Ministério Nissí comemorou seis anos de Criação

No dia 05 de Julho, o Ministério Nissí completou seis anos, a comemoração foi dividida em duas partes.

Pastor doa rim para um membro de sua igreja

Basílio Montez diz que foi instruído por Deus a fazer a doação

360 WayUp completa dois anos e impulsiona cinema cristão

Empresa é uma das maiores distribuidoras de filmes cristãos no Brasil

Reflitamos #18

Série do blog com imagens para reflexão

DNA de múmias apoia a narrativa bíblica de descendentes de Noé

Pesquisadores obtiveram "resultados inesperados" ao decodificar o genoma de antigos egípcios.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Billy Graham esclarece o que significa o mandamento para “não julgar”

Pastor acredita que cristãos entendem errado o que Jesus disse
por Jarbas Aragão

Quando Jesus disse que as pessoas não devem julgar, ele não estava dizendo para não denunciarem o comportamento errado, explica o renomado evangelista Billy Graham.
Recentemente, Graham foi questionado em seu site por que Jesus deu o mandamento para não julgarmos (Lucas 6:37). Ainda que acredite que “só Deus tem o direito” de julgar, isso não isenta os cristãos de apontarem os erros.
“Isso não significa que devamos ficar indiferentes ao que é certo ou errado, ou não termos consciência dos perigos resultantes das decisões imorais ou das falsas crenças. Tampouco significa que devemos esquecer dos nossos próprios pecados”, ensina Graham.
Referindo-se ao contexto da passagem, parte do Sermão do Monte, lembrou que Jesus nos exorta a julgar entre caminhos verdadeiros e os falsos.  Ele também nos ordena a ser juízes de nossos próprios pecados.
“Que podem ser muito maiores que aqueles que enxergamos nos outros”, sublinhou.
Graham disse ao internauta que fez pergunta que é algo natural quando os outros questionam a nossa fé cristã, mas que Jesus é a verdade e disso não podemos duvidar. O evangelista de 97 anos já respondeu esse tipo de pergunta outra vezes.

Em outra ocasião, sua resposta citou Mateus 7. “Jesus estava dizendo que não devemos procurar corrigir uma pessoa quando somos culpados do mesmo ou de outro pecado… Mas Ele nunca teve a intenção de ensinar que seus discípulos deveriam anular sua capacidade de discernimento ou julgamento”, finalizou. Com informações de Christian Post
Fonte: Gospel Prime

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

"Sendo Igreja, Manifestando o Reino" Ministério Nissí comemorou seu quinto aniversário

Graça e paz, no último sábado (27/08) o Ministério Nissí comemorou seus cinco anos de criação.

Como já acontece há alguns anos, para comemorar mais um ano de existência do mesmo, foi realizado um culto festivo, que contou com a presença de irmãos de diferentes denominações diferentes cidades se fizeram presentes, tendo por tema: "Sendo Igreja, Manifestando o Reino", o culto contou com a ministração de Melissa Guimarães, da Igreja de Cristo Salinas (Fortaleza) e com a participação do Ministério de Louvor Em Teu Santuário (Santana do Cariri).

Em sua ministração, Melissa deixou claro que é impossível manifestar o Reino sem ser Igreja, manifestamos o Reino em nosso dia à dia, não apenas na Igreja ou quando fazemos algum evento, mas sim no nosso cotidiano,  em Lucas 17:20 e 21, Jesus deixa explicito que o Reino de Deus está em nós! Tendo por base o texto de 1 Timóteo 3 Melissa ministrou também sobre o fruto do Espirito na vida de um cristão, como o dar frutos significa na verdade carregar o fruto do Espirito em nossa vida e como através do fruto do Espírito manifestamos o Reino e nos constituímos como Igreja!  Sem sombra de dúvidas fomos confrontados, edificados e ministrados pelo Espírito!

Somos gratos a Deus por tudo que Ele fez naquele lugar, gratos a vida de Melissa por ter se disposto a vir gratuitamente ministrar sobre nossas vidas, aos irmãos do Ministério Em Teu Santuário, aos irmãos que contribuíram, à direção da Escola 18 de Dezembro por ceder o espaço do auditório, ao Secretário de Cultura Antonio de kaci por ter emprestado a tribuna da secretaria e o data show para uso no evento. 
Confiram algumas fotos do evento abaixo e para demais fotos clique aqui ou curta nossa página no Facebook pelo link: https://www.facebook.com/NissiAltaneira/















sexta-feira, 26 de agosto de 2016

5º Aniversário do Ministério Nissí será transmitido ao vivo pelo youtube

Graça e Paz, amanhã acontece o culto comemorativo dos cinco anos de criação do Ministério Nissí que esse ano será transmitido ao vivo pelo Youtube.

Pensando nos irmãos que estão distantes fisicamente e que não poderão comparecer ao evento, nós programamos a transmissão do 5º Aniversário do Ministério Nissí pelo Youtube, para assistir ao evento basta clicar no link que está destacado abaixo desta postagem, amanhã a partir das 19:00 horas, a qualidade da transmissão vai depender da qualidade da internet do local onde será realizado o evento, desde já, pedimos aos irmãos oração para que tudo ocorra bem. Para saber mais sobre o evento, clique aqui. Para assistir o evento pelo Youtube clique em Transmissão ao vivo 

DADOS DO EVENTO:    

NOME: 5º ANIVERSÁRIO DO MINISTÉRIO NISSÍ
TEMA: SENDO IGREJA, MANIFESTANDO O REINO
DATA: 27 DE AGOSTO DE 2016
HORÁRIO: 19:00 HORAS
LOCAL: AUDITÓRIO DA ESCOLA 18 DE DEZEMBRO - RUA JOSÉ PIO DE OLIVEIRA,SN - ALTANEIRA - CE
MINISTRAÇÃO DA PALAVRA: MELISSA GUIMARÃES - FORTALEZA - CE
MINISTRAÇÃO DO LOUVOR: EM TEU SANTUÁRIO - SANTANA DO CARIRI - CE

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Reflitamos #13

Graça e Paz, na postagem de hoje damos sequência à série que consiste na postagem de imagens para que servem para nossa reflexão. Que fale ao coração de todos!






terça-feira, 23 de agosto de 2016

Igreja Acev Nova Olinda lança campanha para a construção de mais uma casa na serra do Zabelê

Pastor Márcio relatando a realidade da família

A Igreja Acev de Nova Olinda, há alguns anos vem acompanhando algumas famílias na serra do Zabelê e sempre ajudado as mesmas, com cestas básicas por exemplo, mas ao visitar recentemente algumas famílias na localidade, o Pastor Márcio Muniz responsável pelas Igrejas de Nova Olinda e Altaneira, se deparou com uma realidade no mínimo chocante.
Em seu perfil na rede social Facebook o Pastor o seguinte texto com fotos da casa: 

"A biblia nos tras esse grande ensinamento acerca do amor! Somos sempre levados a pensar que como num passe de magicas estamos apaixonados, mas o amor esta muito mais condicionado ao que fazemos do que a emoções. Nessa passagem da biblia existem varios verbos e estes denotam ações que temos quando amamos verdadeiramente o proximo! Sofrer por ele, Nao invejar, Nao se irritar e nao desconfiar (mesmo quando este nos dá motivos), esperar (mesmo quando parece nao ter mais esperança) e tudo suportar (mesmo quando nos sentimos injustiçados). Vamos praticar todos os dias e viver o amor em nossas vidas, relacionamentos, espelhados no maior exemplo de amor que foi o de Jesus Cristo por todos nós, pela sua igreja!
Vamos juntos manifestar o Reino de Deus, Vamos demostrar o nosso amor ao próximo?
Vamos mudar a realidade dessa família ?
Contamos com sua ajuda , contamos com você.
Que Deus os abencoe
Pastor Márcio Muniz
Igreja Ação Evangélica- ACEV"
Além das fotos que serão postadas abaixo, e do texto, há também um vídeo que relatam a situação daquela família, que possui portadores de necessidades especiais, no vídeo o pastor relata também que já recebeu uma parte do material em doação, essa é a terceira campanha que a Igreja realiza para construção de casas naquela localidade, sendo que já foram entregues duas casas à famílias do Zabelê, para contribuir entre em contato com o pastor através de seu perfil no facebook Márcio Muniz, confiram algumas fotos e os vídeos abaixo: 






video




sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Ben-Hur: Líderes religiosos recomendam o longa, como um exemplo de superação.


Ontem (18/08), estreiou o filme Ben-Hur nos cinemas pelo Brasil e alguns líderes religiosos recomendam a produção pela fidelidade aos valores cristãos. Além disso, enfatizam que o filme mantém todos os predicados de épico, com bastante ação, e a sensibilidade do diretor Timur que conseguiu traduzir de forma magnifica a mensagem de amor e perdão ministrada por Cristo, em perfeita harmonia. Eles são unânimes ao afirmar que o longa propõe uma quebra de paradigmas no que diz respeito ao poder transformador do perdão e da estrutura familiar.

Ben-Hur é um filme lindo que se propõe a transmitir a mensagem de amor e perdão de Jesus, principalmente nesse ano da misericórdia, que é capaz de transformar o mundo. Portanto, convido a todos a assistirem nos cinemas esse belo filme”.
- Dom José Francisco, Arcebispo da Arquidiocese de Niterói

“Minha expectativa para o filme era grande, e foi superada pelo profissionalismo cinematográfico empregado nessa nova produção de Ben-Hur. É um filme para todos, independentemente de religião, embora os valores Cristãos sejam bem marcantes no longa, são apresentados com muito respeito e harmonia, preservando também a marca de filme épico a que se propõe. Portanto, convido a todos a comprovarem nas telonas do país a importância da integração familiar tão necessários atualmente na sociedade”.
Pe. Jefferson Merighetti, Assessor das Mídias Sociais ARQRIO.

“O filme Ben-Hur é uma bênção que vai impactar sua família, pois apresenta uma visão diferente da época de Jesus. Portanto, vale apena conferir nos cinemas essa belíssima produção que fala de amor e perdão”.
Pr. Anderson, Diretor da OMEB (Ordem de Ministros Evangélicos do Brasil).

“O filme Ben-Hur nos traz uma mensagem de unidade, de amor e misericórdia. Nesse tempo que o Brasil está vivenciado o clima das olímpiadas essa produção demonstra a competição, mas também a importância da reconciliação pelo amor. Convido a todos a assistir ao filme nos cinemas, pois será um excelente exemplo de como devemos ver a vida”.   
- Dom Anselmo Chagas, Diretor da Faculdade de São Bento e Sacerdote no Mosteiro de São Bento, no RJ.

Confira o cinema mais perto de você para assistir ao filme Ben-Hur nas salas de exibições pelo Brasil, no link: http://bit.ly/Cinemas_Ben-Hur. Aproveite para convidar amigos e familiares para testemunhar a cura e a transformação de uma família, marcada pelo ódio e desejo de vingança, por meio das atitudes e mensagem de Cristo. 

Com informações da 360WayUp

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

MP alerta: “É proibido pedir votos em templos religiosos”

Legislação eleitoral prevê sanções e até cassação do registro
por Jarbas Aragão


A prática de candidatos, partidos e coligações pedirem votos em templos religiosos é proibida. Quem desobedecer, pode sofrer penalidades na Justiça Eleitoral, como sanções e até cassação do registro de candidatura no Tribunal Regional Eleitoral.
O Ministério Público (MP) emitiu uma recomendação para lembrar os candidatos sobre as questões religiosas durante o período da campanha eleitoral. A proibição de exibir propaganda política em locais de culto de qualquer crença segue a Lei 13.615/2015, que os define como bens de uso comum. Portanto, é o mesmo que vale para cinemas, clubes, lojas, centros comerciais, templos, ginásios, estádios.
Sendo assim, está vedada a proibição de propaganda de qualquer natureza dentro de templos religiosos, ainda que por terceiros. A promotora do Núcleo de Proteção Étnico-racial do Ministério Público, Mariana Bazzo, afirma que será “Vedada qualquer espécie de propaganda eleitoral positiva e negativa, pedido de voto, ainda que simulado; manifestação de apoio ou agradecimento público a candidatos”.
Ela também esclarece que não pode haver doação direta em dinheiro a propagandas e candidaturas por parte dessas instituições religiosas.
Durante as eleições municiais, cada município conta com pelo menos um promotor com a designação eleitoral para receber as denúncias de irregularidades nas campanhas. Para fazer a denúncia, os cidadãos devem procurar o Ministério Público do seu Estado.

Discriminação religiosa

A promotora Bazzo, reforça o combate à discriminação religiosa. Segundo ela, no período eleitoral, as religiões de matrizes africanas são as que mais sofrem discriminação.
“Pelo princípio da laicidade, primeiro que não se utilize a propaganda eleitoral como forma de ofensa a religiões… Não se pode tolerar que a propaganda eleitoral se utilize de racismo religioso”, enfatiza.

O MP ressalta que as práticas classificadas como racismo religioso também podem resultar na cassação do registro dos candidatos, além da abertura de ações penais pelo Ministério Público. Com informações de UOL
Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Ben-Hur: estreia da semana nos cinemas do Brasil

Nesta quinta-feira (18/08), estreia o longa Ben-Hur, um dos filmes mais esperado do ano. A produção que traz Rodrigo Santoro, como Jesus nas telonas do país promete emocionar a família brasileira, confira o convite do ator: http://bit.ly/Convite_Ben-Hur.
Rodrigo Santoro convida o público para assistir ao filme Ben-Hur nos cinemas.
Em tempos de crise política, ideologia de gênero entre tantas outras questões que o Brasil tem enfrentado, a nação tem um motivo a mais para ter esperança, assim como Esther (Nazanin Boniadi) e Ilderim (Morgan Freeman) demonstram a Judah Ben-Hur (Jack Huston) no filme, distribuído pela Paramount Pictures, Ben-Hur.
No longa, o jovem príncipe Judah Ben-Hur, aprende na prática a importância do que o Apóstolo Paulo quis dizer em 2 Tm 4:7, “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”, mensagem que nos serve até hoje como um grande exemplo de perseverança.
Além disso, você já pode conferir o cinema mais perto de você, convidar os familiares e amigos para ir assistir ao filme Ben-Hur nas salas de exibições pelo Brasil, no link: http://bit.ly/Cinemas_Ben-Hur

Com informações da 360 WayUp

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Ben-Hur: Por que 70 vezes 7?


O filme Ben-Hur estreia, na próxima semana (18/08), nos cinemas do Brasil e coloca em xeque um tema comentado, aproximadamente, 37 vezes nos textos bíblicos, o perdão. Segundo Timur Bekmambetov, diretor do longa, “esta é uma incrível história contemporânea, pois ainda temos os mesmos problemas. Somos ambiciosos e acreditamos que a competição é a única maneira para desenvolver o mundo, enquanto eu penso que a colaboração é a solução para nossos conflitos. E Ben-Hur enfatiza o valor do perdão sobre a vingança”.
O produtor Sean Daniel, complementa ao dizer que “esta é a primeira vez queBen-Hur é feito para o mundo inteiro, pois os emocionantes temas do filme, vingança contra perdão, são eternos. Os conflitos que os personagens experimentam são identificáveis atualmente, como eram no tempo de Roma ou em 1880, quando Lew Wallace escreveu o romance. É a natureza humana e esta não muda”.
No entanto, se formos nas Escrituras Bíblicas, no livro de Mateus, Jesus deixa claro sua visão sobre o perdão, quando o apóstolo Pedro se aproxima de Cristo e faz a seguinte pergunta: “’Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?’ Jesus respondeu: "Eu lhe digo: não até sete, mas até setenta vezes sete’”. Logo, tal afirmação ecoou pelo mundo e trouxe o maior símbolo de perdão e amor, com a crucificação de Cristo. A produção Ben-Hur apresenta os exemplos de Yavé de forma singular, ao demonstrar que o amor liberta e a ira mantém o ser humano escravo da amargura.
“A ideia de se chegar ao ponto de ‘O que fizemos um com o outro?’ e conseguir perdoar, era um tema muito poderoso e a força impulsionadora da decisão de fazer isso. O que nos levou de volta para a fonte original do romance de Lew Wallace”, relembra o produtor Joni Levine.
Portanto, a proposta do filme é mostrar que o ato do perdão não é fácil, mas uma atitude necessária.
Com informações da 360 WayUp

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Descoberta arqueológica na China pode comprovar dilúvio bíblico

Inundação catastrófica ocorreu no vale do Rio Amarelo, cerca de 4.000 anos atrás.
por Jarbas Aragão

Alguns cientistas estão afirmando que as recentes descobertas no Vale do Rio Amarelo, na China, oferecem evidência sobre o dilúvio descrito na Bíblia.
Os ossos de crianças descobertos no local revelam que as crianças parecem ter ficado presas em meio a uma grande inundação. Testes datam as ossadas por volta do ano 2.000 a. C, que seria consistente com a época que cientistas e historiadores calculam que o dilúvio de Noé ocorreu.

O apologeta bíblico e cientista Ken Ham, conhecido pelo Museu da Criação e a réplica da Arca em tamanho natural, lembra que a China, como muitas culturas, tem como tradição uma história sobre um grande dilúvio.

“Quer sejam índios americanos ou povos fijianos, havaianos, esquimós, aborígines australianos… indo até os babilônios, existem lendas sobre dilúvios em culturas de todo o mundo”, sublinhou Ham.
Ele sabe que muitos cientistas negarão o fato que essas crianças no vale do Rio Amarelo foram atingidas pelo dilúvio narrado em Gênesis.
“Há milhares de metros de sedimentos de Dilúvio em todo o globo. São evidência de um dilúvio global catastrófico. Os cientistas não estão dispostos a olhar para isso porque foram doutrinados a acreditar que foram se acumulando ao longo de milhões de anos”, esclarece Ham.
Para ele, a falta de vontade de aceitar as verdades espirituais leva muitas pessoas a ficarem cegas para as verdades científicas.

Explicação da ciência

Segundo o estudo divulgado pela revista Science, arqueólogos e geólogos liderados por Qinglong Wu, da Universidade de Pequim, encontraram comprovações que uma inundação catastrófica ocorreu no vale do Rio Amarelo, cerca de 4.000 anos atrás. Ao mesmo tempo, foi descoberto nas margens da extinta represa um sítio arqueológico de importante significado histórico.
As provas inegáveis de que uma grande inundação ocorreu há quatro milênios estariam relacionadas com o mito de fundação da primeira dinastia chinesa, a Xia. O relato antigo dá conta que o imperador Yu foi um “grande salvador, que ganhou bênção celestiais” após a dragagem de canais, que escoaram a água.
Até recentemente, outras pesquisas haviam documentado a segunda (Shang) e a terceira dinastia (Zhou), mas a Xia ainda era considerada uma lenda, gerando dúvidas que realmente tivesse existido.
Agora, os estudiosos afirmam que o dilúvio foi provocado por um terremoto, que levou o rio Amarelo a formar uma barragem em Jishi. Quando essa barragem cedeu, a inundação ao longo do planalto tibetano foi catastrófica. Estima-se que o nível de água subiu 38 metros. Tal fenômeno durou entre seis e nove meses, estendendo-se por 2 mil quilômetros ao longo do rio Amarelo. Com informações de Christian Headlines
Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 9 de agosto de 2016

5º Aniversário do Ministério Nissí - Sendo Igreja, Manifestando o Reino

Graça e Paz a todos, é com muita alegria que divulgamos o evento denominado "5º Aniversário do Ministério Nissí".


Cartaz do Evento
O Ministério Nissí completou cinco anos de criação no dia 5 de Julho, são  cinco anos buscando manifestar o Reino de Deus em Altaneira, através de evangelismo, cultos e ações. Desde a criação do Ministério Nissí, estabelecemos dois eventos anuais, o "Encontro do Ministério Nissí" e as comemorações de seu aniversário. Sempre procurando edificar vidas, convidamos pregadores que tenham alguma relação conosco, ou que preguem o evangelho de maneira simples e verdadeira.

Entendendo o papel da Igreja na nossa sociedade e a necessidade da Igreja SER Igreja, definimos como tema da comemoração do nosso quinto aniversário o tema: "Sendo Igreja, Manifestando o Reino", que será ministrado pela querida Melissa Guimarães da Igreja de Cristo Salinas em Fortaleza e também líder do ministério Em Sua Presença também de Fortaleza. Os Louvores serão ministrados pelo Ministério Em Teu Santuário da Comunidade Família Viva, de Santana do Cariri. Ore por este momento e se possível se faça presente, sem sombra de dúvida que Deus edificará sua vida!


DADOS DO EVENTO:    

NOME: 5º ANIVERSÁRIO DO MINISTÉRIO NISSÍ
TEMA: SENDO IGREJA, MANIFESTANDO O REINO
DATA: 27 DE AGOSTO DE 2016
HORÁRIO: 19:00 HORAS
LOCAL: AUDITÓRIO DA ESCOLA 18 DE DEZEMBRO - RUA JOSÉ PIO DE OLIVEIRA,SN - ALTANEIRA - CE
MINISTRAÇÃO DA PALAVRA: MELISSA GUIMARÃES - FORTALEZA - CE
MINISTRAÇÃO DO LOUVOR: EM TEU SANTUÁRIO - SANTANA DO CARIRI - CE

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Ben-Hur ganha novo trailer oficial Cristão.

Na última quarta-feira (03/08), foi lançado o novo trailer cristão do filme Ben-Hur, que traz à tona princípios fundamentais e imutáveis da palavra de Cristo, como o “amor” compartilhado por Jesus (Rodrigo Santoro) na trama.




A avant-première do longa reuniu mais de 800 pessoas nesta segunda-feira (01/08), em São Paulo, entre personalidades e líderes cristãos que conferiram a produção ao lado dos atores Rodrigo Santoro e Jack Huston em um momento de grande emoção.
Pe. José Roberto, Padre da Arquidiocese de Nossa Senhora da Consolação e Coordenador Setorial de Paróquias da Arquidiocese de São Paulo.
Segundo, o Pe. José Roberto, Padre da Arquidiocese de Nossa Senhora da Consolação e Coordenador Setorial de Paróquias da Arquidiocese de São Paulo, “o filme Ben-Hur é uma releitura atualizada e moderna, ao mesmo tempo, com pinceladas muito intensas entre os gestos e ensinamentos de Cristo, nessa relação entre os personagens. Vale destacar a atuação dos atores
Jack Huston (Ben-Hur) e Toby Kebbell (Messala) que conseguiram transmitir valores em grande parte perdidos na contemporaneidade, como a união familiar, provando que a ganância e o erro podem destruir um lar. Portanto, eu indico esse belo filme para os cristãos e todos que buscam princípios, não apenas de uma reestruturação familiar, mas de paz, justiça e a oportunidade de um recomeço”.
Outro ponto marcante do longa Ben-Hur, são as escolhas que realizamos ao longo da vida e que impactam não apenas nossa trajetória, mas diretamente à todas as pessoas ao nosso redor, como acontece com os dois irmãos que vivem uma rivalidade, que pode ser mortal.
Pe. Luiz Claudio Braga, Coordenador Arquidiocesano da Pastoral de Comunicação da ARQ SP.
“A história da nossa vida pode ter um final feliz ou trágico, pois somos protagonistas de nossa própria trajetória, e, isso é o que demonstra o filme Ben-Hur. No entanto, o encontro com Cristo que acontece nessa incrível produção muda a vida desses dois irmãos rivais, e, serve de testemunho do amor de Deus para o ser humano.  Além de, provar
que quando temos um encontro real com Cristo, nunca mais seremos o mesmo”, destacou o Pe. Luiz Claudio Braga, Coordenador Arquidiocesano da Pastoral de Comunicação da ARQ SP.
Brenda, cantora cristã foi à premiere do filme Ben-Hur em SP.
A cantora Brenda, vencedora do concurso Jovens Talentos do Programa Raul Gil, concorda e faz um convite especial ao público à ir aos cinemas no dia 18 de agosto para assistir ao longa ao dizer, “eu assisti ao filme Ben-Hur na première e convido a todos a assistirem essa produção maravilhosa que vai abençoar à muitos”.
Com informações da 360 WayUp. Confiram o trailer a baixo:

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Brasil sediará projeto de tradução da Bíblia revolucionário

Software usará oralidade para oferecer as Escrituras a 800 mil ciganos
por Jarbas Aragão 

A língua oficial do Brasil é o português, mas existem mais de duas centenas de etnias que falam línguas nas quais a Bíblia não está disponível. A língua calon, também chamada de chibi, possui até o momento somente a tradução do Livro de Rute.
O projeto em andamento para verter o Novo Testamento no idioma, iniciado em 2012, ainda não foi concluído.
A missão Amigos dos Ciganos explica que já existem igrejas evangélicas entre esse povo no país, mas eles carecem de conhecer a Palavra de Deus em sua própria língua. Na verdade, o idioma cigano é de ensino proibido na maioria dos acampamentos, por isso a tradução passará a ser feita com métodos que utilizam a oralidade.
Com cerca de 800 mil falantes, essa língua foi escolhida como a primeira a usar um software que pode revolucionar o processo de tradução bíblica. Chamado de Render, ele poderá ajudar a disponibilizar o Livro de Gênesis dentro de um ano.
De acordo com a agência de notícias ASSIST, esse novo tipo de programa utiliza uma técnica de renderização que agiliza o processo, facilitando o acesso para as culturas orais. Segundo Jonathan Huguenin, vice-presidente da Comes By Hearing [A Fé Vem pelo Ouvir], falantes nativos já receberam um treinamento e trabalharão em parceria com missionários estrangeiros, ligados à Seed Company, uma afiliada da Wycliffe Bible Translators; além de três organizações missionárias brasileiras.
Os membros da etnia Calon estão espalhadas por todo o Brasil. Eles descendem de ciganos que imigraram da Europa a partir do século 16 para escapar da Inquisição. Sempre foram vítimas de preconceito, muitas vezes deixando de enviar os filhos à escola para se proteger de agressões. Por isso, uma parcela deles é analfabeta.
Robin Green, coordenador do projeto Render, está confiante no sucesso. Em nota, ele disse “Ver esse trabalho foi um dos momentos mais gratificantes da minha vida”. Lembra ainda que existem mais de 1.800 culturas orais como os Calon – totalizando perto de 1 bilhão de pessoas – que não têm a Bíblia em sua própria língua. Acredita que o sucesso do projeto no Brasil pode ser significativo para se alcançar muitos outros.
A mudança se deve ao fato de que, historicamente, os tradutores da Bíblia sempre tiveram de criar uma linguagem escrita para estes grupos étnicos, antes de pensar em gravar uma Bíblia em áudio que as pessoas pudessem usar. O processo de tradução sempre demora anos. Os tempos mudaram e até as tecnologias mais avançadas estão amplamente difundidas.

O missionário Ralph Hill, que trabalha como consultor de tradução oral na Seed Company, comemora: “Agora é possível traduzir e gravar em primeiro lugar. Se desejarem, poderão imprimir mais tarde.” Sendo assim, o processo todo é acelerado muitas vezes, sem comprometer a sua integridade.
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

O perdão e a cura das feridas da alma

Perdoar é muito difícil, até mesmo para os cristãos que têm como exemplo Jesus Cristo, que morreu para nos perdoar. É preciso aprender perdoar, mas como aprendemos essa difícil lição? Neste artigo trataremos do perdão como uma dádiva divina para todas as pessoas, do poder curador do perdão, também sobre a diferença entre culpa e vergonha, e dos níveis de perdão. Esperamos que a leitura reflexiva deste texto, sob ação do Espírito Santo, faça bem à sua alma.
Como Aprender a Perdoar?
Primeiro é preciso que você considere como você foi perdoado: “Sejam bondosos e compassivos uns com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo” (Efésios 4.32).
Quando amamos alguém de verdade é preciso aceitar a nossa própria vulnerabilidade, tirar a máscara superficial e deixar que o outro nos veja como realmente somos. Por que ferimos a quem amamos? Quando somos feridos, somos capazes de dizer e fazer coisas prejudiciais de forma violenta com as pessoas mais próximas – é nesse momento que magoamos aqueles a quem mais amamos.
Quando somos feridos, magoados, queremos “acertar as contas”, “pagar na mesma moeda”. Pensamos que fazendo isso nossa dor pode diminuir, que nos sentiremos um pouco melhor – isso não é uma verdade: “Que ninguém retribua o mal com o mal; procurai sempreo bem uns dos outros e de todos” (1Tessalonicenses 5.15).
Em certa ocasião, um soldado americano levado para guerra, e que mantinha viva a esperança de reencontrar sua noiva (que prometeta lhe esperar), recebe uma carta da então noiva, pedindo sua foto preferida que ofereceu ao noivo por ocasião de sua despedida. Junto ao pedido da devolução da foto, estava também a informação de que tal foto seria usada para o convite de casamento (com outro rapaz), que aconteceria em breve. Ferido e magoado, o soldado então conta com os amigos do alojamento para se vingar. Recolheram todas as fotos de mulheres (irmãs, namoradas, noivas) de todos os soldados, colocaram em uma caixa e o soldado a enviou para a ex-noiva com a seguinte frase: “Procure a sua, não me lembro qual é”.
Essa pequena ilustração reforça como, a princípio, o sabor da vingança parece agradável, mas no fundo a dor continua lá. Geralmente quando erram, as pessoas costumam ter dois tipos de sentimento: a culpa e a vergonha; muitas vezes tratadas como sendo a mesma coisa. Há, porém, uma diferença sutil entre elas.
A culpa é o sentimento que surge quando nos comportamos mal, e está relacionada com o que fazemos. Ela pode desempenhar um papel importante. Deus faz com que alguns de nossos comportamentos nos causem desconforto para que possamos rever e reparar danos. É um indicador de que precisamos pedir desculpas e reatar o relacionamento. Ficar remoendo as culpas não é construtivo. Culpa foi o que Davi sentiu. Suas transgressões só foram perdoadas, e seus pecados só foram apagados, depois do incômodo da culpa. É o que ele expressa no Salmo 32.
Vergonha é a sensação que surge quando não correspondemos ao que pensamos que deveríamos ser. Está ligada ao que somos. Ela causa tristeza. Vergonha foi o que Pedro sentiu ao cair em si depois de negar Jesus por três vezes (Mateus 26.75).
Muitas pessoas continuam sofrendo, desnecessariamente, quando, depois de perdoados por Deus, continuam hospedando em si a culpa e a vergonha. A culpa pode nos ajudar a sermos pessoas melhores, a vergonha nos faz duvidar de nós mesmos: “Com efeito, a tristeza, segundo Deus, produz arrependimento que leva à salvação e não volta atrás, ao passo que a tristeza segundo o mundo produz a morte” (2Coríntios 7.10).
Perdão é o remédio para a culpa. Enquanto não damos atenção à culpa, ela nos atormenta a consciência, mas se decidimos que realmente devemos tratá-la, o perdão é um excelente remédio. A culpa proveniente do amor é saudável, benéfica e nos motiva a reatar ligações rompidas com Deus, com nós mesmos e com o outro.
Há dois níveis de perdão: 1) Não pagar o mal com o mal. Isso significa perdoar quem nos magoa. 2) A reconciliação, mais profunda e mais difícil, envolve a participação de quem magoou e de quem foi magoado. O que magoou deve perceber o mal que causou e assumir a responsabilidade por ele; o magoado deve acreditar que o mal causado foi reconhecido e que há interesse em repará-lo. Quando essa mútua compreensão acontece, há a reconciliação e há a cura: “Perdoai, e vos será perdoado” (Lucas 6.37).
Não perdoar traz males à saúde do corpo e da alma. A raiva prolongada vira ressentimento e o ressentimento vira ódio. O que são ressentimentos? São lembranças rancorosas de dores passadas que não foram resolvidas. É um sentimento destrutivo capaz de causar males físicos, emocionais e espirituais. Um grande mestre escreveu: “Os ressentimentos são as irritações de ontem arranhando a membrana de nossa memória”. Há pessoas que estão convencidas de que têm todas as razões para sentir ressentimento, mas é bom lembrar: “O ressentimento leva o tolo à morte” (Jó 5.2). Pode-se construir uma prisão para si mesmo, cada mágoa será um tijolo nessa consturção. Rancores guardados acabam com a alegria da vida, tornam as pessoas amargas. Pessoas cheias de ressentimento podem ter pelo menos três tipos de comportamento: algumas vivem com eles, mas estão doentes (são pessoas que vivem de aparência); outras se fecham e se afastam (vivem isoladas – têm dificuldade de se abrir a novas amizades) ou ainda, aquelas que explodem (são agressivas e vivem de mau humor). É preciso deixar que o Senhor aplique graça às nossas mágoas, pois ela nos faz ver o perdão de Deus.
Por que será que até mesmo os cristãos têm tanta dificuldade em liberar o perdão? A Bíblia diz que quem demonstra pouco amor, também libera pouco perdão, como nos afirma o próprio Senhor Jesus: “aquele a quem pouco foi perdoado, mostra pouco amor” (Lc 7.47). Embora requeira muito esforço, o benefício do perdão recompensa, pois o verdadeiro amor cura mágoas.
Atualmente algumas pessoas têm tentado resolver seus problemas nos relacionamentos através de exercícios mentais, pensamento positivo, meditação, disciplinas, mas, se tentarmos resolver nossos problemas só racionalmente, nós conseguiremos chegar somente até certo ponto para viver melhor, mas é só através do amor perfeito de Deus por nós que podemos nos aperfeiçoar como seres humanos “A ciência incha, mas o amor edifica” (1Coríntios 8.1).
Para que haja perdão é preciso confissão sincera. Confissão não é interrogatório, tortura ou sessão de reclamação. Também não dizer a Deus o que ele não sabe, mesmo porque isso seria impossível, uma vez que o Senhor é conhecedor de todas as coisas, inclusive das nossas palavras, antes de as pronunciarmos.
A confissão é uma confiança radical na graça de Deus. Quando confessamos é como se estivéssemos dizendo: “o que eu fiz foi ruim, mas sua graça é maior do que eu, do que o meu erro, do que o meu pecado, por isso eu confesso”.
Se nosso entendimento sobre a graça for pequeno, limitado, nossa confissão também será pequena, limitada, cheia de desculpas e medo. A grande graça cria uma confissão sincera. Foi o que aconteceu com o filho pródigo (Lucas 15.18-19), com o cobrador de impostos (Lucas 18.13) e com o grande herói do Antigo Testamento, o rei Davi (Salmo 32.38 e Salmo 51).
Se enterrarmos nosso mau comportamento é só esperar pela dor que ficará alojada na nossa alma. Você está interessado em se ver livre desse mal? Solicite uma ressonanância magnética espiritual: “Sonda-me, ó Deus…”(Salmo 139).
O poder da confissão não está com quem a realiza, mas com o Deus que a ouve: “Se confessarmos nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1João 1.8-9). Às vezes, a confissão precisa ser também uns com os outros, assim como a Igreja Primitiva fazia (Atos 19.18-20) e assim como ensinou o apóstolo João: “Se perdoarem os pecados de alguém, estarão perdoados; se não os perdoarem, não estarão perdoados” (João 20.23).
Perdoar e Esquecer, Eis a Grande Questão
Esse é um assunto cheio de equívocos. Constantemente ouvimos a frase: “Perdoei, mas não esqueci”. Perdoar é ir contra os sentimentos que estão aflorados dentro de nós (raiva, mágoa, dor, tristeza). Esquecer é do cérebro. Mesmo que nos lembremos, perdoar significa que essa lembrança não afeta mais as nossas emoções e nosso relacionamento com quem nos ofendeu. Ela não envenena mais o coração (Hebreus 12.15).
O perdão não está em nós, está em Deus – temos de buscar. Só consegue perdoar quem experimentou e entendeu o perdão de Deus (Colossenses 2.13-14). Para que o perdão aconteça de fato, é necessário que o amor seja dado livremente, pois há poder curativo no amor: “O amor cobre multidão de pecados” (1Pedro 4.8).
Parte da cura consiste em para de se culpar pelo que aconteceu, depois de curar as feridas causadas por nossos atos, e sobretudo é preciso acordar todos os dias e optar por praticar o bem: “Façam todo o possível para viver em paz com todos” (Romanos 12.18).
Edna Lourenço
Membro da Assembleia de Deus em Mauá/SP
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...