Como sei o que é uma seita?

Estudo retirado do site do Ministério CACP

Igreja em Belém faz ceia para moradores de rua

A ação foi desenvolvida por voluntários da Assembleia de Deus

OEstátua de faraó encontrada em Israel pode comprovar relatos do Livro de Josué

Arqueólogos ainda não identificaram quem é retratado na peça encontrada em Hazor

Pastor fecha igreja e evangeliza nas ruas

Carlos Zacarkim afirma que “enquanto Deus não mandar parar, sigo firme”

Arqueólogo confirma a existência de 53 personagens bíblicos

Argumentos incontestes atingem quem defende que “Bíblia é ficção”

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Manuscritos do Mar Morto podem ser consultados pela internet


A Autoridade de Antiguidades israelense anunciou nesta terça-feira (18) que milhares de manuscritos do Mar Morto foram fotografados e que agora podem ser consultados pela internet.

Os documentos são de extrema importância para o cristianismo e judaísmo, entre os textos que fazem parte desta coleção estão os Dez Mandamentos, o capítulo 1 do livro de Gênesis, o livro de Salmos e o livro de Isaías.
Datados com mais de dois mil anos, os achados também mostram textos não reconhecidos pela Igreja Católica, os chamados livros apócrifos.
Para poder colocar este rico material na internet foi preciso usar técnicas modernas de tratamento de imagem que foram desenvolvidas pela Nasa. Com esta técnica é possível arquivar e tirar do anonimato o conjunto de milhares de fragmentos de manuscritos.
De outra forma o acervo seria destruído, pois por serem frágeis seria impossível tornar público estes documentos.
Através dessas fotografias é possível analisar melhor os documentos que trazem histórias do terceiro ao primeiro século de nossa era.
Os manuscritos do Mar Morto são considerados uma das mais importantes descobertas arqueológicas. O achado aconteceu durante o século 20 quando, por acaso, um pastor de ovelhas passou por uma gruta perto do Mar Morto na região da Cisjordânia.
Entre os textos encontramos um que se destaca por ter sido escrito no século III antes de Cristo, se tornando o mais antigo entre os manuscritos. Já o mais atual foi datado no ano 70 quando o segundo Templo judeu foi destruído. As informações são do G1.
O site com os manuscritos pode ser conferido aqui.

Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Quem eram os Magos da Bíblia?




É interessante como a tradição a respeito dos magos que foram ver a Jesus INVENTOU algumas coisas que, de modo algum, fazem parte do fidedigno relato bíblico.
Uma das ilusões a respeito dos magos é que eram TRÊS. A Bíblia jamais revela isto. Existe a inferência, deduzida dos presentes que ofertaram (ouro, incenso e mirra). (Mateus 2: 11). O fato de serem três presentes não quer dizer que eram três magos. Podiam ter sido dois ou quatro, ou até mais. Também podiam ser três. O ponto é que não se pode afirmar com certeza, baseado nos presentes. Um deles poderia ter trazido o ouro, ou então, se fossem quatro ou cinco, dois ou até três, poderiam ter trazido ouro, dois teriam trazido incenso e um, mirra.
A outra coisa criada pela imaginação popular a respeito dos magos, é que eles eram REIS! Não existe qualquer evidência bíblica de que aqueles homens sábios, ou magos (no original “magi”), eram monarcas poderosos. Não se pode deduzir isto de suas ofertas. Podemos apenas entender que eram ricos, porém reis, não. Ainda há aqueles que afirmam que eram três reis de países e raças completamente diferentes: um branco, um negro e um amarelo.
Quando se trata da Bíblia, não há lugar para muita imaginação. A Bíblia afirma que “todos os reis se prostrarão perante ele” (Salmo 72: 11), mas ainda não foi daquela vez. Aqueles homens eram simplesmente estudiosos a quem Deus quis brindar com a gloriosa experiência de verem Seu Filho ainda criança.
Adaptado do livro: O que a Bíblia NÃO DIZ, Paulo de Aragão Lins

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Dica de leitura - História dos Hebreus




Em História dos Hebreus o autor escreve com detalhes os grandes movimentos históricos judaicos e romanos. Qualquer estudante da Bíblia terá em Flávio Josefo descrições minuciosas de personagens do Novo Testamento (Evangelhos e Atos), tais como: Pilatos, os Agripas, os Herodes e inúmeros outros pormenores do mundo greco-romano, tornando esta obra, depois da Bíblia, a maior fonte de informação sobre o povo Judeu.




Ficha Técnica


Livro História dos Hebreus

- Autor(es): Flávio Josefo
- Número de páginas: 1568
- Formato: 24x16
- Editora: CPAD

Com informações da  Casa da Biblia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...