I Historiadores tentam mostrar qual seria a “aparência” de Jesus

Historiadora neozelandesa fez ampla pesquisa e lançou recentemente um livro sobre o assunto

Maria Madalena não era ‘prostituta’ como muitos pensam, esclarecem pesquisadores

Estudiosos sugerem que ela não foi uma meretriz, mas sim uma mulher influente e rica.

“Teologia da prosperidade é a ‘bela mentira’ que a igreja ama”, alerta teóloga

Doutora em teologia, Kate Bowler se aprofundou no tema após ser diagnostica com câncer

Propaganda política no púlpito da igreja é crime eleitoral

Procurador Regional Eleitoral faz o alerta

Mosaico descrevendo Jesus Cristo como “Deus” é revelado em Israel

Obra, que fazia parte de uma igreja caseira, será exibido ao público

terça-feira, 24 de abril de 2018

Portas Abertas comemora 40 anos no Brasil com culto especial

Presenças confirmadas dos ministros Adhemar de Campos e Gerson Borges e do CEO da Portas Abertas Internacional, Dan Ole Shani.

por Jaqueline Freires


Prestes a completar 40 anos de fundação no Brasil, a Missão Portas Abertas tem motivos de sobra para comemorar. Presente em mais de 60 países, a organização ajuda anualmente mais de 215 milhões de cristãos perseguidos ao redor de todo o mundo através de apoio espiritual e financeiro. Para comemorar a data especial, a Portas Abertas Brasil realiza um grande culto festivo, na Igreja Batista Boas Novas, em São Paulo.
O evento acontece no dia 5 de maio, a partir das 19h30. A entrada é franca. Presenças confirmadas do pastor Samuel e Aaron, do CEO da Portas Abertas Internacional, Dan Ole Shani, e dos ministros de louvor Adhemar de Campos e Gerson Borges. A Igreja Batista Boas Novas fica na Rua Marechal Malet, 611, Parque da Vila Prudente, São Paulo.

Uma história de amor e fé

No Brasil, o ministério da Portas Abertas teve início em 1978, com a irmã Elmira Pasquini e outros crentes, que fundaram em 01 de maio de 1978 o escritório nacional da organização que teria como principal objetivo mobilizar a igreja brasileira a orar e apoiar financeiramente os cristãos perseguidos de todas as partes. Hoje, com sede em São Paulo, a base nacional conta com mais de 600 voluntários, mais de 30 mil parceiros e emprega cerca de 40 colaboradores diretos.
Mas a história da Portas Abertas tem início muito antes disso. Em 1955, um cristão holandês de 27 anos participa de uma viagem à Polônia e descobre um remanescente de cristãos por detrás da Cortina de Ferro com necessidade urgente de bíblias. Tocado por Deus, o jovem André* atende ao chamado de Cristo e dá início a distribuição de literatura cristã no país. O rapaz não poderia imaginar que anos depois, aquela modesta iniciativa tomaria proporções muito maiores e seria usada por Deus para atender milhares de cristãos nos mais diferentes lugares do mundo.
Atualmente o trabalho da Portas Abertas funciona de acordo com as necessidades regionais dos países em que atua. Além da distribuição bíblias e materiais cristãos, a iniciativa ainda treina e alfabetiza crentes locais, oferece ajuda institucional e assessoria jurídica, nos inúmeros casos de prisões motivadas por perseguição religiosa e ainda auxilia socioeconomicamente irmãos que são privados de direitos básicos por causa de sua confissão de fé.
Saiba mais sobre o trabalho da Missões Portas Abertas no site da organização.
Fonte: Gospel Prime

História de médico que arrisca a vida no trabalho missionário vira filme

Tom Catena continuou servindo no Sudão em meio à guerra

por Jarbas Aragão


Um filme recém-lançado nos Estados Unidos chamado “The Heart Of Nuba” [O coração de Nuba], conta a história do médico cristão Tom Catena, que serve como missionário entre o povo que habita as Montanhas Nuba, sul do no Sudão, devastada pela guerra nos últimos anos.
Ele é o único cirurgião na região. O emocionante documentário mostra como Catena e um pequeno grupo de ajudantes conseguiu atender cerca de um milhão de pessoas. Ele administra o Hospital Mãe da Misericórdia, no meio de uma região remota.
A região, que é rica em petróleo, é vítima de bombardeios aéreos do próprio presidente do país, Omar al-Bashir. Considerado um criminoso de guerra por tribunais internacionais, ele é responsável por milhares de mortes, além da destruição de aldeias inteiras. O filme mostra que um dos objetivos do governo é extinguir o povo Nuba, que ele considera rebelde.
Sendo cristão em meio a um país majoritariamente muçulmano, o doutor Catena diz que está determinado a salvar vidas. Do começo ao fim do documentário, duas coisas permanecem constantes – a fé do médico (que é visto orando e lendo a Bíblia) e seu amor pelo povo Nuba.
“Este solitário cirurgião norte-americano cuida com igual compaixão de pacientes que sofrem com desnutrição, lepra, doenças tropicais e ferimentos graves infligidos pelos bombardeios ordenados por seu próprio presidente, Omar al-Bashir. Quando um governo pode atacar homens, mulheres e crianças indefesos com bombardeios e isso não repercute na mídia, causando uma reação do mundo, algo está terrivelmente errado”, diz o narrador em um trecho do documentário.
Outro trecho mostra como era a vida confortável de Catena nos EUA e como ele largou tudo por seu desejo de amar ao próximo, fazendo operações sem grandes recursos e tendo de se esconder junto com os aldeões toda vez que ouvem um avião sobrevoar a aldeia onde mora.
“The Heart Of Nuba” já foi exibido em vários festivais, ganhando alguns prêmios. Ele está em exibição nos cinemas desde 20 de abril, em circuito restrito. Não há previsão de lançamento no Brasil. Com informações de Christian Post.
Fonte: Gospel Prime
Assista ao trailer

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Paulo, Apóstolo de Cristo: Pré-estreias já alcançaram Norte, Nordeste e Sudeste do país

Uma das duas salas da pré-estreia do Rio de Janeiro completamente lotada: Foto: Paulo Tail

A Sony Pictures em parceria com a 360 Way Up realizou as pré-estreias de Paulo, Apóstolo de Cristo em diversas capitais brasileiras. Sessões exclusivas para representantes da mídia, influenciadores e líderes católicos e evangélicos de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro foram realizadas entre os dias 16 e 17 de abril. Cerca de 3 mil pessoas já foram impactadas pelo testemunho de vida do homem que se transformou de perseguidor a propagador do Evangelho.

Nos cinemas a partir de 3 de maio, o filme mostra a história de Paulo e Lucas, que lutam contra o imperador Nero, determinado a livrar Roma dos cristãos e impedi-los de levar a mensagem de Jesus ao mundo.
CEO da 360 WayUp, empresa que a ficou conhecida por participar de grandes projetos no mercado cristão cinematográfico, Ygor Siqueira comentou sobre as sessões e disse que o filme Paulo, Apóstolo de Cristo vai renovar a fé dos espectadores. “Todas as pré-estreias estiveram lotadas, uma repercussão maravilhosa! O mais lindo é ver as pessoas saindo de assistir ao filme totalmente renovadas, mas principalmente desafiadas a viverem uma vida verdadeiramente entregue ao nosso Senhor Jesus Cristo.”

A Sony Pictures e a 360 Way Up irão realizar pré-estreias em Vitória (ES), Manaus (AM), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Natal (RN), São Luiz (MA), Goiânia (GO) dentre outras.

Paulo, Apóstolo de Cristo conta com as atuações brilhantes de Jim Caviezel como Lucas e James Faulkner como Paulo. A direção fica a cargo de Andrew Hyatt e a produção por T.J Berden e David Zelon, cristãos que assinaram também a produção do filme O Céu é de Verdade. 

Dica: O filme Paulo - Apóstolo de Cristo está realizando as pré-vendas em diversas cidades do país. Se você quiser assistir em grupo com sua igreja e família terá descontos especiais a partir de 50 pessoas. Compre já pelo https://www.ingresso.com/

Release #2

Paulo, Apóstolo de Cristo: Pré-estreias já alcançaram Norte, Nordeste e Sudeste do país

Uma das duas salas da pré-estreia do Rio de Janeiro completamente lotada: Foto: Paulo Tail
A Sony Pictures em parceria com a 360 Way Up realizou as pré-estreias de Paulo, Apóstolo de Cristo em diversas capitais brasileiras. Sessões exclusivas para representantes da mídia, influenciadores e líderes católicos e evangélicos de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro foram realizadas entre os dias 16 e 17 de abril. Cerca de 3 mil pessoas já foram impactadas pelo testemunho de vida do homem que se transformou de perseguidor a propagador do Evangelho.

Nos cinemas a partir de 3 de maio, o filme mostra a história de Paulo e Lucas, que lutam contra o imperador Nero, determinado a livrar Roma dos cristãos e impedi-los de levar a mensagem de Jesus ao mundo.
CEO da 360 WayUp, empresa que a ficou conhecida por participar de grandes projetos no mercado cristão cinematográfico, Ygor Siqueira comentou sobre as sessões e disse que o filme Paulo, Apóstolo de Cristo vai renovar a fé dos espectadores. “Todas as pré-estreias estiveram lotadas, uma repercussão maravilhosa! O mais lindo é ver as pessoas saindo de assistir ao filme totalmente renovadas, mas principalmente desafiadas a viverem uma vida verdadeiramente entregue ao nosso Senhor Jesus Cristo.”

A Sony Pictures e a 360 Way Up irão realizar pré-estreias em Vitória (ES), Manaus (AM), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Natal (RN), São Luiz (MA), Goiânia (GO) dentre outras.

Paulo, Apóstolo de Cristo conta com as atuações brilhantes de Jim Caviezel como Lucas e James Faulkner como Paulo. A direção fica a cargo de Andrew Hyatt e a produção por T.J Berden e David Zelon, cristãos que assinaram também a produção do filme O Céu é de Verdade. 

Dica: O filme Paulo - Apóstolo de Cristo está realizando as pré-vendas em diversas cidades do país. Se você quiser assistir em grupo com sua igreja e família terá descontos especiais a partir de 50 pessoas. Compre já pelo https://www.ingresso.com/
Ygor Siqueira, CEO da 360 Way Up falando aos presentes antes da sessão começar. 
De cima para baixo, da esquerda para direita: Pessoas reunidas na pré do RJ. 2, Ygor Siqueira com líderes católicos, 3. Cantora Perlla, 4. Ator Rafael Portugal, 5. Cantora Adriana e esposo Fabiano, 6. Aline Barros, 7. A dupla Alex e Alex sendo entrevistados pela equipe do Sala Musical e 8: Claudia Caputti entrevistando Ygor Siqueira para o Destake News Gospel.





Com Informações da Assessoria de Imprensa da 360 WayUP

sábado, 14 de abril de 2018

Mais uma Igreja Evangélica em Altaneira: Culto Inaugural da Igreja Liberdade Cristã



Graça e Paz a todos! Na noite de ontem, sexta – feira 13 de Abril, ocorreu o culto inaugural de mais uma Igreja Evangélica em Altaneira, a Igreja Apostólica Liberdade Cristã e que já conta com um bom número de membros.

A Igreja Liberdade Cristã, tem sua sede na cidade de Brejo Santo – Ce, uma Igreja jovem (em termos de existência), mas que também tem raízes em nossa cidade, pois os líderes da Igreja são o Pastor Erivone Tomaz (Brejo Santo – Ce) e sua esposa Tatinha Caldas, filha de seu Otacílio Caldas, ou seja, uma Altaneirense e que anos atrás foi uma das responsáveis pela vinda da Igreja Internacional da Graça de Deus para Altaneira. Em sua página no facebook, a Igreja é descrita, como uma “Igreja chamada para manifestar o Reinode Deus através do amor, serviço ensino, comunhão, missões e adoração.” Como podemos perceber nas fotos na página da Igreja no Facebook e também no Instagram, que a mesma nãoé só mais uma Igreja que fica dentro do prédio, mas que ela também procura manifestar o Reino de Deus através de atos de Justiça (Ação Social), evangelismo, ensino e claro através da ministração da Palavra de Deus.

O culto inaugural contou com a ministração da Palavra pelo Apóstolo Alexandre Ferrarezi de Maringá – PR, que ministrou sobre o cuidado que temos para não vivermos nossas vidas com julgo de acusação para conosco e para com os outros, e como issoipode ser prejudicial para nossas vidas e que quando conhecemos Jesus, temos que nos despir de tais “vestes” de acusação, tendo por base o texto de I Samuel 17: 4,39. Apesar de ter ocorrido ontem o “Culto Inaugural” da Igreja, a mesma já realiza cultos domiciliares desde Dezembro de 2017, quando tomou-se a decisão dela vir para Altaneira e é formada pelos membros que participavam da Igreja Internacional da Graça de Deus que fechou em nosso municipio por decisão da própria Igreja, deixando os membro à “deriva” que então decidiram por congregar na Liberdade Cristã.

Estiveram presentes no culto inaugural, membros da Igreja liberdade Cristã de Brejo Santo, Altaneira, além de alguns convidados, a Igreja em Altaneira, fica localizada na Rua Dep. Furtado Leite, SN, Em frente a Academia NewFit, prédio em que também funcionou a Igreja Acev em Altaneira.

Nós do Ministério Nissí, ficamos muito felizes com a vinda da Igreja para Altaneira, assim como também nos dispomos a ajudar a mesma, para que o Reino de Deus se Manifeste em nossa cidade, segue abaixo, o link da Página da Igreja Liberdade Cristã no Facebook e também no Instagram, assim como também mais fotos do Culto Inaugural de ontem:





















sexta-feira, 13 de abril de 2018

Reflitamos #20

Graça e Paz, na postagem de hoje damos sequência à série que consiste na postagem de imagens para que servem para nossa reflexão. Que fale ao coração de todos!





quarta-feira, 4 de abril de 2018

50 anos da morte de Martin Luther King: pastores se unem para marcha histórica

Caminhada lembra o ativismo do pastor na década de 1960

por Jarbas Aragão



Hoje haverá uma das maiores reuniões de líderes religiosos dos EUA desde 1963, na capital, Washington. A marcha lembra os 50 anos do assassinato de Martin Luther King Jr., pastor e ativista de direitos civis.
A manifestação, que pede o fim do racismo, é organizada pelo Conselho Nacional de Igrejas (NCC), o maior órgão inter-religioso da América, contando com mais de 45 milhões de membros.
“Vivemos há muito tempo sob o flagelo do racismo em nossa sociedade. Para iniciar o processo de cura da nação, nós, como cristãos, devemos nos unir e nos responsabilizarmos por nossas culpas e nos comprometermos em corrigir os erros”, disse o presidente da NCC, Jim Winkler.
O dia começou com uma reunião de oração no memorial de Martin Luther King Jr. em Washington, ponto de partida da caminhada que lembra o ativismo do pastor na década de 1960. A expectativa é atrair um milhão de participantes.
Segundo os organizadores o objetivo do evento é despertar as pessoas para a necessidade de confrontar as injustiças, incluindo o racismo, visando transformar – pela oração e por campanhas de conscientização – “os corações, mentes e comportamentos das pessoas e estruturas que moldam a sociedade”.
“As igrejas cristãs, presentes em todas as cidades e comunidades de todo o país, são parte do problema e da solução”, disse a pastora Sharon Watkins, diretora do departamento de verdade e justiça racial da NCC. “Estamos comprometidos em lidar com o mal sistêmico que muitos cristãos e igrejas ainda não reconheceram completamente.”
A marcha de hoje é apenas um dos vários outros eventos nos EUA para homenagear o pastor Martin Luther King, que foi assassinado por causa de sua luta pelos direitos civis em 1968. Com informações Christian Today
Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 3 de abril de 2018

Aguardado, filme Paulo, Apóstolo de Cristo estreia nos cinemas do Brasil dia 03 de maio



O testemunho de vida do homem que se transformou de perseguidor a propagador do Evangelho estará nos cinemas brasileiros a partir do dia 03 de maio. Do mesmo estúdio de “Ressurreição” e “Quarto de Guerra”Paulo – Apóstolo de Cristo é o mais novo lançamento da Sony Pictures, com produção da Affirm Films, estúdio especializado em filmes baseados na fé como “Milagres do Paraíso”, “À Prova de Fogo”, entre outros.

Paulo, Apóstolo de Cristo (Paul, Apostle Of Christ) conta a história de dois homens, Paulo e Lucas, que lutam contra o imperador Nero, determinado a livrar Roma dos cristãos e as fragilidades do espírito humano para viver o Evangelho de Jesus Cristo e levar sua mensagem ao mundo.

Dirigido e escrito pelo premiado Andrew Hyatt (Full Of Grace, The Last Night),o longa mostra a trajetória de Paulo e o apóstolo em seus últimos dias de vida preso. Enquanto isso, Lucas, o médico, visita o velho Paulo para consolá-lo, ouvi-lo e questioná-lo, para então transcrever as cartas que encorajavam os cristãos a se manterem fortes na fé contra a perseguição romana.

Produzido por T.J Berden e David Zelon, cristãos que assinaram também a produção do filme O Céu é de Verdade, o filme é baseado nas narrativas do Novo Testamento, em especial, o livro de Atos dos Apóstolos e foi rodado em diversas locações na Ilha de Malta.

No elenco, protagonistas aclamados pelo do público. No papel de Lucas, Jim Caviezel que interpretou Jesus Cristo no longa “A Paixão de Cristo”. Para Paulo, o experiente ator James Faulkner, conhecido por diversos papéis em filmes e séries como “Game Of Trones”, por exemplo. Além dos dois, Olivier Martinez, Joanne Whalley e John Lynch protagonizam o drama.

Dica: O filme Paulo - Apóstolo de Cristo vai realizar pré-vendas em algumas cidades do país. Se você quiser assistir em grupo com sua igreja e família terá descontos especiais a partir de 50 pessoas. Fiquem ligados! Em breve mais informações sobre esta ação. 







Sinopse - Paulo, Apóstolo de Cristo


Em Paulo, Apóstolo de Cristo, Lucas arrisca a vida para visitar Paulo, que é mantido encarcerado numa prisão romana sob o comando de Nero. Juntos, eles lutam contra um imperador determinado e as fragilidades do espírito humano para viver o Evangelho de Jesus Cristo e levar sua mensagem ao mundo. 

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Os primeiros cristãos não gostavam da imagem de Jesus crucificado, explica teólogo

Primeiros crucifixos datam da Idade Média e geraram controvérsia

por Jarbas Aragão


O teólogo espanhol Juan Arias publicou um extenso artigo no jornal El País, explicando por que os primeiros cristãos não gostavam da imagem de Jesus crucificado. Parece haver um renovado debate sobre qual seria a verdadeira “face” de Cristo, com a emissora BBC trazendo a tona uma reconstituição que mostra um homem baixinho, com feições mais africanas que semíticas.
A história mostra que a primeira imagem de Jesus Cristo crucificado era ofensiva. Chamado de “grafite de Alexámenos”, o desenho esculpido em gesso em uma parede data entre os séculos I e III. Representa um homem com cabeça de burro numa cruz, com a inscrição: “Alexámenos adora ao seu deus”.
Acredita-se que com esta era uma maneira de caçoar da fé dos cristãos na época, como esse identificado como  Alexámenos. A figura hoje está no Museu Antiquarium Palatino de Roma.
Primeira imagem conhecida representando Jesus crucificado
Conforme destacou Arias, a veneração da imagem de Jesus crucificado se popularizou séculos depois de sua morte. Foi o Concílio de Niceia, no ano 325, que ‘autorizou’ oficialmente o uso da imagem do crucifixo pelos cristãos. Registros indicam que nos  primeiros séculos do cristianismo as representações de Jesus não recordavam a pena de morte atroz que os romanos infligiam aos criminosos.
Como o apóstolo Paulo declarou, “se Cristo não ressuscitou […] é vã a nossa fé” (1 Co 15:14), logo, os cristãos da Igreja primitiva não faziam pinturas nem esculturas de Jesus crucificado, só um Cristo glorioso. Nas catacumbas romanas, onde eles se escondiam da perseguição, não existem pinturas de Jesus na cruz.

Geralmente, o Salvador é representado como um pastor, celebrando a Última Ceia com os apóstolos, ou realizando milagres. Nunca morto.  A imagem “O Bom Pastor”, encontrada nas catacumbas de São Calixto, em Roma, foi pintada no início do século III.
Quando o imperador Constantino tornou o cristianismo a religião oficial do Império Romano, a partir de 313,  a representação da cruz passou a se popularizar, mas sem o corpo de Jesus.  Ele afirmava que antes da batalha contra Magêncio, viu uma cruz e ouviu uma voz que dizia: “Com este signo vencerá”.
O imperador ganhou a batalha, e sacralizou o sinal da cruz, que foi aceito como símbolo cristão pelo Concílio de Niceia.
As imagens do rosto de Jesus variavam muito, uma das mais conhecidas dele com o aspecto mais conhecido (cabelo cumprido e barba) foi encontrada no cemitério de uma vila imperial que pertencia a Constantino e data do século IV.
Imagem de Cristo em uma vila de Constantino
Conforme destaca Arias, os primeiros crucifixos – com o Jesus agonizante ou morto – só apareceram só no século V, e suscitou  muitas polêmicas. Naquela época, os cristãos continuavam preferindo representar Jesus vivo ou ressuscitado.
Foi somente na Idade Média, mais de mil anos depois da morte de Jesus, que definitivamente se popularizaram as representações dos crucifixos, com o corpo dele mostrando os sinais de dor, sangrando pelas mãos, os pés e nas laterais. Em muitas igrejas católicas do mundo, essa ainda é a figura mais comum.
Fonte: Gospel Prime

sexta-feira, 30 de março de 2018

A sexta – feira santa é realmente santa?




Por Vinicius Freire

Após falarmos um pouco sobre a Páscoa, resolvemos abordar um assunto que é um pouco mais polêmico, pois envolve uma crença baseada na tradição de muitas famílias, que tem seus “rituais” de passagem durante a sexta- feira que antecede à Pascoa, dia que lembramos da crucificação e também da morte de Jesus Cristo.

Durante a sexta-feira conhecida como “sexta da paixão”, a maioria dos brasileiros geralmente evitam comer carne (exceto peixe) e também qualquer atividade física ou comercial, mas de onde vem essa tradição? Segundo o site Católicos na Bíblia essa é uma tradição que vem desde os primórdios do Cristianismo, ligada ela a prática do Jejum, prática que passou por muitas mudanças até ser estabelecida aos católicos pelo código de Direitos Canônicos e pelo novo Código de Direitos Canônicos de 1983, instituindo a prática da abstenção de qualquer tipo de carne (inclusive peixe) e também do Jejum para os dois dias que antecedem a Páscoa.

O que a bíblia fala sobre isso? A Bíblia NÃO determina nenhuma prática específica para esta época do ano nos evangelhos nem nas cartas apostólicas, nem no livro de Atos dos Apóstolos, portanto essa prática NÃO tem base bíblica, sendo totalmente baseada na tradição católica. Nós cristãos protestantes não somos adeptos desta prática, ou seja, consumimos carne nestes dias se for de nossa vontade, pois temos consciência que não cometemos pecado, uma vez que entendemos que o Jejum deve ser uma prática rotineira independente da Páscoa. Mas salientamos que quem não consome carne neste período também não comente nenhum pecado.

E sobre a sexta feira? Podemos entender que a “sexta da paixão” é um momento sim em que todos lembramos da morte de Jesus pela proximidade com a Páscoa, mas isso não a torna mais especial ou santa, é um dia como qualquer outro, mas que está enraizado em nossa cultura como tal. Esse período geralmente vem de um período de abstenção, reflexão, falamos em amor, fraternidade, etc, mas essas reflexões e tudo isso citado devem acontecer durante todo o ano, por isso não podemos considerar hoje um dia santo, mas sim buscar a comunhão com Deus e com o próximo e a santificação todos os dias, afinal aquEle que deu sua vida em nosso favor é Santo e se O buscarmos sempre seremos santificados nEle, perdoados, aprenderemos a viver em seus ensinamentos, enfim, passaremos a pensar e ver Jesus em nós como o apóstolo Paulo bem diz em suas cartas. Nossa critica não vem no sentido de escarnecer, ou insultar ninguém, mas sim, para nos fazer refletir e para que venhamos buscar a mudança, gestacionar Cristo em nós sempre, duarante todo o ano e todos os anos.


quinta-feira, 29 de março de 2018

51% dos cristãos não sabem o que é a “Grande Comissão”

Pesquisa do Instituto Barna mostra o crescente desinteresse pela evangelização

por Jarbas Aragão


Mais da metade dos fiéis entrevistados na pesquisa conduzida pelo Instituto Barna dizem desconhecer o termo “Grande Comissão”, indicando o crescente desinteresse pela evangelização.
“Grande Comissão” é um termo usado para descrever o mandamento de Jesus em Mateus 28: 18-20: “Ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.
O objetivo do estudo da Barna, focado em igrejas evangélicas, descobriu que 51% dos que frequentam a igreja regularmente não conhecem a “Grande Comissão”. Além disso, 25% disseram ter ouvido falar, mas não sabem dizer o “significado exato”, 17% diziam saber com certeza, e 6% “não têm certeza”.
Segundo Geroge Barna, que conduziu o levantamento com 1004 pessoas, “Os dados indicam que as igrejas estão usando menos a frase, revelando a falta de prioridade ou do foco nas implicações da Grande Comissão”.
O relatório indica que as pessoas mais velhas conhecem mais sobre o termo, enquanto os milenares (menos de 25 anos) estavam menos familiarizados ​​com a questão da evangelização mundial.
Os pesquisadores de Barna, no entanto, admitem que embora seja um termo usado inclusive em algumas versões da Bíblia como “subtítulo” antes da parte final de Mateus 28, nem todos os entrevistados desconhecem o mandamento das Escrituras.
O relatório sobre o tema “Grande Comissão” vem à tona poucos meses depois do Instituto Americano de Cultura e Fé (IACF) divulgar um estudo mostrando que as igrejas não enfatizam mais o evangelismo como no passado.
O IACF mostrou em uma ampla pesquisa publicada em dezembro do ano passado que um número cada vez menor de igrejas “ensina e prepara seus membros para o evangelismo nos dias de hoje, com resultados óbvios e inegáveis”.
Estudiosos também apontam para a relação disso com o levantamento da Eastern Illinois University, mostrando que a maioria das denominações não possui um trabalho adequado de acompanhamento após as decisões em cultos. Ele indicou que apenas 33% das pessoas dizem ter “mudado de vida” e começaram a frequentar mais a igreja, depois de “aceitar a Jesus”. Com informações de Christian Post
Fonte: Gospel Prime

Historiadores tentam mostrar qual seria a “aparência” de Jesus

Historiadora neozelandesa fez ampla pesquisa e lançou recentemente um livro sobre o assunto

por Jarbas Aragão


Nesta semana, todos os cristãos do mundo irão lembrar da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Mas a aparência do Messias sempre foi um assunto que gerou controvérsia. Embora não exista descrição sobre ele no Novo Testamento, as imagens mais comuns são de um homem com pele branca, geralmente barbudo e de cabelos longos.
De fato, são séculos de eurocentrismo nas representações artísticas em quadros ou em murais de igrejas. Segundo os especialistas, o mais provável é que ele tinha pele morena e mantinha os cabelos aparados, seguindo o costume dos outros judeus de sua época.
“Nos evangelhos ele não é descrito fisicamente. Nem se era alto ou baixo, bem-apessoado ou forte. A única coisa que se diz é sua idade aproximada, cerca de 30 anos”, explica a historiadora neozelandesa Joan E. Taylor. Ela aprofundou-se no assunto e lançou recentemente o livro What Did Jesus Look Like? [Qual era a aparência de Jesus?].
Professora do Departamento de Teologia e Estudos Religiosos do King’s College, de Londres Taylor usou registros históricos da época e contou com a ajuda de um designer gráfico para tentar embasar sua teoria.
Ela acredita que as imagens que popularizaram ao longo dos séculos sempre procuraram retratar o Cristo como filho de Deus, não o Jesus humano. “E esse é um assunto que sempre me fascinou. Eu queria ver Jesus claramente”, justifica

Baixinho, sem barba e de cabelo curto

O assunto é recorrente no Reino Unido. Em 2001, a rede BBC produziu um especial, mostrando as reconstruções faciais feitas por Richard Neave. Utilizando-se de três crânios de antigos habitantes da região onde Jesus teria vivido, ele e sua equipe utilizaram a modelagem 3D para propor como seria um rosto típico de um judeu do primeiro século. A ideia era mostrar a aparência mais provável de Jesus.
Os esqueletos de judeus dessa época mostram que a altura média era de 1,60 m e o peso médio era pouco mais de 50 quilos. Ou seja, Jesus seria baixinho e magro.
As conclusões de Taylor são semelhantes. “Os judeus da época eram biologicamente semelhantes aos judeus iraquianos de hoje em dia. Assim, acredito que ele tinha cabelos de castanho-escuros a pretos, olhos castanhos, pele morena. Um homem típico do Oriente Médio”, explica.
A cor da pele é uma estimativa. “Certamente ele era moreno, considerando a cor de pessoas daquela região e, principalmente, analisando a fisionomia de homens do deserto, gente que vive sob o sol intenso”, revela o designer gráfico brasileiro Cícero Moraes.
Especialista em reconstituição facial forense, ele já fez reconstituição facial de 11 santos católicos. Também criou uma imagem de Jesus Cristo a partir de dados históricos e arqueológicos.
Para o teólogo Pedro Lima Vasconcellos, professor da Universidade Federal de Alagoas, “O melhor caminho para imaginar a face de Jesus seria olhar para algum beduíno daquelas terras desérticas, andarilho nômade daquelas terras castigadas pelo sol inclemente”.
A rejeição da longa cabeleira tão comum em pinturas medievais é por que na Epístola aos Coríntios [11:14], o apóstolo Paulo escreve que “é uma desonra para o homem ter cabelo comprido”.
“Para o mundo romano, a aparência aceitável para um homem eram barbas feitas e cabelos curtos. Um filósofo da antiguidade provavelmente tinha cabelo curto e, talvez, deixasse a barba por fazer”, insiste Taylor.
O historiador André Leonardo Chevitarese, professor do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) explica que as primeiras iconografias conhecidas de Jesus, datadas do século 3, mostravam-no de rosto liso e cabelos curtos. “Era muito mais a representação de um jovem filósofo, um professor, do que um deus barbudo”, assegura.
A representação “clássica”, de Jesus barbudo e cabeludo se popularizaram na Idade Média, no auge do Império Bizantino. O professor Chevitarese diz que essa representação da figura de Cristo como um ser invencível trazia semelhanças físicas com os reis e imperadores da época.
O sociólogo Francisco Borba Ribeiro Neto, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), diz que em outros lugares do mundo havia representações distintas.
“Nas Igrejas Católicas do Oriente, o ícone de Cristo deve seguir uma série de regras para que a imagem transmita essa outra percepção da realidade de Cristo. Por exemplo, a testa é alta, com rugas que normalmente se agrupam entre os olhos, sugerindo a sabedoria e a capacidade de ver além do mundo material, nas cenas com várias pessoas ele é sempre representado maior, indicando sua ascendência sobre o ser humano normal, e na cruz é representado vivo e na glória, indicando, desde aí, a sua ressurreição.”
O sociólogo acredita que isso também é uma questão cultural. “O problema da representação fiel ao personagem histórico é uma questão do nosso tempo, quando a reflexão crítica mostrou as formas de dominação cultural associadas às representações artísticas”, avalia.
“Nesse sentido, o problema não é termos um Cristo loiro de olhos azuis. É termos fiéis negros ou mulatos, com feições caboclas, imaginando que a divindade deve se apresentar com feições europeias porque essas representam aqueles que estão ‘por cima’ na escala social”, encerra. Com informações de BBC
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 28 de março de 2018

Páscoa: Coelho ou Cordeiro?



Por Vinicius Freire

Graça e Paz à todos, próximo domingo comemoramos o chamado Domingo de Páscoa, que tendo sua origem na religião, mas com o passar do tempo acabou sendo ressignificado para algo absolutamente comercial. Nosso objetivo com esse texto, é trazermos um resgate à origem da páscoa e pensarmos o seu significado no contexto atual e claro falarmos sobre a páscoa para nós cristãos.

A Páscoa ou Pessach é uma das festas que fazem parte do calendário Judaico, ou seja, sua origem está no Judaismo, segundo o Antigo Testamento, mais especificamente no Livro de Êxodo capítulo 12, Deus ordenou a Moisés que os hebreus, que eram escravos no Egito na época, sacrificassem um cordeiro e passassem seu sangue nos umbrais das portas para que os Hebreus fossem livres da 12ª praga que seria a morte dos primogênitos. Segundo a Própria bíblia assim foi feito, e todos os primogênitos egipcios foram mortos, porém os primogênitos hebreus continuaram vivos.

Podemos entender dessa forma, que a origem da Páscoa nada tem a ver com coelho, mas sim com a saída dos Hebreus do Egito para a terra prometida, no versículo 17
do livro de Êxodo Deus ordena ao povo que celebre a Páscoa como um memorial, e durante este período os judeus até hoje celebram essa festa que é a mais importante de seu calendário, tendo duração de 7 dias.

Para os Cristãos a Páscoa remete à morte e à ressurreição de Jesus Cristo, que segundo o Novo Testamento morreu para nos salvar dos nossos pecados, tendo ressuscitado 3 dias após sua morte, Jesus também é chamado de Cordeiro, uma referência ao cordeiro sacrificado durante a pascoa Judaica, ou seja, Jesus foi sacrificado para que nós fossemos libertos dos nossos pecados. Os evangelhos relatam que no momento em que Jesus morreu o véu do templo rasgou-se de alto a baixo, este véu separava o lugar santo, do santo dos santos no santuário, o local que era considerado pelos judeus como o local onde Deus estava presente e que só era frequentado pelo sumo sacerdote, podemos entender que este acontecimento, significa que aquilo que nos separava da presença de Deus, não podia nos separar mais, e isso, se dava a partir da morte de Jesus, do sacrifício do cordeiro Pascal.

E o ovo e o coelho? Segundo artigo do site Mundo Estranho, o ovo já era utilizado por Judeus como simbolo de Israel e o coelho representa a vida pela sua capacidade procriadora e foi também uma forma de popularizar a festa, mas no nosso contexto atual, entendemos também que a Páscoa tem se tornado cada vez mais um feriado secular e comercial.

Cabe à Igreja não permitir que a Páscoa perca seu significado, tanto histórico, no que se refere aos judeus, quanto “Espiritual” e salvífico, no que se refere a nós cristãos, em nossas Igrejas e em nossa família devemos ensinar nossos filhos que a morte e ressurreição de Jesus,  permite nos aproximar de Deus e faz com que sejamos salvos e livres do pecado, que Deus nos amou tanto que deu seu filho em sacrifício por nós como um cordeiro, o cordeiro Pascal.

Desejamos uma boa Páscoa a todos e que nos lembremos do Cordeiro!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...