"Sendo Igreja, Manifestando o Reino" Ministério Nissí comemorou seu quinto aniversário

Graça e paz, no dia 27 de Agosto o Ministério Nissí comemorou seus cinco anos de criação.

Igreja Acev Nova Olinda lança campanha para a construção de mais uma casa na serra do Zabelê

Essa será a terceira casa que Igreja constrói na localidade

Billy Graham esclarece o que significa o mandamento para “não julgar”

Pastor acredita que cristãos entendem errado o que Jesus disse

Palácio do tempo de Salomão é encontrado na cidade de Gezer

Arqueólogos fazem descoberta em Israel que comprovaria relato bíblico

Reflitamos #13

Série do blog com imagens para reflexão

sábado, 24 de setembro de 2016

Investindo seus próprios recursos, cristã alimenta milhares de sem-teto

Prestes a completar 30 anos, Lauren quer fazer refeições para 30 mil pessoas
por Jarbas Aragão



Uma cristã de Woodbridge, estado da Virginia, Estados Unidos, está atraindo a atenção da mídia por causa de uma campanha humanitária. Prestes a completar 30 anos, seu projeto é fazer uma “festa” onde irá alimentar 30.000 pessoas.
Mãe solteira, Lauren Puryear não é milionária e vive no padrão médio dos cidadãos americanos. Contudo, ela decidiu fazer mais pelo “próximo” após visitar uma espécie de acampamento de sem tetos em sua cidade. Chamada de “cidade de tendas”, trata-se de um ajuntamento de barracas de pessoas que por diversos motivos hoje vivem nas ruas.
Quando começou a falar com os moradores daquele local, ela perguntou do que eles mais precisavam. A resposta foi unânime: comida.
Lauren fez algo a respeito e decidiu preparar refeições que levava pronta em marmitas. Porém, ela descobriu que poderia fazer muito mais se comprasse alimentos em grandes quantidades em uma rede varejista da cidade.
Ao ver um cupom promocional no jornal, conseguiu comprar 425 latas de legumes por um preço irrisório. “Eles ficaram empilhados na cozinha do meu apartamento numa pilha que chegava ao teto”, conta. Resolveu usar o conteúdo das latas para preparar uma refeição quente, adicionando carne de frango e alimentou mais de 300 pessoas.
Para ela, a oportunidade de auxiliar tanta gente foi algo transformador. Ela ouviu de um senhor de uns 50 anos, que aquela era a primeira refeição quente que ela comia depois de três dias.
Desejando alimentar mais pessoas sem comprometer toda a sua renda, ela começou a pedir doações e usar todas as promoções que a rede varejista oferece. “Esses cupons baixam o preço tremendamente”, comemora. Recentemente, ela serviu 1.200 cachorros-quentes para os sem teto. O preço de cada um foi muito abaixo do que seria caso comprasse metade disso com o preço normal em um supermercado.
Recentemente, para celebrar seu aniversário, alimentou mais de 1.000 pessoas numa espécie de festa ao ar livre. A experiência, segundo ela, foi “a sensação mais tremenda que tive depois do meu parto.”
Seu próximo alvo é distribuir “refeições boas e saudáveis” para 1.500 pessoas. Como seu trabalho voluntário começou a ficar conhecido, atraiu mais voluntários dispostos a ajudá-la. São pessoas de classe média baixa, que simplesmente querem distribuir o pouco que tem com aqueles que possuem menos que elas.

O grande objetivo de Lauren, marcado para 2017, quando ela completa 30 anos é alimentar 30.000 pessoas. Por causa da sua fé cristã e baseada no texto bíblico de João 13: 34-35, ela deu início a uma ONG chamada “Por amor aos outros”. Segundo o site oficial, seu objetivo é “melhorar a vida das pessoas de todas as origens, oferecendo oportunidades que lhes permitam viver uma vida com propósito.” Além de dar comida, Lauren Puryear trabalha para que essas pessoas tenham um emprego e voltem a ter seu próprio sustento. Com informações Gospel Herald
Fonte: Gospel Prime

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Pergaminho revela um dos primeiros textos do Antigo Testamento

Passagens decifradas do pergaminho são idênticas ao texto massorético, usado nas traduções até hoje.
por Jarbas Aragão 


A cópia mais antiga de trechos do Antigo Testamento já encontrada é um frágil pergaminho hebraico que acaba de ser aberto e digitalizado. A revista “Science Advances” publicou nesta quarta (21) que o texto, conhecido como o pergaminho En­Gedi, contém um texto do Levítico datado dos séculos III ou IV, e possivelmente antes.
Trata-se do pergaminho mais antigo do Pentateuco, os cinco primeiros livros da Bíblia, atribuídos a Moisés. Segundo a publicação científica, decifrar seu conteúdo foi “uma importante descoberta da arqueologia bíblica”.
Encontrado em 1970 por arqueólogos numa escavação em En­Gedi, antiga comunidade judia do fim do século 8, o deteriorado pergaminho não podia ser lido. Contudo, o uso de novas tecnologias “nos permitiu desvendar o pergaminho, que fazia parte de uma Bíblia de 1500 anos de idade”, explicou um representante da Autoridade de Antiguidades de Israel.
estado precário da peça encontrada em uma escavação em 1970 devia-se a ela ter sobrevivido ao incêndio que provavelmente destruiu a sinagoga.
As análises do estilo da caligrafia e os traços das letras mostram que ele pode ter sido escrito na segunda metade do século 1 ou de princípios do século 2 depois de Cristo.
“A estrutura principal de cada fragmento, completamente queimada e esmagada, tinha se transformado em pedaços de carvão que continuavam se desintegrando cada vez eram tocados”, disse o estudo. Os pesquisadores utilizaram como ferramenta um avançado scanner digital para “desenrolá-lo virtualmente e ver seu conteúdo”, explica Michael Segal, diretor da Escola de Filosofia e Religião da Universidade Hebraica de Jerusalém.
Também ficou comprovado que as passagens decifradas do pergaminho de En­Gedi são idênticas em todos os seus detalhes, tanto as letras como a divisão em seções, ao chamado texto massorético, usado nas traduções até hoje. Isso ajuda a enterrar o mito corrente de que a Bíblia foi alterada ao longo dos séculos.

Agora os pesquisadores pretendem usar as mesmas técnicas para ler outros textos danificados, incluindo parte dos pergaminhos do Mar Morto, que continua sendo indecifrável.
Fonte: Gospel Prime

sábado, 17 de setembro de 2016

Projeto social de igreja oferece abrigo para pacientes de hospitais

Alojamento e refeições são oferecidos gratuitamente para quem está em tratamento ou acompanhando pacientes
por Leiliane Roberta Lopes

A Igreja Batista de Morada de Laranjeiras, na Serra (ES), criou um projeto social que abriga moradores do interior que viajam para a cidade em busca de consultar nos hospitais públicos.
O projeto funciona há dois anos e oferece dois alojamentos (um feminino e outro masculino) onde o paciente pode dormir e se alimentar enquanto espera ser atendido pelos hospitais da região.
A ideia nasceu no coração do pastor Antônio Marcos que viu a necessidade dessas pessoas de terem onde ficar. A localidade do abrigo é ideal por estar próximo aos hospitais Jayme Santos Neves e Dório Silva.
“Nós mapeamos toda essa situação e resolvemos desenvolver esse trabalho. Como igreja, é função nossa. Nesses dois anos, já passaram por aqui umas 10 mil pessoas. Cerca de 700 pessoas passam por aqui por semana, e esperamos que esse número aumente”, disse ele ao G1.
São os funcionários do hospital que ligam para o pastor indicando os pacientes que precisarão de um abrigo por uma ou duas semanas. Mas alguns chegam a ficar meses acompanhando familiares que estão internados.
Nos alojamentos há fogão, colchão e TV e são os hóspedes que cuidam da limpeza do espaço.
A alimentação também é oferecida gratuitamente para pacientes e acompanhantes. Muitas vezes o pastor Antônio vai até os hospitais encontrar pessoas que estejam com fome para almoçarem.
“É uma refeição dada de coração, feita no capricho com bons ingredientes. Eu acredito que em breve teremos retorno disso”, disse o empresário Eraldo de Araújo Garcia que é dono do restaurante que oferece as marmitas para o projeto.
Fora isso, um ônibus doado para a igreja leva essas pessoas até o refeitório e depois volta para o hospital.
O abrigo da igreja tem recebido não apenas moradores do interior do Estado, mas também pessoas de outros estados que viajam até Serra para visitarem parentes internados ou para esperar por consultas.
“São pessoas que saem cedo de suas cidades do interior do estado ou da Bahia para receber atendimento na Serra. Essas pessoas vêm fazer exames especializados e saem de casa sem nenhum dinheiro. Então, servimos essa refeição”, comenta o pastor.

Fonte: Gospel Prime

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Reflitamos #14

Graça e Paz, na postagem de hoje damos sequência à série que consiste na postagem de imagens para que servem para nossa reflexão. Que fale ao coração de todos!






Piso do Segundo Templo é reconstruído em Israel

Arqueólogos apresentam provas incontestáveis da construção feita por Herodes no Monte do Moriá
por Jarbas Aragão

Uma descoberta recente está animando estudiosos da Bíblia e da história de Israel, em especial aqueles que anseiam pela reconstrução do Templo no alto do Monte Moriá. Após 12 anos de pesquisas meticulosa, arqueólogos israelenses conseguiram reconstruir sete partes originais do piso do templo edificado por Herodes, no alto do monte Moriá, que foi destruído no ano 70.
Um verdadeiro “quebra-cabeças” foi montado partir de 600 pedaços de cerâmica encontrados nos escombros do que a administração palestina do Monte do Templo tentou esconder. Há anos os muçulmanos tentam eliminar provas da história judaica no lugar.
De maneira ilegal, toneladas de terra foram escavadas e lançadas fora como aterro, mas os especialistas estão cuidadosamente resgatando moedas, potes e cerâmicas. É o projeto Peneirar o Monte do Templo.

Esses pedaços do piso, que lembram ladrilhos modernos, são parte de um trabalho supervisionado por Gabriel Barkay e Yitzhak Dvira. Eles explicaram ao portal de notícias Ynet que o material reconstruído é “de uma beleza excepcional, e provavelmente foram utilizados nos pórticos, na entrada do acesso ao Templo”. Lembram que o historiador judeu Flávio Josefo descreveu em seus escritos que eles eram coloridos. “Temos aqui pela primeira vez um vislumbre da beleza do lugar”, comemora Barkai.
Fragmentos dos pisos do Pórtico do Templo de Heródes
Piso onde Jesus andou
Originalmente importados de Roma, da Ásia Menor, da Tunísia e do Egito, os mosaicos que formam o piso foram cortados em diferentes formas geométricas. Provavelmente foram feitos por artesãos estrangeiros e enviados para Herodes, o Grande pelo imperador Augusto.
Frankie Snyder, especialista em pisos decorativos antigos e que trabalha com o projeto Peneirar ajudou a reconstruiu as peças. Ele explica que o estilo, chamado Opus Sectile, era distintivo de pisos exclusivos feitos na época. Basicamente eram pedras multicoloridas polidas e cortadas para compor uma diversidade de formatos geométricos.
Mosaico do piso do Templo de Heródes
Este mesmo estilo de decoração de pisos foi encontrado em outras construções de Herodes o Grande e visto nas ruínas dos palácios erguidos por ele em Massada, Herodium e Jericó. Uma característica-chave desses mosaicos herodianos é o seu tamanho, que corresponde à medida de um pé romano: 29,6 centímetros.
O dr Barkay acredita que além de conectar os judeus com seus antepassados, o achado deve ter grande importância para os cristãos. “Este provavelmente é o piso por onde as moedas rolaram quando Jesus virou as mesas dos cambistas!”, acredita.
Trata-se da mais incisiva evidência física e arqueológica que havia um Templo Judaico no Monte do Templo 2 mil anos atrás. “É a primeira vez em que arqueólogos foram capazes de restaurar com sucesso um elemento do complexo que formava o Segundo Templo”, comemora Zachi Dvira, co-fundador e diretor do projeto Peneirar.  Até agora a maioria das descobertas era de moedas, selos epedaços de argila e cerâmica da época.
Piso do segundo Templo reconstruído
Schneider e Dvira apresentaram suas descobertas esta semana, na conferência anual da Megalim, central de estudos da antiga Jerusalém.

Projeto Peneira

Coordenado pela Universidade Bar-Ilan e a Fundação Cidade de Davi, o “Peneira” deseja investigar todo o material dos mais de 400 caminhões de terra retirados do Monte do Templo e despejados em um vale, perto da Cidade Velha de Jerusalém.
Zachi Dvira, idealizador do projeto que possibilita que voluntários ajudem na escavação, explica que desde o início do projeto em 2004, mais de 170 mil pessoas já participaram. Cerca de 50% da terra retirada do local sagrado já foi analisada.
O doutor Barkay afirma que esse “aterro” é o “maior crime arqueológico da história de Israel”. Afinal, o Monte do Templo está no centro da disputa política sobre Israel ser (ou não) a capital de um futuro Estado da Palestina.
“O Monte do Templo é o mais delicado e mais importante sítio arqueológico no país, e jamais foi escavado por causa da política. É uma incógnita; um pedaço de terra desconhecida”.
Após a reunificação de Jerusalém durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel retomou o controle de sua capital, mas por causa de um acordo, o Monte permanece sob domínio do governo jordaniano. Achados arqueológicos que comprovem que ali repousava o templo de Salomão colocariam por terra os argumentos muçulmanos de que os judeus não têm direito ao local.
Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Arqueólogos encontram local que pode comprovar luta entre Davi e Golias

Cidade de Saaraim é mencionada em diversas passagens bíblicas
por Jarbas Aragão
Arqueólogos encontram local que pode comprovar luta entre Davi e Golias

De tempos em tempos arqueólogos revelam alguma descoberta que comprova os relatos bíblicos de milhares de anos atrás. Durante muito tempo argumentou-se que Davi e Salomão, conhecidos reis de Israel, jamais existiram e seriam apenas “lendas”. O canal de TV National Geographic produziu uma série para “comprovar” isso em 2006.
Na mesma época que o programa estreou, o professor Yosef Garfinkel da Hebrew University e o arqueólogo Saar Ganor, ligado à Autoridade de Antiguidades de Israel deram início a uma pesquisa que comprovaria como foi o reinado de Davi. Esse material agora está exposto em Jerusalém.
Desde que as ruínas de uma cidade no vale de Elá, no centro de Israel, foram escavadas por ele, muito do que se conhecia apenas pela Bíblia passou a ser comprovado pela ciência. O sítio arqueológico de Khirbet Qeiyafa, também conhecido como Fortaleza Elá, revelou o que pode ser a Saaraim mencionada na Bíblia.
Segundo o professor Garfinkel, o que eles estão agora mostrando ao mundo é descrito na Bíblia como o local da famosa batalha entre Davi e Golias. Todos os resultados das escavações no vale de Elá estarão em exibição no Museu das Terras Bíblicas, em Jerusalém, a partir de 5 de setembro.
“A arqueologia não conseguiu encontrar um homem e tampouco os remanescentes ligados ao próprio rei Davi”, esclareceu Garfinkel. “Mas encontramos evidências arqueológicas do processo social da urbanização na Judéia.”
As evidências mencionadas por ele se encaixam com o que é descrito na Bíblia, como o estabelecimento do reino de Davi, quando as pequenas comunidades agrárias foram substituídas pelas cidades fortificadas.
“A cronologia se encaixa perfeitamente com a narrativa bíblica. Os testes de carbono feitos em caroços de azeitona encontrados em Khirbet Qeiyafa mostram que a cidade foi construída no final do século 11 a.C.”, explicou.
Curiosamente, no ano passado arqueólogos da Universidade de Bar-Ilan descobriram as ruínas da antiga cidade de Gate, que segundo os relatos bíblicos era o local de nascimento de Golias.
Dois fenômenos chamaram a atenção de Garfinkel e Ganor quando eles começaram as escavações em Khirbet Qeiyafa, uma década atrás. Vários blocos de granito foram usados em partes de um muro que cerca o local e possuía duas grandes cavidades
Somente no segundo ano de pesquisa é que os arqueólogos compreenderam que haviam encontrado uma cidade fortificada que correspondia perfeitamente com a descrição de Saaraim (1 Crônicas 4). Esse nome, em hebraico, significa “duas portas”, e os buracos no muro construído sobre os alicerces de outros mais antigos, ficavam no mesmo lugar onde deveriam haver duas portas. Isso era uma raridade em cidades pequenas.

Harmonia com a Bíblia

A localização geográfica da cidade também se encaixa com a descrição bíblica da Saaraim, mencionada logo após a batalha entre Davi e Golias. O texto de 1 Samuel 17:2 diz que o exército de Israel e de Judá perseguiram os filisteus e os cadáveres dos inimigos “ficaram espalhados ao longo da estrada de Saaraim até Gate e Ecrom.”. A cidade também é mencionada em Josué 15, e ficaria perto de Socó e Azeca, dois sítios arqueológicos conhecidos e relativamente próximos de Khirbet Qeiyafa.

O Museu das Terras Bíblicas inaugura esta semana a exposição “No Vale de Davi e Golias” e exibirá cacos de cerâmica, assim como um modelo em argila de um santuário encontrado no local, além de enormes pedras usadas no muro que cerca a cidade. Para Garfinkel, isso dará uma oportunidade para as pessoas voltarem na história e entenderem um pouco melhor como foi o reinado de Davi.
Fonte: Gospel Prime

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Palácio do tempo de Salomão é encontrado na cidade de Gezer

Arqueólogos fazem descoberta em Israel que comprovaria relato bíblico
por Jarbas Aragão

Palácio do tempo de Salomão é encontrado na cidade de Gezer

Ruínas de um palácio que data da época do rei Salomão foi descoberto no sítio arqueológico de Tel Gezer, em Israel. O local, que fica entre Tel Aviv e Jerusalém, é identificado com a cidade cananeia de Gezer, citada na Bíblia. Hoje abriga um parque nacional, que guarda muitos registros da vida ali 3000 anos atrás.
Em escavações recentes, uma equipe de arqueólogos americanos descobriu uma camada com cerâmica filisteia, o que confere com o relato bíblico sobre esse povo viver no local até ser derrotado pelo rei Davi (2 Samuel 5:25 e 1 Crônicas 14:16).
A edificação palaciana desenterrada em outra camada do sítio arqueológico remonta ao século 10 a.C, época em que viveu o rei Salomão. O complexo possui um grande pátio central, como o de palácios em Hatzor e Megido, onde o sucessor de Davi também tinha residências reais (1 Reis 9:15).
Ainda não há comprovação de quando (e se) Salomão de fato viveu ali, mas o professor Steve Ortiz, co-diretor do projeto de escavação, explicou ao jornal Haaretz que o prédio é significativamente maior do que as casas comuns da época. Entre as características distintivas está o tipo de pedra usada na construção, muito cara para o cidadão comum.

O doutor Sam Wolff, arqueólogo ligado à Autoridade de Antiguidades de Israel e co-diretor da escavação ao lado de Ortiz, pede calma antes do anúncio de que o local realmente seja aquele mencionado na Bíblia. Para ele é necessário que mais artefatos sejam descobertos antes de uma confirmação oficial.
Edifício datado do ´seculo 10 a.c. a era do Rei Salomão.

Histórico de destruição

Como a maioria dos sítios arqueológicos em Israel, a cidade foi destruída e reconstruída várias vezes ao longo dos séculos. Por isso o estudo das camadas de terra é tão importante, pois dá condições de confirmar a datação.
Escavações anteriores já provaram que a cidade sofreu uma destruição violenta nas mãos dos egípcios, que mencionam Gezer em seus registros históricos. Tutmés III fala sobre sua captura nas paredes do templo de Karnak. O faraó Merneptah vangloriou em sua estela de ter “tomado Gezer.” Também há indícios de um incêndio que queimou totalmente a cidade.
Reunindo esses aspectos, mais a descoberta de agora, é possível ver que tudo está em consonância com 1 Reis 9:16-18: “O Faraó, rei do Egito, tinha atacado e conquistado Gezer. Incendiou toda a cidade e matou os seus moradores, que eram cananeus, e a deu como presente de casamento à sua filha, esposa de Salomão. E Salomão reconstruiu Gezer. Com o uso da mão de obra de seus trabalhadores forçados, Salomão também construiu Bete-Horom Baixa, Baalate, e Tadmor, no deserto dessa região”.
Fonte: Gospel Prime
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...