sábado, 2 de dezembro de 2017

Mesa Redonda em Altaneira debate os avanços e os desafios a partir dos 500 anos da Reforma Protestante

Reproduzimos abaixo, o ótimo texto retirado do blog Negro Nicolau sobre a Mesa Redonda ocorrida na noite de ontem sobre os 500 Anos da Reforma Protestante. Boa leitura a todos!


O Auditório da Fundação Educativa e Cultural ARCA sediou na noite desta sexta-feira, 01/12, uma mesa redonda alusiva aos 500 anos da Reforma Protestante.

A mesa foi composta por Carlos Alberto Tolovi, Doutor em Ciência das Religiões, Filósofo e Professor de Filosofia da Universidade Regional do Cariri (URCA), Vinícius Freire, Líder do Ministério Nissi e professor de História da Escola de Ensino Médio Santa Tereza (Altaneira) e por este professor signatário com especialização em Docência do Ensino Superior, licenciado em História, blogueiro e ativista pelo Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec), tendo como finalidade discutir os avanços e os desafios advindos da Reforma Protestante.

Para tanto, alguns temas foram geradores do debate como as consequências da reforma no contexto atual, a relação Política e Religião, o Gênero e o Ensino Religioso. Segundo Vinícius, a ideia inicial era promover um momento só para as pessoas ligadas a religiosidade de cunho protestantes. “Pensávamos em evento com pastores e os fiéis com a presença de pregadores de outros lugares, mas por falta de recursos e de outras questões, não foi possível esta realização”, disse. “Depois", ponderou, "pensei em construir um momento mais democrático e de debates em que pontos de vistas diferentes fossem expostos. Por isso, essa mesa hoje aberta a toda a comunidade altaneirense".

Contexto da Reforma

Tolovi propôs 15 minutos de fala para cada componente da mesa e em seguida abrir para as intervenções, curiosidades e questionamentos do público. O professor da URCA trouxe a cena o que levou um dos principais expoentes da reforma se rebelar contra o clero católico romano. Segundo ele, as ideias de Martino Lutero eram legítimas, pois questionou um dos principais erros cometidos pela igreja, a venda de indulgências ou a compra do perdão. Outro grande feito dele que ninguém conseguirá apagar foi permitir que outras pessoas tivessem acesso aos escritos bíblicos, antes restritos só ao clero.

Tolovi fala das condicionantes da Reforma
Protestantes. (Foto: Professor Paulo Robson).
Lutero se notabilizou porque ele conseguiu mexer com uma das instituições mais poderosos do período, quase foi queimado por isso”, disse. “Mas porque não foi”, indagou? Porque as alianças com os monarcas o livraram, em uma clara demonstração de que política e religião estavam juntas.

O filósofo também apontou falhas na reforma e no reformador. “Quem precisa de reforma”?, perguntou. A igreja católica cometia erros e por isso Lutero sentiu a necessidade de corrigi-lo. “Mas se antes seu reformador foi um rebelde ao questionar a doutrina católica, ele cometeu os mesmos erros que criticou ao mandar executar camponeses que estavam fazendo como ele – se rebelando”. Ainda conforme Tolovi, outro erro marcante do reformador foi ter afirmado que só a fé pode salvar. “Isso acabou servindo para alimentar o individualismo”, realçou.

Por fim, ele mencionou que hoje a venda de indulgência, principal motivo da explosão da reforma protestante e que dividiu o cristianismo, continua sendo praticado em larga escala, principalmente pelas igrejas protestantes.

Permanências, Mudanças, Gênero e Ensino Religioso

O professor Nicolau Neto seguiu a linha de raciocino de seu antecessor, trazendo para o debate questões em voga atualmente como forma de tentar chegar ao cerne da questão – O que mudou desde 1517? Nicolau afirmou que Lutero não foi o único que ousou colocar em xeque o poder da igreja católica, mas foi o que mais se notabilizou porque mexeu com as estruturas do clero. 

Nicolau discorre acerca de temas defendidos pelas instituições
religiosas que reforçam a segregação e o preconceito.
(Foto: Paulo Henrique Maia).
A partir século XVI, testemunhamos o surgimento de várias vertentes religiosas de linhagem protestantes e de líderes que assim como Lutero marcou história. “Foram até além dele porque não ficaram apenas no seio religioso, mas que usando da prerrogativa religiosa lutaram por justiça social e racial, como o pastor Martin Luther King, o Metodista Nelson Mandela e o anglicano Desmond Tutu”. “Essa pessoa, ao contrário do Lutero”, pontuou, “não se caíram em contradição”.

Para o professor, esses bons exemplos de protestantes não apagam o que foi feito de ruim quando do desenrolar da reforma, tão pouco o que vem sendo praticada na atualidade. Ao mencionar a grande visibilidade na mídia e a atuação na política partidária a partir de 2001 dos “evangélicos”, Nicolau destaca o ódio praticado por eles a grupos historicamente massacrados, tendo um esforço gigante para demonizar ações indígenas e grupos religiosos de matrizes africanas e para ampliar esse ódio, a bancada evangélica imbuídas de um projeto “Escola Sem Partido” querendo inserir nas escolas o ensino religioso de vertente protestante e católica, corroborado para segregar mais e silenciar cada vez mais quem não se encontra em nenhuma dessas linhagem.

O ativista ainda mencionou acerca das questões de gênero que tem conseguido juntar os que estão separados historicamente, igrejas protestantes e igreja católica em alguns municípios, provocando um verdadeiro desastre humano ao reforçar a política religiosa de segregação e de preconceito. “São esses grupos, as exceções são algumas pessoas dentro destas instituições, que estão continuando a defenderem ideias de submissão da mulher, os maus-tratos a comunidade LGBTTs, o controle do corpo e da sexualidade, além de apoiarem políticos homofóbicos, racistas e machistas, tudo em nome de deus e da defesa da ‘família’”. Segundo Nicolau, a verdadeira reforma não está nas instituições em si, em prédios, mas em nós mesmo. “Nós precisamos a conviver com o diferente”, finalizou.

Vinícius fala da chegada dos protestantes em
Altaneira. (Foto: Prof. Nicolau Neto).
Crescimento do Movimento Protestante em Altaneira

Vinícius Freire fez um resgate de como as igrejas protestantes se instalaram em Altaneira. Para o professor, que já tem estudos nesse sentido, o movimento começou a chegar ainda na década de 70 do século passado, tendo na Igreja Congregação Cristã no Brasil a sua maior expressão e ainda hoje é a que tem o maior número de adeptos. A Igreja Assembleia de Deus Templo Central ganharia espaço na cidade alta nos anos 80.

O líder do Nissi pontuou que diferente de outras localidades, em Altaneira a entrada dos evangélicos se deu por migração. Enquanto os primeiros grupos que se desenvolveram no Brasil eram invasores, franceses e holandeses protestantes, aqui grupos viajaram e conheceram as doutrinas em outros estados, como São Paulo e trouxeram para cá, ressaltou. 

Intervenções

Após as explanações, o público passou a intervir. Para o professor e coordenador Paulo Robson, o momento foi muito rico e merecia uma maior participação se referindo a professores, professoras e estudantes. Já o professor e sindicalista José Evantuil, preferiu não lamentar as ausências, afirmando que o momento foi proveitoso. Essa ideia foi compartilhada pelo mestrando Cícero. Já o radialista João Alves parabenizou a mesa pelo bom debate.

Professores, estudantes e demais pessoas por ocasião da Mesa Redonda que debateu os 500 anos da Reforma Protestante em Altaneira. (Foto: Professor Nicolau Neto).

0 comentários

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...