, em novembro de 2018, uma equipe da Universidade Hebraica decidiu analisá-lo melhor, usando novas tecnologias.
Os cientistas limparam o anel usando técnicas avançadas de fotografia e de laser, conseguiram realçar as letras. Puderem então ver, em grego, a inscrição “de Pilatos”. Trata-se do mesmo governante romano citado nos Evangelhos.
No anel também consta a imagem de uma de ânfora, usada para armazenar vinho ou água, segundo os pesquisadores, que publicaram o trabalho na revista científica Israel Exploration Journal.
O nome Pilatos não era comum na época. Tudo indica que fosse o anel usado por ele como um tipo de carimbo oficial. Quando Jesus foi crucificado, Pôncio Pilatos era uma espécie de prefeito romano da Judeia.

Fonte: Gospel Prime

 

Culto na Holanda já dura dois meses; Iniciativa quer impedir deportação de família



Uma igreja vem contando com a colaboração de outras congregações para realizar um culto que já dura dois meses. A iniciativa, que já é tratada como o mais longo culto já realizado, não tem intenção de bater recordes, mas de proteger uma família de membros de serem deportados.
O templo da Igreja Bethel é o palco dessa celebração sem precedentes, que conta com ministrações conduzidas também por sacerdotes da Igreja Protestante da Holanda e de outras denominações. O motivo é simples: como a lei impede que as autoridades interrompam o culto para deter a família Tamrazyan, que corre risco de deportação, o iniciado às 13h30 do dia 26 de outubro, culto não pode parar.
De acordo com o jornal The New York Times, a família ganhou o apoio da comunidade cristã e de seus pastores para evitar que seja deportada de volta para a Armênia, onde o patriarca sofre risco de morte por conta de seu ativismo político. Eles vivem na Holanda há nove anos, fugidos do país de origem, mas não se chegou a uma alternativa legal para que se garanta sua permanência, e seu pedido de asilo foi negado.
A imprensa de todo o mundo vem relatando o curioso caso do culto interminável, sempre pontuando que a estratégia adotada pela comunidade cristã na Holanda explora uma saída legal para proteger o pai, a mãe e os três filhos, de 14, 19 e 21 anos.
Um ponto ainda não esclarecido pelas pessoas que vêm dando suporte à família envolve as ameaças à família. Até hoje não se apontou quem seriam os envolvidos na suposta perseguição e quais são os posicionamentos políticos adotados pelo patriarca ao custo da própria vida.
Enquanto isso, a comunidade cristã se organizou com escala de horários a serem cumpridos, com muitas pessoas comparecendo em momentos alternados a fim de garantir que o culto continue ininterruptamente. “Existem mais de 450 pastores, sacerdotes, diáconos e líderes religiosos de todo o país, e de todas denominações, que pediram para fazer parte da escala de serviços religiosos”, contou o pastor da Bethel, Axel Wicke.
A estratégia da igreja recebeu, inclusive, apoio de cristãos de outros países. “Tivemos ajuda até do exterior, houve sermões em inglês, francês e alemão. Isso nos comoveu muito. Muitas vezes vejo um pastor entregar o púlpito a outro, de denominação diferente, com a qual o primeiro nada teria a ver em termos litúrgicos”, enfatizou.
Theo Hettema, presidente do Conselho Geral dos Ministros Protestantes, disse que a igreja queria criar um diálogo com o governo sobre o dilema desta família. “Fazemos o que sempre fazemos: um culto na igreja, mas depois continuamos — assim como a necessidade de ser apoiado é contínua. Fazemos isso para encorajar esta família a mostrar que estamos com eles como Igreja, que existe um Deus que não deixa ninguém desamparado”.

Fonte: Gospel Mais

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Igrejas formam rede para diminuir fila de adoção nos EUA

Deus quer que cuidemos das crianças, especialmente as que precisam de lar, justifica pastor.

 Cartão comemorativo do primeiro Natal de Lany Sorenson, de cinco meses, adotada pelo pastor Aaron Sorenson e sua esposa Kristen. (Foto: Reprodução/ABC News)

Há três anos, uma rede composta pelas igrejas Crow River em Delano, Mercy Hill em Minnetonka e Woodridge em Medina, nos Estados Unidos, começou a fazer um trabalho conjunto que trouxe impacto positivo para a vida de muitas crianças e famílias destas igrejas cristãs. Elas entraram no desafio da adoção, ideia lançada pelo pastor Aaron Sorenson com objetivo de diminuir a quantidade de crianças que aguardam por novos lares.

Com a meta de adotarem 50 crianças em 5 anos, hoje, passados três anos do lançamento do desafio, a rede já encontrou lar para 43 delas.

“Nós apenas vemos claramente dentro das escrituras que Deus quer que cuidemos das crianças e especialmente das crianças que precisam de lares", disse Aaron Sorenson, pastor da Igreja Crow River. Ele e a esposa Kristen começaram sua jornada de adoção anos atrás e neste Natal puderam comemorar os filhos Jonas de dois anos e Lany de cinco meses.

De acordo com o pastor, existem cerca de 4.000 igrejas em Minnesota e, no momento, há 1.000 crianças em adoção em todo o estado. “Se uma família de cada quatro igrejas pudesse adotar uma criança, não haveria mais necessidade”, calculou. Foi assim que nasceu a ideia por trás do Desafio de Adoção da Rede da Igreja de Aspen Grove.

Desafio conjunto

O pastor conta que refletiu sobre o processo de adoção e como foi difícil no começo tentar resolver sozinho, por isso ele acredita que é preciso facilitar os processos para aqueles que se dispõem a criar uma criança órfã ou sem família. “À medida que avançávamos, notávamos que havia mais pessoas dentro de nossas igrejas que estavam pensando em adoção”, disse Sorenson.

Ele conta que começou a discutir a história de sua família com os outros dois pastores em sua rede de igrejas, que também trabalhavam com processos próprios de promoção da adoção. Os três pastores logo tiveram uma ideia: desafiar as famílias dentro de suas congregações para que 50 crianças fossem adotadas em cinco anos.

Desafio aceito, o pastor John Walt da Mercy Hill Church em Minnetonka disse que abriu o caminho ao adotar duas crianças de um orfanato. “Para mim, parece que estamos realmente fazendo o que estamos destinados a fazer”, disse ele. “Eu acho que isso é o que realmente significa ser a igreja”.

Apesar do êxito do projeto, o pastor Sorenson disseu que não saber quando chegarão ao cumprimento da meta de 50 adotados. “Mas uma vez que conseguirmos, continuaremos. Acho que não queremos que isso seja algo em que dizemos: 'Oh, fizemos isso. Conseguimos isso. Agora vamos fazer outra coisa’. Isso é algo que se tornou parte do DNA da nossa igreja e é algo que sempre faremos”.

 Fonte: Guiame

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...