Como sei o que é uma seita?

Estudo retirado do site do Ministério CACP

Igreja em Belém faz ceia para moradores de rua

A ação foi desenvolvida por voluntários da Assembleia de Deus

OEstátua de faraó encontrada em Israel pode comprovar relatos do Livro de Josué

Arqueólogos ainda não identificaram quem é retratado na peça encontrada em Hazor

Pastor fecha igreja e evangeliza nas ruas

Carlos Zacarkim afirma que “enquanto Deus não mandar parar, sigo firme”

Arqueólogo confirma a existência de 53 personagens bíblicos

Argumentos incontestes atingem quem defende que “Bíblia é ficção”

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Movimento protestante iniciou dia 31 de outubro de 1517

Martinho Lutero ajudou o mundo a redescobrir a Bíblia
por Jarbas Aragão


Em 31 de outubro é comemorado em todo o mundo o dia da Reforma Protestante. No Brasil e em vários países de língua espanhola é mais comum usarem a denominação “evangélicos”.
Quatrocentos e noventa e nove anos atrás, em 1517, um dia antes da festa católica de “Todos os Santos”, o monge agostiniano Martinho Lutero pregou publicamente suas 95 teses, na porta da Catedral da cidade de Wittenberg, na Alemanha. Seu apelo era por uma mudança nas práticas da Igreja Católica, por isso o nome “Reforma”.
A iniciativa teve consequências por toda a Europa, dividiu reinos, gerou protestos e mortes. E mudou para sempre a Igreja. Para alguns, Lutero destruiu a unidade do que era considerada “a” igreja, era um monge renegado que desejava apenas destruir os fundamentos da vida monástica. Para outros, é um grande herói, que restaurou a pregação do evangelho puro de Jesus e da Bíblia, o reformador de uma igreja corrupta.
O fato é que ele mudou o curso da história ao desafiar o poder do papado e do império, e possibilitou que o povo tivesse acesso à Bíblia em sua própria língua. A principal doutrina de Lutero era contra o pagamento de penitências e indulgências aos líderes religiosos. Ele enfatizava que a salvação é pela graça, não por obras.
Conta-se que muita coisa mudou dentro daquele monge até então submisso ao papa quando, em 1515, Lutero começou a dar palestras sobre a Epístola aos Romanos. Ao estudar as Escrituras se deparou com o primeiro capítulo de Romanos, que decretava “o justo viverá pela fé”. Desvendava-se diante dele o que é conhecida como “justificação pela fé”, ou seja, a justificação do pecador diante de Deus não é por um esforço pessoal, mas sim um presente dado àqueles que acreditam na obra de Cristo na cruz.
O movimento encabeçado por Lutero ocorreu durante um dos períodos mais revolucionários da história (passagem da Idade Média para o Renascimento) e mostra como as crenças de um homem podem mudar o mundo.
A controvérsia acabou sendo, segundo historiadores, maior do que Lutero pretendia ou imaginara. Porém, ao atacar a venda de indulgências por parte da igreja, acabou opondo-se ao lucro obtido por pessoas muito mais poderosas do que ele.
Segundo Lutero, se era verdade que o Papa tinha poder de tirar as almas do purgatório, devia usar esse poder, não por razões egoístas, como a necessidade arrecadar fundos para construir uma igreja, mas simplesmente por amor, e devia fazê-lo gratuitamente. A idolatria aos santos também foi um dos grandes pontos de discórdia com os líderes católicos.
A maioria dos historiadores concorda que Lutero teria tentado apresentar seus argumentos ao Papa e alguns amigos de outras universidades. No entanto, as teses colocadas na porta da Catedral de Wittemberg e os muitos argumentos teológicos impressos e distribuídos por ele nos meses seguintes, acabaram se espalhando por toda a Europa, fazendo com que ele fosse chamado ao Vaticano para se retratar perante o Papa. A partir de então, entrou abertamente em conflito com a Igreja Católica.

Acabou excomungado em 1520, pelo papa Leão X. Alegava-se que ele incorria em “heresia notória”. Devido a esses acontecimentos, Lutero temendo a morte, ficou exilado no Castelo de Wartburg, por cerca de um ano. Durante esse período trabalhou na sua tradução da Bíblia para o alemão, resultando na impressão do Novo Testamento em setembro de 1522.
Fonte: Gospel Prime

499 anos da Reforma Protestante 2

Graça e Paz, hoje 31 de Outubro a Reforma Protestante completa 499 anos, devido essa data expressiva e importante publicaremos em duas partes imagens retiradas da página do Facebook Brother Bíblia Arte relativos à Reforma Protestante, nessa segunda postagem você conhecerá um pouco mais sobre os reformadores, na parte um postamos um sobre a vida de Martinho Lutero, para conferir a postagem clique aqui, confira abaixo a série sobre os Reformadores:



















499 anos da Reforma Protestante 1

Graça e Paz, hoje 31 de Outubro a Reforma Protestante completa 499 anos, devido essa data expressiva e importante publicaremos em duas partes imagens retiradas da página do Facebook Brother Bíblia Arte relativos à Reforma Protestante, nessa primeira postagem você conhecerá um pouco mais sobre Martinho Lutero, e na parte dois um pouco mais sobre os reformadores, confira abaixo:


























Dia das Crianças Bairro Zé Rael

Graça e Paz a todos, no último sábado dia 29 de Outubro, a Igreja Acev Altaneira com o apoio do Ministério Nissí realizou a comemoração do dia das crianças no bairro Zé Rael.



Tendo por objetivo levar a Palavra de Deus às crianças e também proporcionar uma tarde de brincadeiras e diversão, a ação foi realizada na Escola Joaquim Soares da Silva, localizada no bairro em questão, e foi dividida em duas partes, a primeira pela parte da manhã consistiu em visitar cada casa do bairro e das proximidades, para convidar as crianças e também para orar por cada família que ali reside, já na parte da tarde, a dedicação foi exclusiva às crianças, que dançaram, brincaram e assistiram uma peça que tinha por tema: "Jesus é meu Herói" que também foi o tema geral da ação, as crianças tiveram a oportunidade de ouvir a Palavra de Deus junto a seus pais e claro uma tarde de diversão. Além do que fora já fora citado, as crianças também ganharam algodão doce, pirulitos, balas, pipocas, picolés, e foi doado para algumas famílias alimentos e roupas que foram arrecadadas para o evento

Participaram da Ação membros das Igrejas Acev de Altaneira e Nova Olinda, do Ministério Nissí, e da Igreja da Graça de Altaneira, confira algumas fotos abaixo, e para mais fotos acesse a página da Igreja Acev de Altaneira pelo link: https://www.facebook.com/acevaltaneira/






































domingo, 23 de outubro de 2016

Arqueólogos comprovam existência da “terceira muralha” de Jerusalém

Relatos do historiador Flávio Josefo contam detalhes do muro
por Jarbas Aragão


A Autoridade de Antiguidades de Israel exibiu nesta quinta-feira (20) as evidências claras da existência da Terceira Muralha de Jerusalém. O local foi destruído durante a invasão do exército romano durante a Primeira Guerra Judaico-Romana, entre 66 d.C. e 73 d.C. A queda da muralha ocorreu cerca de 70 anos após a morte do imperador Herodes.
Essa foi a primeira das três revoltas do povo judeu contra a dominação romana, ocorrida há cerca de dois mil anos, no período do segundo templo. A revelação, ironicamente, ocorre poucos dias após a UNESCO tentar eliminar “qualquer ligação” dos judeus com o monte do templo.
Os arqueólogos encontraram junto a vestígios da muralha, diversos projéteis de pedra que foram lançados por catapultas, além de uma ponta de lança e diferentes peças de artilharia romana utilizadas para derrubar o muro. Segundo o relato histórico, guardas judeus protegiam a cidade do alto de uma torre junto à esse muro.

Rina Avner e Kfir Arbib, diretores da escavação, explicam que esse “É um testemunho fascinante do intenso bombardeio realizado pelo exército romano, comandado por Tito, com a intenção de conquistar a cidade e destruir o Segundo Templo”.

A Autoridade de Antiguidades irá apresentar todos os achados da escavação durante uma conferência sobre arqueologia em 27 de outubro. O material divulgado até agora já provocou debates entre historiadores sobre a localização da Terceira Muralha, pois se relaciona com o verdadeiro limites de Jerusalém antes da invasão comandado por Tito. Elas se somam as descobertas no Complexo Russo de Jerusalém, um dos distritos mais antigos da cidade, que também comprovam a localização do muro naquela área.

Testemunho histórico

Essa muralha não existia nos tempos de Jesus, mas é parte importante da narrativa da destruição de Jerusalém e do templo, conforme foi profetizada no capítulos 24 do evangelho de Mateus.
Os escritos do historiador Flávio Josefo, que foi testemunha da guerra, relatam os detalhes de vários conflitos, incluindo essa terceira muralha, erguida para proteger a área Beit Zeita. Ela ficava fora dos limites da cidade, ao norte das duas muralhas mais antigas e conhecidas.
A construção do muro foi iniciada pelo rei Agripa I. No entanto, ele suspendeu as obras para não provocar a ira do imperador Cláudio e dissipar quaisquer dúvidas a respeito de sua lealdade.
Ainda segundo Josefo, a terceira muralha voltou a ser erguida cerca de 20 anos depois, como uma estratégia de defesa. Ela fortificaria a parte mais externa da cidade, já em preparação para a Grande Revolta contra Roma.
O historiador descreveu em detalhes esse muro externo, que começava junto à Torre Hippicus, mais conhecida como Cidadela de Davi. A partir daí, seguia para o norte, até a enorme Torre Psephinus. Depois, seguia para o leste, descendo em direção à sepultura da rainha Helena, no que hoje é mais conhecido como Túmulos dos Reis. Com informações Jerusalém Post
Fonte: Gospel Prime
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...