Ministério Nissí comemorou seis anos de Criação

No dia 05 de Julho, o Ministério Nissí completou seis anos, a comemoração foi dividida em duas partes.

Pastor doa rim para um membro de sua igreja

Basílio Montez diz que foi instruído por Deus a fazer a doação

360 WayUp completa dois anos e impulsiona cinema cristão

Empresa é uma das maiores distribuidoras de filmes cristãos no Brasil

Reflitamos #18

Série do blog com imagens para reflexão

DNA de múmias apoia a narrativa bíblica de descendentes de Noé

Pesquisadores obtiveram "resultados inesperados" ao decodificar o genoma de antigos egípcios.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Entrevista Lee Strobel, autor do best-seller que deu origem ao filme que estreia dia 14 de setembro nos cinemas

Existe evidência concreta de que Jesus de Nazaré realmente é o Filho de Deus? Quão confiável é o Novo Testamento? A evidência de Jesus existe fora da Bíblia? Existe algum motivo para acreditar que a ressurreição foi um evento real? Todas essas são perguntas feitas por Lee Strobel em 1980, um jornalista ateu que, por causa da conversão da esposa, usou o jornalismo para tentar desvendar um dos maiores mistérios da história como uma forma de desacreditar o cristianismo.
Essa incrível história virou filme e, dirigido por Jon Gunn, poderá ser assistido nos cinemas brasileiros a partir do dia 14 de setembro através da parceria California Filmes e 360 WayUp.
Com um mês para o lançamento do filme, Lee Strobel, um dos escritores mais renomados do segmento nos Estados Unidos, hoje com 65 anos, respondeu algumas respostas sobre a motivação por trás de “Em Defesa de Cristo” e o que isso diz sobre como os cristãos devem defender a fé.



Como se sente sabendo que a história da sua conversão poderá ser vista nos cinemas? É estranho?
Sim, é estranho, surreal e emocionante ao mesmo tempo. Mostramos no filme minha vida antes e depois da conversão. Mostramos momentos complicados em meu casamento. Minha esposa Leslie, por exemplo, já viu o filme sete vezes. Ela disse que quer chorar tudo agora. São cenas baseadas em nossa vida real. Não tem como não reviver tudo. Por exemplo, num dos sets de filmagem, a produção recriou a sala de redação do Chicago Tribune. Parecia que estava entrando numa máquina do temo.

E a abordagem do filme? Transformar um livro de mais de 300 páginas de uma história sobre fé, num filme bonito e atraente, é um super desafio, não é?
Realmente! O filme não é um documentário onde somente mostramos as provas. É uma história. É uma história de amor, de casamento. Uma história de um pai e um filho que têm um relacionamento difícil. É uma história sobre o jornalismo das grandes cidades. Mas, também é uma história sobre uma jornada espiritual e a evidência da fé. É quase esse equilíbrio entre verdade e graça sobre a qual a Bíblia fala. Aqui temos a verdade da mensagem cristã, a evidência da mensagem cristã, os fatos por trás da mensagem cristã, mas também a graça, também a história, também a humanidade. Acho que construímos uma boa história a ser vista nos cinemas.

Como você acredita que os céticos responderão ao filme “Em Defesa de Cristo”?
Não sei se os céticos se interessarão em ver um filme com esse título, mas
não sei ( risos). Fico pensando se veriam.. Mas, o que vai acontecer de fato é: Os cristãos que ficaram intrigados com a história podem ir ver e identificar alguém para quem deveriam recomendar. E, pode ser um cético, por que não? Vamos levá-los ao cinema através do nosso relacionamento. E acredito, honestamente, que o momento mais importante do filme vai acontecer depois que acabar. Numa lanchonete, cafeteria...Com as boas discussões que o filme vai gerar. É isso que eu espero.

Claramente, o filme é uma ferramenta de evangelização. Na sua opinião, o filme se propõe a “provar” o cristianismo? 
Creio que a evidência aponta poderosamente e persuasivamente para a verdade do cristianismo? Sim. E acredito que este filme mostra isso. Nós "definitivamente provamos" isso? Isso é uma questão de opinião. Todos damos um passo de fé, uma direção ou outra. A questão é: o passo da fé é na mesma direção que a evidência está apontando? Eu acho que temos que mostrar que a evidência aponta em uma direção onde o próximo passo mais lógico e racional é dar um passo de fé e receber esse presente gratuito que Deus oferece.

Como você acha que os cristãos podem repassar essa gratidão ao falar sobre fé cristã aos não cristãos?
Absolutamente, nós, como cristãos, devemos validar as pessoas como sendo feitas à imagem de Deus. Temos de respeitar o fato de que eles estão em uma jornada espiritual. Temos que entender que as pessoas muitas vezes têm pontos de aderência espirituais que os sustentam nessa jornada. E queremos ajudá-los a superar esses pontos de adesão. A conversão é um processo. Demorou dois anos pra mim, e se alguém me pressionasse para uma decisão após um mês, eu teria recuado e ido para o outro lado. Então, muitas vezes é demorado. Eu acho que temos que entender e respeitar isso, e eu acho que as igrejas devem facilitar. Devemos criar um ambiente onde pessoas espiritualmente curiosas sintam a liberdade de vir, experimentar, fazer perguntas, procurar por um período de tempo - enquanto estão nesta jornada em direção à cruz.

Filmes que tem o tema central ligado à apologética, que é a defesa argumentativa de que a fé pode ser comprovada pela razão, geralmente podem ser usados de duas maneiras pelos cristãos. Podem ser usados para triunfar sobre os inimigos e nos sentirmos bem com nossa crença ou, podem ser um meio para amarmos melhor Deus com nossas mentes e compartilhar a lógica de nossas convicções com os outros. Como conseguimos o último em vez do primeiro? E como você acha que o filme faz isso?
Eu acho que a frase-chave que eu gosto de usar no século 21 é "apologética de conversação". Em outras palavras, isso faz parte do relacionamento. Não é que alinhamos alguém contra a parede e nos metralhamos com cinquenta fatos para a fé, como talvez o que foi feito há cinquenta anos. Hoje, é uma apologética onde se conversa. É um relacionamento. Está criando um lugar seguro onde as pessoas em uma amizade podem conversar, ao longo do tempo, sobre as questões que têm. Os obstáculos, intelectualmente; os pontos de aderência, espiritualmente.
Eu acho que Deus honra essa perspectiva porque estamos respeitando alguém que fez a sua imagem, que tem perguntas legítimas. Não é rápido como comida no microondas. Algumas pessoas precisam marinar nisso por um tempo antes de se convencerem de que o cristianismo é verdade.  Eles vão surgir mais fortes em sua fé porque passaram o tempo fazendo perguntas antecipadas. E, como Jesus disse, contando o custo antes de tomar essa decisão.
Eu sempre gosto de encorajar as pessoas, se estiverem prontas, a confiar em Jesus. Mas, eu sempre gosto de ter esse outro passo para as pessoas e dizer: "Você sabe, se ainda não está pronto, está tudo bem. Continue a verificar isso. Continue investigando. Faça sua própria jornada.” Aqui está o acordo: não tenho medo de quem investiga o cristianismo com um coração honesto e aberto.

Com informações de Christian and PopCulture*

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Arqueólogo confirma a existência de 53 personagens bíblicos

Argumentos incontestes atingem quem defende que “Bíblia é ficção”

por Jarbas Aragão


Acreditar na veracidade da Bíblia em pleno século 21 é uma questão só de fé, certo? Não para Lawrence Mykytiuk, da Universidade de Purdue, em Indiana (EUA). Ele está divulgando o que chama de método para “desenvolver a historicidade” dos relatos.
Graças ao sistema criado por ele, 53 indivíduos citados no Antigo Testamento tiveram sua comprovação como personagens históricos genuínos. O professor Mykytiuk trabalha apenas com o que chama de “evidências materiais”.
Sua formação como bibliotecário e especialização em técnicas de catalogação aliaram-se ao seu interesse na Bíblia para fazer o que ele acredita que os arqueólogos deveriam estar fazendo há muito tempo: examinar inscrições de peças arqueológicas e combiná-las com o registro desses nomes na Bíblia.
O sistema elaborado por Mykytiuk baseia-se em três critérios: um nome bíblico deve equivaler a uma inscrição autêntica, sem possibilidade de falsificação. Os nomes – na Bíblia e na inscrição – devem corresponder em termos de configuração e no período de tempo. O último estágio, talvez o mais difícil, é procurar correspondências de pelo menos três detalhes específicos que identifiquem um indivíduo, como nome, título ou nome do pai.
“Se corresponde às menções nas Escrituras, é uma certeza inegável”, disse Mykytiuk. “Pode haver algumas pessoas com o mesmo nome ou até o nome do pai idêntico”, acrescentou, “mas o mesmo título? Isso se torna inegável”.
Ele deixa claro que as verificações de nomes bíblicos não garantem que os eventos bíblicos envolvendo esses indivíduos sejam precisos, apenas de que não se trata de uma “obra de ficção”, como argumentam muitos críticos.
Desenvolvido ao longo de 25 anos, o “sistema Mykytiuk” já provou que funciona. Estudando 94 inscrições, ele identificou reis, faraós, sumos sacerdotes e escribas, entre outros.
Todos os nomes são masculinos, embora ele acredite que esteja perto de identificar uma mulher a partir de uma inscrição.
As pessoas identificadas incluem oito reis do Reino do Norte (Israel) e seis do Reino do Sul (Judá). Um deles é o rei Acabe, que liderava Israel na Batalha de Qarqar, em 853 a.C. – um evento que Mykytiuk relaciona com os relatos de ambos os livros de Reis e em uma imagem do monstro de Kurkh.
“Havia apenas um rei israelita naquele momento que poderia ter lutado [na batalha]”, disse o professor. “Achei uma correspondência entre a inscrição e a Bíblia”, comemora.
A verificação mais antiga de Mykytiuk é de outro soberano – o próprio rei Davi, que viveu perto do ano 1000 a.C. Ele encontrou uma correlação entre o personagem descrito no livro de 1 Samuel e ​​a inscrição na parede da “Casa de Davi”, descoberta nas escavações de Tel Dan, no norte de Israel.
“’O rei de Israel’ é mencionado numa linha”, ressalta Mykytiuk, em seguida lemos Melech Beit David”. Estava em aramaico, mencionado pelos seus inimigos, os amonitas, que conquistaram Tel Dan e ergueram um monumento para comemorar a vitória. Fizeram uma estela, um grande bloco de pedra. Mais tarde os israelitas reconquistaram o lugar e destruíram [a estela] usando seus pedaços para erguer uma parede”.
“Davi é tão importante na Bíblia hebraica e no Novo Testamento … Se você deseja verificar alguém, ele é o cara certo”, acrescentou.
Os persas, os babilônios, os egípcios, os moabitas, os arameus e os damascenos também aparecem na lista de Mykytiuk, apenas alguns dos quase 3.000 povos mencionados na Bíblia.
“Para a maioria, tudo o que temos são nomes”, enfatiza o especialista. “Talvez apenas algumas centenas tenham fatos identificáveis em número suficiente na Bíblia para realmente identificá-los em alguma outra fonte escrita”. Mas as identificações continuam surgindo.
Recentemente, ele publicou na revista especializada em arqueologia Biblical Archeology Review, suas descobertas sobre Tatenai, um administrador persa sob Dário o Grande; e Nebuzaradan e Nergal-Sarezer, dois guerreiros babilônios que lutaram pelo rei Nabucodonosor II, que destruiu o Primeiro Templo.
O nome de Tatenai é mencionado em fontes bíblicas, como Esdras 5:3 e em uma tabuinha assinada por Dario, datada de 502 a.C. Já Nebuzaradan e Nergal-sharezer aparecem nos livros de Reis e Jeremias, respectivamente. Esses nomes estão inscritos em textos cuneiformes no chamado “prisma de argila” de Nabucodonosor II.

Fazendo escola

O interesse de Mykytiuk em verificações arqueológicas começou em 1992, enquanto ele cursava a pós-graduação em estudos hebraicos e semíticos na Universidade de Wisconsin-Madison.
Ele estudava a imagem de uma impressão de argila de um anel de sinete pertencente a um servo do rei Ezequias, que governou o reino do Sul e é mencionado no Livro dos Reis. Ele identificou o que parecia ser o nome do rei.
Desde então não parou mais de investigar. Disse também que a maioria dos estudiosos europeus nessa área diziam que a Bíblia hebraica era “uma obra de ficção com algumas referências históricas espaçadas”. Ele só lembrava da impressão do selo de um servo de Ezequias, que a Bíblia mencionava.
Cristão, Mykytiuk dedicou-se a verificar os nomes no Antigo Testamento, estudando diversas inscrições. Ele escreveu sua dissertação sobre o tema e a publicou como livro anos mais tarde.
Apesar de contestado por alguns de seus colegas, revela que seguiu os passos do arqueólogo israelense Nahman Avigad, que morreu em 1992 e havia deixado um legado para as verificações bíblicas. “Ele estabeleceu alguns critérios que usei e aperfeiçoei”, revela. “Naquela época ninguém tinha critérios, exceto Avigad”.
Depois de Mykytiuk estabelecer um sistema próprio, ganhou seguidores como Kenneth Kitchen, professora de egiptologia da Universidade de Liverpool (Inglaterra), e Bob Becking, professor de Bíblia, Religião e Identidade na Universidade de Utrecht (Holanda).

Novo Testamento

O professor Mykytiuk continua fazendo verificações, segundo o seu método, agora envolvendo o Novo Testamento.
Assim que terminou as 50 primeiras verificações do Antigo Testamento, um colega o motivou: “Podemos terminar o Novo Testamento também”. Para Mykytiuk este era um grande desafio.
“Eu sou um homem da Bíblia hebraica, fazer um estudo do Novo Testamento é muito diferente, com inscrições e moedas gregas e latinas com as quais você não lida nos estudos sobre o Antigo Testamento”.
Mas ele foi em frente. Seu próximo artigo incluirá verificações de 23 figuras políticas do Novo Testamento. Ele espera publicar o material na edição de setembro/outubro da Biblical Archeology Review. O material inclui, além de estudos sobre homens, várias mulheres.
“Muitas são mencionadas em moedas – governantes e suas esposas [ou] irmãs eram politicamente muito influentes”, disse Mykytiuk. O especialista revela que está trabalhando em outro artigo sobre as figuras religiosas do Novo Testamento, como João Batista, Gamaliel e os sumos sacerdotes. Com informações de Times of Israel
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Em Defesa de Cristo: Livro best-seller que inspirou o filme é relançado pela Editora Vida


Em 1998, Lee Strobel lançou nos Estados Unidos o livro Em Defesa de Cristo. Quase 20 anos depois, o jornalista que viu sua saga investigativa a respeito das evidências que provam a existência de Jesus se tornar um best-seller, tem agora em mãos uma edição especial para o lançamento do filme que estreia no Brasil dia 14 de setembro com distribuição pela California Filmes em parceria com a 360WayUp.

Relançamento da Editora Vida, o livro Em Defesa de Cristo foi escrito em estilo de uma reportagem investigativa e tem uma leitura provocante e solidariamente argumentada. Nele, Strobel analisa as seguintes evidências: Histórica - documentos sobre a vida, ensinamento e ressurreição de Jesus e, Científica - a fundamentação arqueológica sobre os relatos históricos de Jesus.
 
Muito conhecido no meio acadêmico dentre o público em geral e ainda mais entre filósofos e teólogos, Lee escreveu mais de 20 livros em sua carreira. Pela Editora Vida é possível encontrar também mais 3 obras do autor lançadas no país. De acordo com Rosana Sabadin, gerente comercial da editora, para a edição especial com capa baseada na arte oficial do filme, o livro contém também guias para discussão em grupos e bibliografia complementar recomendada. “O livro é fantástico. Acredito que será novamente um sucesso de vendas e que isso irá chamar ainda mais atenção dos telespectadores do filme em setembro.” comentou ela.
 
Então, quem quiser mergulhar nessa história através do livro Em Defesa de Cristo já pode adquirir seu exemplar da edição especial filme nas melhores lojas do país. Enquanto você lê as 366 páginas dessa intrigante jornada, vai contando os dias para ver a história contada nas telonas a partir de 14 de setembro nos cinemas.
 
Sobre o filme  "Em Defesa de Cristo"

Com estreia marcada para 14 de setembro nos cinemas do Brasil, o filme Em Defesa de Cristo é baseado na história real de Lee Strobel, um premiado jornalista ateu que vê sua esposa se converter à fé cristã e, sem concordar com a atitude, entra numa jornada de investigação à maior história de todos os tempos. Nessa busca, ele encontrará fatos inesperados e transformadores.

Com informações da 360 WayUp

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Testes de DNA mostram quem são os descendentes dos cananeus

Escavação arqueológica descobriu os esqueletos de três mulheres e dois homens que viveram cerca de 3.700 anos atrás.

por Jarbas Aragão


Os cananeus são descritos no Antigo Testamento como um dos grandes inimigos do povo de Israel. No Livro de Josué, Deus ordenou que os hebreus que entravam na Terra Prometida deviam eliminar os cananeus juntamente com vários outros grupos.
Do ponto de vista da arqueologia, os cananeus são um grupo cultural cujo surgimento e queda permanece um mistério. Agora, um grupo de arqueólogos e geneticistas descobriu fortes evidências de que os cananeus não foram totalmente exterminados. Eles são, de fato, os antepassados ​​do moderno povo libanês.
Os cananeus viviam cerca de quatro mil anos atrás ao longo da costa do Mediterrâneo, e suas cidades se espalhavam pela área conhecida hoje como Jordânia, Líbano, Israel, territórios palestinos e Síria.
Um grupo de cientistas publicou um extenso artigo sobre sua pesquisa sobre esse povo mencionado na Bíblia no American Journal of Human Genetics.
“Nós esclarecemos que os moradores de Canaã representavam cruzamentos de povos originários do Oriente Médio com migrantes vindos da Ásia que chegaram à região posteriormente. Os libaneses atuais são descendentes diretos dos cananeus, apesar de haver uma pequena parte do genoma deles que foi trazida pelos assírios, persas ou antigos macedônios”, resume o geneticista Marc Haber, do Instituto Sanger no Reino Unido.
Haber e seus colegas chegaram a essa conclusão após sequenciarem o DNA antigo de cinco pessoas, cujos corpos foram enterrados em uma cova na cidade de Sidom, na costa do Líbano.
Uma escavação arqueológica descobriu os esqueletos de três mulheres e dois homens que viveram cerca de 3.700 anos atrás.
Após a sequenciação de DNA dessas cinco pessoas, os pesquisadores compararam os resultados com os genomas de 99 libaneses modernos.
“Mais de 90% da ascendência genética dos libaneses atuais é derivada dos cananeus”, explica Chris Tyler-Smith, um dos pesquisadores. “À luz da história extremamente complexa desta região nos últimos milênios, foi uma descoberta bastante surpreendente”.
O DNA das cinco pessoas da Idade do Bronze revelou que elas se parecem. Os cananeus antigos tinham “olhos castanhos e cabelos escuros”, assim como as pessoas que vivem até hoje na região, embora os residentes da Idade do Bronze de Sidom provavelmente tivessem “pele mais escura do que os libaneses hoje”.
Estas evidências confirmam o que registros arqueológicos já sugeriam, que a região conhecida como Levante foi continuamente ocupada durante milhares de anos pelo povo chamado de ‘cananeus’ no Antigo Testamento.
No entanto, isso não significa que o relato bíblico do Livro de Josué [6:21] esteja errado, quando fala que eles foram eliminados “totalmente”. Como os cananeus eram um grupo étnico cujas pessoas viviam em uma grande área, o mais provável é que o texto bíblico se refira ao extermínio de um grupo específico de cananeus que enfrentaram os exércitos israelense.
Ainda segundos os geneticista, os restos mortais dos cananeus analisados mostram que o povo original se misturou com um grupo que veio da região do atual Irã, que provavelmente chegaram à região com a ascensão do Império Acadiano, que sabidamente “controlou a região entre o Irã e o Levante entre 4400 e 4200 anos atrás”.
Eventualmente, no entanto, as duas populações se misturaram e produziram uma cultura próspera e influente. O povo resultante desta cultura ficou conhecido como cananeus.

Inimigos até hoje

Curiosamente, os resultados do estudo de DNA indicam que os povos descendentes dos cananeus, que incluem libaneses e iranianos, até hoje são inimigos dos israelenses.
O Irã, antigo Império Persa, continuamente pede, através de seus líderes, a destruição de Israel, tendo ameaçado por diversas vezes lançar bombas atômicas sobre o Estado Judeu.
O Líbano, país que é mencionado diversas vezes no Antigo Testamento, já entrou em guerra com o Israel moderno, sendo uma das nações que atacaram os judeus na Guerra de Independência, em 1948 e também na Guerra dos Seis Dias, em 1967. Nas décadas de 1970 e 1980 os dois países entraram em conflitos militares diversas vezes.
Berço do Hezbollah, grupo terrorista paramilitar que seguidamente ameaça Israel, os libaneses tiveram sua última guerra declarada contra Israel em 2006. Com informações Ars Techinica
Fonte: Gospel Prime

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Arqueologia revela provas da destruição de Jerusalém pelos babilônios

Achados remetem a relatos do Antigo Testamento de 2.600 anos atrás

por Jarbas Aragão


Os arqueólogos que escavam o sítio arqueológico da Cidade de Davi, localizado no Parque Nacional dos Muros de Jerusalém, capital de Israel, descobriram madeira carbonizada, sementes de uva, pedações de cerâmica, escamas de peixes, ossos e inúmeros artefatos raros que remontam à queda da cidade nas mãos dos babilônios há mais de 2.600 anos.
Entre as descobertas, feitas este ano no local, há dezenas de jarros usados ​​para armazenar grãos e líquidos. Muitos deles têm alças e selos marcados que retratam uma roseta. Eles comprovam a riqueza da antiga Jerusalém, capital do reino da Judéia.
“Esses selos são característicos do final do período do Primeiro Templo e foram usados ​​pelo sistema administrativo que se desenvolveu no final da dinastia da Judéia”, explicam Ortal Chalaf e Joe Uziel, diretores de escavações da Autoridade de Antiguidades de Israel.
Essa roseta basicamente substituiu o selo ‘Para o Rei’ usado no sistema administrativo anterior. “Classificar esses objetos facilitava o controle, a supervisão, a coleta, a comercialização e o armazenamento” dos judeus que cuidavam da cidade na época que ela foi atacada e destruída pelos babilônios.
Entre os artefatos que estavam sob camadas de pedra acumuladas no declive oriental da cidade de Davi, está uma pequena estátua de marfim. O objeto raro representa uma mulher nua com um corte de cabelo (ou peruca) de estilo egípcio.

Os diretores ressaltam que “essas descobertas da escavação mostram que Jerusalém se estendia além do limite estabelecido pelos muros da cidade antes da sua destruição”. O Antigo Testamento relata que os babilônios, liderados por Nabucodonosor destruíram Jerusalém em 587 a.C. (Jeremias 39 e 52).
“Ao longo da Idade do Ferro, Jerusalém passou por um crescimento constante, expressado tanto na construção das diversas muralhas da cidade quanto no fato de a cidade se expandir mais tarde. As escavações realizadas no passado na área do Bairro Judeu mostraram como o crescimento da população no final do século 8 a.C. posteriormente resultou na anexação da área ocidental de Jerusalém”, afirma o comunicado da Autoridade de Antiguidades de Israel.
Chama atenção o fato da divulgação dos estudiosos ser feita alguns dias antes do “Tisha B’Av”, a data que anualmente lembra a destruição do Primeiro e Segundo Templos judeus no Monte do Templo.
A Autoridade de Antiguidades de Israel anunciou a descoberta de evidências da destruição babilônica de Jerusalém na mesma semana em que os palestinos e outros islâmicos tentam divulgar publicamente que eles são os “legítimos” donos de Jerusalém e negam o seu passado como capital do povo judeu. Com informações Fox News
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Ministério Nissí realizou sua segunda Gincana Bíblica



No último sábado 22/07 o Ministério Nissí realizou sua segunda Gincana Bíblica, a primeira fora realizada à quase cinco anos atrás, em meados de Outubro de 2012. Com o objetivo de promover uma tarde de brincadeiras saudáveis e com base bíblica, a segunda Gincana ocorreu na Escola de Ensino Fundamental Joaquim Rufino, e contou com a participação de pessoas com as mais variadas idades, desde jovens à adultos, desde membros do Ministério Nissí à Jovens da Igreja Católica e foi sem dúvidas, uma tarde muito proveitosa e divertida. Foram realizadas seis brincadeiras, todas de alguma forma estabelecendo ligação com a bíblia, desde mimicas, passando por perguntas e respostas ao estilo torta na cara, ao final da tarde, após a equipe vencedora receber o prêmio, foram servidas comidas típicas juninas, como pipocas, arroz doce, mungunzá, dentre outras.
Confiram algumas fotos da Gincana abaixo, para ver todas as fotos é só acessar nossa página no Facebook e para ver todas as da primeira Gincana é só acessar o link a seguir: https://www.facebook.com/NissiAltaneira/ - http://www.nissialtaneira.com.br/2012/10/gincana-biblica.html








terça-feira, 18 de julho de 2017

O Peregrino, de John Bunyan, ganhará novo filme

"Estamos conquistando um novo terreno em filmes sobre a fé”, diz diretor.

por Cristiano Medeiros


“O Peregrino”, livro escrito por John Bunyan em 1678 vai virar filme. A adaptação para as telas do cinema será feita pela produtora King Street Pictures, que iniciou nessa semana as gravações na Califórnia, Estados Unidos.
A obra, uma das primeiras publicadas em língua inglesa, é considerada um dos livros religiosos mais populares de todos os tempos.
A história gira em torno de um peregrino de nome Christian, que encontra diversos personagens fantásticos (Desespero, Hipocrisia, Boa-Vontade) em seu caminho para ser um bom cristão.
O elenco de Heavenquest: A Pilgrim’s Progress (nome original da produção) vem de vários países, incluindo Coreia do Sul (Pyo Cha, Ricky Kim), México (Fernanda Romero e Karyme Lozano), Austrália (Peta Sergeant) e Estados Unidos (Alan Powell, cantor da banda religiosa Anthem Lights).
Matt Bilen, diretor da narrativa, é conhecido pelos curtas-metragens de terror e animação. O cineasta afirma que o filme será inovador em vários aspectos. “Estamos conquistando um novo terreno em filmes sobre a fé. Heavenquest vai ter mais ação, mais ambição e mais estilo cinematográfico do que as plateias já viram antes”. Com informações de Adoro Cinema
Fonte: Gospel Prime
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...