31 de Outubro dia da Reforma Protestante. Temos o que comemorar?

Reflexão acerca do momento atual que atravessa a Igreja Brasileira

Descoberta traz menção mais antiga sobre Jerusalém da história

Peça de 2 mil anos contraria argumentos sobre ausência de registros fora da Bíblia

Jovem se converte após conversa de pastores sobre Deus em jogo de videogame

Não existe hora ou dia certo para testemunhar o amor de Deus.

Pastor abriga venezuelanos durante protesto em Pacaraima

"Foram 63 pessoas que acolhemos ao todo. A compaixão venceu o medo", afirmou.

Igreja cria “caixa de bênçãos” para doar alimentos aos necessitados e inspira solidariedade

A iniciativa ganhou repercussão recentemente após uma pessoa deixar um bilhete agradecendo a solidariedade.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Para longe de nós com este tal de próximo!

A estrada da oportunidade de nossa vida é uma só, quem faz o caminho nesta estrada somos nós.
Por
 

O Bom Samaritano
E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o, e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo. E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás. Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo? Lucas 10:25-29
Creio que esta é uma das passagens bíblicas mais amadas e conhecidas, a parábola do “Bom Samaritano”. O “Bom” fica por nossa conta, pois em nenhum momento Jesus o trata assim.
Parábolas são estórias irreais que nos trazem um ensino real.
Os ensinos rabínicos são fartos de parábolas. São parte essencial da literatura judaica, eram chamadas de “Mashal Judaico”. São utilizadas tanto no texto do Antigo Testamento como também na literatura israelita para tornar as lições mais atrativas e também facilitar a compreensão e o ensino.
Jesus, assim,  não pensou duas vezes em aplicar esta figura de linguagem para anunciar a Palavra de Deus. É comum encontrar em Seu ensino diversas parábolas, principalmente aquelas que utilizam elementos do cotidiano dos habitantes da Galiléia.
E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o, e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo. E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás. Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo? Lucas 10:25-29
Creio que esta é uma das passagens bíblicas mais amadas e conhecidas, a parábola do “Bom Samaritano”. O “Bom” fica por nossa conta, pois em nenhum momento Jesus o trata assim.
Parábolas são estórias irreais que nos trazem um ensino real.
Os ensinos rabínicos são fartos de parábolas. São parte essencial da literatura judaica, eram chamadas de “Mashal Judaico”. São utilizadas tanto no texto do Antigo Testamento como também na literatura israelita para tornar as lições mais atrativas e também facilitar a compreensão e o ensino.
Jesus, assim,  não pensou duas vezes em aplicar esta figura de linguagem para anunciar a Palavra de Deus. É comum encontrar em Seu ensino diversas parábolas, principalmente aquelas que utilizam elementos do cotidiano dos habitantes da Galiléia.
Neste caso do texto acima, Jesus fora confrontado por um Doutor da Lei.
Nem todo Fariseu era um Doutor da Lei, mas praticamente, todo Doutor da Lei era um Fariseu.
A origem dos Fariseus remonta a classe mais humilde. O surgimento deles provem dos  “Perishins” (piedosos), que foram participantes da luta armada de Judas Macabeu.
Na época de Jesus eram oriundos do grupo dos artesãos, pequenos comerciantes e alguns da classe média.
Com relação às questões políticas, eles tinham o poder de manipulação do povo e de exercer autoridade sobre ele. Sem ter alternativa o povo os respeitavam, pois tinham uma pseudo autoridade politica sem exercer o poder.
A pergunta feita pelo Doutor da lei era bem proposital: “ – Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” . Existiria pergunta mais importante a ser feita? Esta é, inclusive, a dúvida de uma grande parte dos seres humanos.
Jesus, conhecendo-o lhe pergunta: “ – Que está escrito na lei? Como lês?”.  O ávido aluno logo responde com o resumo de toda a Lei: “ – E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.”. O Mestre, satisfeito com a resposta lhe orienta: “ – Respondeste bem; faze isso, e viverás.”.
Não sabemos o por quê do Doutor da Lei querer se justificar, entretanto ele faz o questionamento mais pueril que alguém poderia faze: “- Quem é o meu próximo?”.
Enquanto digitava este artigo o Espírito Santo me fez lembrar que o meu próximo é exatamente aquele que está muito perto de mim, mas que eu faço questão de não enxergá-lo.
É o meu vizinho que está envolvido com tráfico de drogas e que eu sei que a qualquer momento pode ser morto e perder a oportunidade de ser salvo, porque me sinto muito santo demais para confrontá-lo com o Evangelho de Jesus;
São meus filhos que estão perdidos dentro de casa, viciados em jogos e séries dos diversos canais da mídia digital, mas que eu não tenho coragem de dizer que se eles não se voltarem para Jesus e o convívio da comunhão da Igreja estarão perdidos.
Meu próximo é o passageiro assentado no banco ao meu lado que esteve ali, colocado pelo Senhor,  por seis horas e eu sequer puxei  conversa com ele, perdendo a chance de evangelizá-lo;
Meu próximo é um militante partidário fanático que eu preferi ofender e mandá-lo ao inferno do que amá-lo e anunciar-lhe Jesus;
São os diversos missionários ou aqueles que estão vivendo no limite, que deixaram tudo e todos para fazer a obra de Deus nos mais distantes rincões, que me pedem uma ajuda financeira e eu, mesmo tendo como ajudar no momento, digo que vou mandar o mês que vem.
Na realidade o que a gente gostaria de dizer sinceramente é: PARA LONGE DE NÓS COM ESTE TAL DE PRÓXIMO!
É triste ver na parábola que o homem caído, meio morto, não pôde ser auxiliado pelos religiosos, o Sacerdote e o Levita. A religião muitas vezes neutraliza e cega os homens.
Que se diga que ambos fizeram o certo em não auxiliar o homem, pois parecia estar morto (Quem está meio morto também está meio vivo). A lei preconizava em Números 19.11 : “ – Aquele que tocar em alguma pessoa morta se tornará impuro durante sete dias.
O Sacerdote e o Levita, segundo a Lei, fizeram o certo em abandonar o homem caído, pois se ele estivesse morto não poderiam celebrar no templo e perderiam, quem sabe, a única oportunidade de suas vidas.
Entretanto, pela mesma Estrada, vinha um Samaritano, o ser mais odiado, desprezado e discriminado pelos judeus por questões históricas de miscigenação étnica entre hebreus e babilônios.
Trazendo para nossos dias um Samaritano poderia ser  uma “Drag Queen”, um “Cracudo”, um ex Presidiário, enfim, qualquer ser por nós desprezível. Não quero aqui justificar o erro e as escolhas de ninguém, pois nem o próprio Jesus o fez na parábola, mas foi exatamente esta escória que parou tudo o que estava fazendo, desceu do cavalo, teve Íntima Compaixão, se aproximou do homem caído que fora desprezado pelo Sacerdote e Levita, curou suas feridas, tomou-o nos braços, levou para uma estalagem, pagou a despesa e ainda deixou um adiantamento para suprir futuros gastos, disse que voltaria, pois se importava com o ferido.
Nossa vida é simbolizada como uma Estrada, a estrada que vai de Jerusalém a Jericó. Só que nesta mesma estrada cada um traçará o seu Caminho. Nós é que vamos escolher se faremos o Caminho da Religião que está muito mais preocupada em fazer o que é certo, ou pavimentaremos o Caminho do Samaritano, que, entre fazer o que é Certo e fazer o Bem, escolheu fazer o Bem e ser o Próximo do necessitado.
Terminada a parábola Jesus olha bem nos olhos do Doutor da Lei e lhe pergunta: “Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.
O orgulho e ódio do Fariseu jamais permitiriam dizer que o Samaritano fora o Próximo. Assim também fica esta grande lição para todos nós, o próximo é todo aquele que escolhe fazer o Bem quando muitos, sob a desculpa de serem religiosos, escolhem não fazer nada em nome de algo que acreditam ser o certo.
A Estrada da oportunidade de nossa vida é uma só, quem faz o Caminho nesta estrada somos nós.
Sejamos sempre o próximo de alguém
Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.
Publicado originalmente no site Gospel Prime

Igrejas beneficiam famílias sertanejas com projetos de cuidado ambiental

Famílias de Paraíba e Pernambuco são beneficiadas por um projeto da Ação Evangélica


Casa Ecodignidade

Casas construídas com sistema de reutilização de água, cisterna com capacidade para 16 mil litros, biodigestor que produz gás a partir de fezes suínas e bovinas, além da preocupação com acessibilidade. O nome de tudo isso é “Casa Ecodignidade”.
O projeto que está beneficiando famílias no semiárido de Pernambuco tem seus detalhes mostrados na série “Boas Práticas no Sertão” que é apresentado em sete episódios. A série exibe em vídeos iniciativas de agricultura familiar, cultivo orgânico, energia sustentável, reflorestamento, entre outras ações de cuidado ambiental.
Há projetos em desenvolvimento em dois estados do nordeste, Paraíba e Pernambuco, que são promovidos pela Igreja Ação Evangélica e pelas organizações Acev Social e Diaconia.
Em um dos vídeos da série, John Philip Medcraft, pastor da Igreja Ação Evangélica, conta como uma área sem fonte de água permanente e com mata parcialmente destruída se transformou em uma reserva de preservação da caatinga, cheia de animais, reconhecida pelo Ibama.
Localizada em São Mamede, no interior da Paraíba, a reserva recebe com frequência a visita de pesquisadores e alunos da rede escolar municipal. Ainda no interior da Paraíba, em Imaculada, o projeto “Pão Nosso de Cada Dia” distribui pães para famílias de baixa renda e usa sacolas retornáveis para diminuir a quantidade de plástico descartada no meio ambiente.
No Brasil, cerca de 1,5 milhão de sacolinhas são distribuídas por hora. Apesar de sua praticidade, o consumo excessivo de sacolas plásticas é um dos maiores vilões do meio ambiente, devido seu alto custo ambiental.
Em Pernambuco, já existe uma família que conserva a vegetação nativa ao redor da casa e cria em sua pequena propriedade cabras e galinhas, além de cultivar uma variedade de plantas sem o uso de agrotóxicos. A família recebe apoio e incentivo da ONG Diaconia.

Com informações do site Gospel Prime

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Primeiro trailer do filme “Superação - O Milagre da Fé” é lançado no Brasil


A estreia do longa está agendada para abril de 2019
 
O ano de 2018 foi marcante para o cenário cinematográfico cristão com o lançamento de muitos filmes que impactaram o público e levaram milhões de pessoas às salas de cinema de todo o país. Em 2019 não será diferente, e o primeiro filme a ser lançado será “Superação - O Milagre da Fé”.

O longa-metragem será distribuído pela Fox Film do Brasil em parceria com a 360 WayUp, empresa que tem sido referência nas campanhas de lançamento de filmes cristãos no Brasil.

Com produção de DeVon Franklin ("Milagres do Paraíso"), direção de Roxann Dawson (House of Cards) e adaptado para o cinema por Grant Nieporte ("Sete Vidas") do livro de Joyce Smith, "Superação - O Milagre da Fé" conta a história real de uma mãe que une a fé, o amor e a esperança para conquistar um milagre e recuperação na vida do filho.

O longa-metragem está com estreia prevista para o mês de abril, mas você já pode conferir o trailer oficial dublado, que foi divulgado pela Fox nesta terça-feira, dia 29/01. Assista, compartilhe com amigos e nas suas redes sociais usando a Hashtag #SuperaçãoOMilagreDaFé

Sinopse
"Superação - O Milagre da Fé" baseia-se na história real e inspiradora do amor inabalável de uma mãe em face de probabilidades impossíveis. Quando o filho adotivo de Joyce Smith (Chrissy Metz, "This Is Us"), John, cai em um lago congelado no Missouri (EUA), toda a esperança parece perdida. Com John sem vida, Joyce se recusa a desistir. Sua implacável convicção inspira as pessoas ao seu redor a continuarem orando pela recuperação de John, mesmo diante de todo o histórico do caso e previsões científicas jogando contra. Do produtor DeVon Franklin ("Milagres do Paraíso") e adaptado para o cinema por Grant Nieporte ("Sete Vidas") do livro de Joyce Smith, "Superação - O Milagre da Fé"  é um lembrete fascinante de que a fé e o amor podem criar uma montanha de esperança e, às vezes, até um milagre. 



Com Informações da 360 WayUp

Moeda com citação a rei bíblico é encontrada em Israel

Nome do governante é mencionado em Atos 26
Um estudante israelense encontrou num riacho na região de Shiloh, nas cercanias de Tel Aviv, Israel. Com cerca de dois mil anos de idade, o artefato traz a inscrição do nome do rei Agripa, mencionado no Livro de Atos.
A peça rara passará a integrar a coleção “Tesouros Nacionais”, da Autoridade de Antiguidades de Israel.  Os arqueólogos atestaram que a moeda foi cunhada durante o reinado de Herodes Agripa I,  que governou a Judeia por volta do ano 40 do primeiro século depois de Cristo.
Medindo menos de dois centímetros, a moeda  traz  três pequenos desenhos de um lado, no outro há um dossel real e a inscrição “Rei Agripa”. Ele era neto de Herodes, o Grande e foi o pai de Herodes Agripa II, último governante da dinastia herodiana.
Segundo Hanania Hezmi, líder da equipe de arqueologia da Administração Civil, disse ao Times of Israel que “Toda descoberta arqueológica tem uma história e oferece mais detalhes sobre a história da terra e do povo de Israel. Esse tipo de descoberta apresenta outra peça no quebra-cabeça histórico do nosso povo”.



Fonte: Gospel Prime

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Homem-Aranha e conflitos da Igreja Atual

   Graça e Paz à todos, li essa mensagem no blog Belverede e achei muito interessante a reflexão que ela traz, dessa forma, resolvi posta-lá aqui em nosso blog, boa leitura e reflexão à todos.          


                      


Em agosto de 1962 chegava às bancas dos Estados Unidos a primeira história em quadrinhos do Homem-Aranha. Criado por Stan Lee e Steve Ditko, o personagem trazia uma nova temática aos gibis: os problemas comuns do ser humano.

Até então, quem lia revistas de quadrinhos nunca havia encontrado histórias nas quais o personagem tivesse a preocupação de pagar as contas no fim do mês. Ou que enfrentasse problemas para conseguir agradar a namorada. Muito menos que tivesse que driblar os valentões da escola, que o humilhavam diariamente.

E o que os criadores do Homem-Aranha fizeram foi justamente explorar esses dilemas com os quais todos vivemos, em aventuras de combate ao crime. O resultado foi tão espantoso que a fórmula se repetiu em diversas revistas. A partir daí, não era mais possível imaginar um super-herói sem crises emocionais, traumas e medos.

O interessante é que em algumas igrejas estamos vivendo um momento absolutamente inverso a tudo que pode explicar o sucesso do Homem-Aranha.

Enquanto as histórias do herói valorizam os conflitos de um ser humano comum e os problemas de alguém com “os pés no chão”, mostrando que não existe poder que dê vitórias em todas as áreas da vida, algumas igrejas e líderes religiosos fazem o discurso inverso. Insistem em seus sermões numa suposta autoridade que podemos exercer sobre Deus, pela qual temos condição de exigir alguma coisa do Criador, determinando bênçãos em nossas vidas. Para esses líderes religiosos, o cristão não vai enfrentar derrotas nunca, a menos que tenha uma fé insuficiente, fraca e pobre.

Esses aí, logo vão dizer que a morte de Jesus Cristo na cruz se deu pela falta de fé do Filho de Deus…

Voltemos aos quadrinhos do Homem-Aranha. Quando Peter Parker foi picado por uma aranha que lhe daria poderes, isso não lhe garantiu uma forma fácil de ganhar dinheiro, nem um lar rico, nem um bom círculo de amizades. Grandes poderes só trouxeram grandes responsabilidades.

E é um modelo de vida assim que encontramos nas palavras de Jesus. Falando de uma forma figurada, quando somos “picados” pelo amor de Deus, salvos por Ele, passa a correr em nossas veias um sangue que nos torna “mais que humanos”, sim. Somos filhos do Altíssimo. Ganhamos o “poder” de conversar com o Pai sem intermediários, de ouvir Sua voz, de adorá-lo e de seguirmos seus ensinamentos. Mas não ganhamos nenhuma garantia de que nossos problemas desaparecerão!

Pelo contrário, nos ensina Jesus que “no mundo teremos aflições”, e que devemos ter “bom ânimo”, porque ELE venceu o mundo. E a nossa responsabilidade é levar essa mensagem adiante.

A Bíblia ainda fala que muitos serão mortos pelo evangelho, serrados ao meio, perseguidos e injustiçados em nome de Deus. Entretanto, parece que essa mensagem não faz mais sucesso em nossos púlpitos, é evitada para não afugentar congregações que preferem se embebedar com promessas de felicidade e riqueza, entre gritos e gemidos de aleluia.

Fuja disso.

Fonte: Deus no Gibi - https:// bit.ly/ 2S5OnKQ | Autoria não identificada. 

Retirado do site: Belverede

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Igreja segue um padrão errado, alerta Francis Chan

Pastor abandonou megaigreja para viver nos moldes da Igreja Primitiva

Francis Chan

Para Francis Chan, seu caminho sempre foi muito diferente do caminho da maioria dos pastores. Em 2010, ele se demitiu da Cornerstone Community Church, uma próspera congregação de 4 mil membros, em Simi Valley, Califórnia.
Desde então, seguiu os dois maiores mandamentos bíblicos: “amar a Deus e ao próximo como a si mesmo”. Nessa jornada, ele garante ter visto o poder do Espírito Santo se manifestando em sua vida.
Antes disso, disse que se importava demais com o que as pessoas pensavam dele. “Isso começou a bagunçar minha mente. Me perguntava quantos artigos seriam escritos se eu dissesse isso ou aquilo”, confessou. Esse tipo de pressão pesou na alma de Chan. Ele sabia que precisava fugir. Então foi o que ele fez.
Mudança de vida
Em entrevista à revista Charisma, Chan revelou que se demitiu da Cornerstone, vendeu sua casa e se mudou para a Ásia. Lá, ele aprendeu uma lição poderosa com o movimento da igreja clandestina, na China. A humildade da igreja chinesa era um contraste quando comparada com o glamour das megaigrejas e os pastores de celebridades dos Estados Unidos.
“Na América, você sente que precisa se tornar famoso para causar impacto. Mas na China, é exatamente o oposto. É melhor que não haja ninguém que conheça você, ou você estará em apuros. Foi tão legal descobrir isso. O Senhor não precisa de nossa popularidade ou plataforma”, disse.
Ao voltar para casa meses depois, o pastor refletiu sobre o que significava realmente viver um ministério. Então, veio a pergunta: “Sem livros, sem convites, sem  manchetes, somente com as Escrituras… O que eu faria?”
Ele mesmo respondeu: “Sabe, acho que apenas andaria pelas ruas, encontraria pessoas e oraria por elas, implorando a Deus que trouxesse discípulos para mim do jeito que Jesus fez”.
Amor e relacionamento com Deus
Chan acredita que a igreja sofre de um grande problema: falta de amor. “Se o primeiro passo da fé é amar a Deus com todo o seu coração, mente e força, a maioria dos cristãos estão falhando logo nos primeiros passos”, observou.
Pensando em se aproximar mais de Deus, o evangelista explicou que não aconteceu da noite para o dia. “O amor não é apenas um sentimento”, disse. É necessário ter uma vida de oração, relacionamento com o Criador e intimidade, assim se produz o amor a Deus.
Como resultado, Chan diz que seu amor por Deus cresceu além das palavras. Ele descreve esse crescimento como a maior mudança de sua vida nos últimos cinco anos. “Meu coração está explodindo de amor por Ele”, compartilhou.
Suas novas igrejas se parecem mais com a igreja primitiva do que com Cornerstone. “Cada igreja se reúne em uma casa e tem dois pastores que não são remunerados. Todos os dízimos e ofertas são reservados para missões locais e internacionais”, explicou. As igrejas estão debaixo do mesmo ministério We Are Church (Nós Somos Igreja).
Igreja precisa seguir padrão bíblico
“Nos grupos me sinto mais perto de Deus. Eu nunca sentia isso, é bom estar com pessoas que pensam da mesma forma e que estão na mesma busca, apenas querendo adorá-lo”, citou.
Chan acha que o modelo padrão da igreja está errado. “Precisamos criar um retorno para as pessoas, para que tenham acesso a um ministério de comunhão com Deus”, alerta.
Depois confidenciou que adoraria ver mais conversões e milagres em sua comunidade. “Por muitos anos confiei na minha própria inteligência e na minha capacidade de comunicação”, relatou. Depois citou o apóstolo Paulo, que poderia ter feito o mesmo, mas preferiu enxergar sua fraqueza e viver na dependência do Espírito Santo.
“Estou crescendo nessa área”, justifica. De fato, muitas pessoas que trabalham ao seu lado atestam esse crescimento. “Me sinto uma pessoa diferente, de várias formas. Eu amo Jesus e amo a igreja e estou desfrutando dos dois imensamente”, concluiu.
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Resgate prepara documentário sobre 30 anos da banda

     Grupo formado por pastores é dos percursores do rock gospel no Brasil

 banda Resgate





Prestes a completar 30 anos de banda, Zé Bruno, Hamilton Gomes, Jorge Bruno e Marcelo Amorim, do Resgate, preparam o lançamento de um documentário que conta a história do grupo.
A ideia de um documentário surgiu em conjunto com Diretor Rodrigo Cabral, vencedor do Festival de Cinema Social da ONU com o documentário “Onde a Música Transforma”. Com a experiência do cineasta e com a história desses quatro músicos pastores, é possível esperar uma grande produção. “Queríamos fazer algo, talvez um vídeo com depoimentos, mas aí o Rodrigo entrou na cena nos falando sobre a possibilidade de fazer um filme mesmo”, conta Zé Bruno, vocalista e guitarrista da banda.
“Em agosto de 2017 começamos a recolher tudo que tínhamos de material em foto e vídeo, coisas do nosso arquivo pessoal, pra começarmos a digitalizar e catalogar tudo sobre a história da banda”, completa ele.
“No início de 2018 fizemos as primeiras locações e colhemos nossos depoimentos. Agora vem uma fase cara, tudo em cinema é caro! (risos). Ainda temos algumas locações e toda parte de edição, e pós-produção pra finalização do projeto”, continua Zé Bruno.
Para obter recursos para a finalização do projeto, o Resgate está lançando um Financiamento Coletivo (Crowdfunding) através do Site Catarse. Apoiadores terão acesso exclusivo, através de uma plataforma digital, ao filme, terão ainda seus nomes incluídos nos créditos finais da produção e terão acesso a um Show exclusivo em maio, onde outras novidades e lançamentos serão anunciados. “Devemos lançar em dezembro de 2019, se tudo der certo”, disse o músico.

Fonte: Gospel Prime


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...