31 de Outubro dia da Reforma Protestante. Temos o que comemorar?

Reflexão acerca do momento atual que atravessa a Igreja Brasileira

Descoberta traz menção mais antiga sobre Jerusalém da história

Peça de 2 mil anos contraria argumentos sobre ausência de registros fora da Bíblia

Jovem se converte após conversa de pastores sobre Deus em jogo de videogame

Não existe hora ou dia certo para testemunhar o amor de Deus.

Pastor abriga venezuelanos durante protesto em Pacaraima

"Foram 63 pessoas que acolhemos ao todo. A compaixão venceu o medo", afirmou.

Igreja cria “caixa de bênçãos” para doar alimentos aos necessitados e inspira solidariedade

A iniciativa ganhou repercussão recentemente após uma pessoa deixar um bilhete agradecendo a solidariedade.

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Arqueólogos encontram “selo” do profeta Isaías em Jerusalém

Pequena peça de barro é a primeira prova extra bíblica sobre a existência do profeta

por Jarbas Aragão


A mão do próprio profeta Isaías pode ter feito as inscrições num selo de argila – chamada de bula – datado do século 8 a.C. e descoberto agora em escavações perto do Monte do Templo de Jerusalém.
De acordo com a arqueóloga da Universidade Hebraica Dra. Eilat Mazar, sua equipe descobriu a minúscula bula, ou impressão de selo, no Ophel, localizado no sopé da encosta sul do Monte do Templo. A descoberta foi publicada na quarta-feira em um artigo: “Esta é a assinatura do Profeta Isaias?” na nova edição de Revista de Arqueologia Bíblica.
Na pequena peça, com menos de um centímetro, a observa-se a figura do que parece ser um cordeiro e a frase “motivo de bênção e proteção encontrado em Judá, particularmente em Jerusalém”. Contudo, por estar quebrada,  precisa ser melhor estudada antes de um “veredito” final. A esperança é encontrarem o pedaço restante ou outra igual.
Na sua porção legível, há uma inscrição com as letras hebraicas usadas no período do Primeiro Templo, que parecem soletrar l’Yesha’yah [Pertence a Isaias]. Na linha abaixo, há a palavra parcial nvy, que significaria “profeta”.
“Como a bula está ligeiramente danificada no final da palavra nvy, não se sabe com certeza se originalmente terminava com a letra hebraica aleph, escrevendo a palavra hebraica para ‘profeta’ e não restaria dúvida que aquele era o selo usado como a assinatura do profeta Isaías”, esclarece Mazar.

A professora diz que “Sem o aleph no final, a palavra nvy provavelmente é apenas um nome pessoal. Embora não apareça na Bíblia, já foi vista em selos e uma impressão uma alça de jarro”. “O nome Isaías, no entanto, é muito claro”, disse ela.

Local escavado pertencia a palácio real

O conhecido profeta bíblico Isaias viveu no final do século 8 e início do século 7 a.C. A bula que pode ter pertencido a ele foi encontrada perto de uma estrutura que começou a ser escavada em 1986-87 e hoje já se sabe que era uma “padaria real”.
Ela estava a cerca de 10 metros de distância do local onde, em 2015, a equipe de Mazar descobriu a bula com a inscrição “do rei Ezequias de Judá”. O 12º governante do reino de Judá, Ezequias reinou entre 727 e 698 a.C., durante o período em que o reino do norte (Israel) caiu diante dos assírios. Cerca de 20 anos depois da derrota ao norte, Ezequias teve sucesso em impedir a investida assíria  contra Jerusalém.
“Caso seja comprovado que essa bula é realmente a do profeta Isaías, como acreditamos, não deveria ser surpresa que ela foi descoberta próxima a de uma que carrega o nome do rei Ezequias, dada a relação de proximidade do profeta Isaías e do rei Ezequias descrita no Bíblia “, avalia Mazar.
Existem vários relatos no Antigo Testamento mostrando que o profeta era o conselheiro espiritual do rei. Ele consolou o governante, afirmando que os israelitas sobreviveriam ao cerco. No artigo científico assinada por Mazar lê-se: “Os nomes do rei Ezequias e do profeta Isaías são mencionados em conjunto 14 das 29 vezes que o nome de Isaías é lembrado (2 Reis 19-20, Isaías 37-39). Nenhuma outra figura estava mais próxima de Ezequias que Isaías “.
O local onde as bulas foram encontradas fica no alto da ‘Cidade de Davi’, uma grande estrutura que pode ter sido o palácio do rei Davi. Ali foi descoberta uma impressão em argila com caracteres em hebraico do Primeiro Templo trazendo o nome de um alto oficial israelita que é mencionado no Livro de Jeremias [38:1]: “Jucal, filho de Selemias”. Anos depois, a poucos metros da bula de Jeucal, foi encontrada uma impressão em barro pertencente a um segundo oficial de alto escalão: “Gedalias, filho de Passur”, mencionado na mesma passagem. Isso mostra que o local inequivocamente tem ligação com a corte real daquele período histórico.
Com informações de The Times of Israel
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Morre Billy Graham, aos 99 anos

Conselheiro de presidentes, ele era considerado o maior evangelista do mundo moderno

por Jarbas Aragão


Faleceu nesta quarta-feira (21) o evangelista mundialmente conhecido Billy Graham. Ele tinha 99 anos, e morreu em sua casa em Montreat, na Carolina do Norte (EUA). A notícia foi dada por Jeremy Blume, porta-voz da Associação Evangelística Billy Graham.
Nos últimos anos ele vinham lutando contra o mal de Parkinson e desde 2005 não realizava mais as cruzadas públicas que o tornaram famoso. Em 2013 transmitiu os últimos programas televisivos, no programa “Minha Esperança”, criado pelo seu ministério.
A família enviou uma nota à imprensa com palavras escritas pelo neto Will, que também é evangelista:
“Meu avô disse uma vez: Um dia você vai ouvir que Billy Graham morreu. Não acredite nisso. Naquele dia, eu vou estar mais vivo do que nunca! Vou ter apenas mudado de endereço “. Meus amigos, hoje meu avô mudou-se da terra dos mortos para a terra dos vivos”.
Lamentamos que ele não esteja mais conosco fisicamente, aqui na Terra, mas não nos entristecemos como aqueles que não têm esperança. Meu avô investiu toda a sua vida em compartilhar a promessa da eternidade através de Jesus Cristo, e hoje ele teve a oportunidade de ver essa promessa cumprida quando, ajoelhando-se diante de seu Salvador  ouviu as palavras: “Muito bem, servo bom e fiel”.

Grande Legado

William Franklin “Billy” Graham nasceu em 7 de novembro de 1908. Era de família evangélica, tendo se batizado aos 16 anos.  Após graduar em teologis na Faculdade de Wheaton, foi ordenado pastor batista em 1939. Foi co-fundador da Youth for Christ [Mocidade para Cristo] junto com Charles Templeton.
Começou a viajar como evangelista por todo os Estados Unidos até que em 1949 realizou a primeira grande cruzada. Anos depois, iniciou seu ministério internacional, com missões em Londres que duraram 12 semanas,  em 1954. Seus eventos sempre foram em locais públicos, como parques e estádios.
Sempre desfrutou de uma reputação privilegiada, focando-se exclusivamente na mensagem de salvação pela fé em Jesus Cristo. Esteve em lugares que para outros evangelistas parecia impossível. Durante as décadas da Guerra Fria, Graham conseguiu pregar para multidões em países da Europa Oriental e da antigo União Soviética.
Esteve no Brasil com cruzadas no Rio de Janeiro em 1960, 1974. Retornou em 2000 para uma em Recife e a última foi em São Paulo, em 2008.
Ao longo de seu ministério público de 60 anos, estima-se que tenha pregado a 210 milhões de pessoas, em 185 países. Além disso, escreveu dezenas de livros e promoveu a evangelização através de programas de rádio, TV e pela internet.
Um dos mais influentes pregadores do século XX, serviu como conselheiro de diversos presidentes da república americanos e figurou sucessivas vezes em listas de pessoas “mais influentes do mundo” da revista Time.
Casou-se em 1943 com Ruth Graham. O casal teve 5 filhos, 19 netos e 28 bisnetos. Seus filhos Franklin Graham e Anne Graham Lotz também são evangelistas, e deram continuidade ao trabalho do pai.
Fonte: Gospel Prime

Igreja reconstrói casa de idosa usando dízimos e ofertas e trabalho voluntário

Casa Pronta para entrrega
Os dízimos e ofertas dos fiéis da igreja Assembleia de Deus Ciadseta na cidade de Colméia (TO) foram a fonte de recursos para que a casa de uma idosa, membro da denominação, fosse reconstruída. A iniciativa contou com a liderança do pastor local e apoio dos fiéis.
A casa de Joana Rodrigues estava em péssimo estado de conservação e poderia ruir, mas a iniciativa dos líderes da congregação assembleiana impediu que um desastre ocorresse. O pastor Josivan Medeiros e sua esposa, Ionete Sousa, convenceram os fiéis a levar a ideia adiante, e o resultado foi uma casa construída do zero, com acabamento interno finalizado.
Casa antes da reforma
Um culto de gratidão foi realizado antes da entrega da casa à proprietária, e diversos fiéis da congregação compareceram. A igreja compartilhou a iniciativa em sua página no Facebook, enfatizando que a iniciativa é uma tentativa de cumprir o “Ide” em todos os sentidos: “Estamos procurando fazer um pouco do que o Evangelho propõe”, destacaram os responsáveis pela página.
Culto de Gratidão e entrega da casa
“Hoje foi um dia especial. Nesta tarde fizemos a entrega de uma casa construída com as ofertas e os dízimos da nossa Igreja, essa casa foi entregue à irmã Joana Rodrigues, uma serva fiel e dedicada a Casa de Deus“, explicou a nota no Facebook, no último domingo, 18 de fevereiro.
Entrega da Casa Reconstruída.
Com centenas de compartilhamentos, a publicação tem sido amplamente aprovada pelos usuários da rede social. O pastor Medeiros expressou o sentimento de missão cumprida: “A minha gratidão a toda Igreja pelo espírito solidário e amor cristão. O apoio da Igreja foi fundamental para a realização e conclusão desta obra”, disse.
Exemplos
A iniciativa da Assembleia de Deus Ciadseta de Colméia é mais uma de um seleto grupo de congregações que usa os dízimos e ofertas para transformar a mensagem do Evangelho em exemplos práticos.
Em agosto de 2013 veio à tona a iniciativa do pastor Fábio Mendonça, líder da Assembleia de Deus Ministério Lagoinha na cidade de Araruama (RJ), que atento às necessidades materiais de alguns membros de sua igreja, resolveu reverter a aplicação dos dízimos e ofertas arrecadados na construção de moradias para os fiéis em situação de vulnerabilidade social, sem custos para os beneficiados.
“A igreja a princípio se assustou com a ideia, mas eu tinha que ser o primeiro a mostrar que poderia acontecer. Na Polícia Militar eu trabalho com manutenção, usei minha experiência na área no projeto. Por isso, eu mesmo fiquei de frente, inclusive, ajudando a cavar a fundação das casas”, explicou o pastor.
“Alguns pastores me perguntaram se eu não estava ‘arrumando’ muito trabalho. Se Deus pensasse no trabalho que o ser humano dá a Ele em relação à desobediência a seus princípios, não teria feito o mundo. Tudo que fazemos na vida pode nos gerar problemas, você não compra um carro, por exemplo, pensando que o pneu pode furar um dia, mas no benefício que você vai ter com o veículo”, ilustrou.
“O maior desafio era não desperdiçar material e economizar com mão de obra. Foram construídas quatro casas em apenas quatro meses, os dízimos e ofertas foram revertidos para a obra. Além de mim, mais três pedreiros ajudaram na realização das construções trabalhando voluntariamente aos finais de semana”, acrescentou Mendonça.
Em agosto do ano passado, outro caso se tornou notório: uma Igreja Batista em Tocantinópolis (TO) decidiu usar o dinheiro de dízimos e ofertas para reformar a casa de um idoso que não tinha condições financeiras e físicas de tocar a obra.
Além de pintura nas paredes, alguns reparos de alvenaria foram feitos, com revisão da fiação elétrica e outros detalhes, que trouxeram maior conforto para o idoso. “É gratificante vermos uma igreja nova seguindo os passos de Jesus, pois Jesus demonstrava amor através de atitudes”, afirmou um dos voluntários da iniciativa.
Meses depois, em novembro, a história da Igreja Metodista Universal, em Ipatinga (MG), também ganhou repercussão. O jovem pastor Lucas Rezende, 23 anos, lançou um projeto semelhante, para construir e reformar casas para pessoas que vivem de forma precária ou pagam aluguel.
Rezende conta com o suporte de sua esposa, a cantora Lawanda, e dos fiéis da denominação, que também oferecem mão-de-obra voluntária. Além de organizar o projeto, o pastor contribui com mão de obra, arrecadação de doações e até mesmo investindo parte dos dízimos e ofertas que a Igreja Metodista Unida arrecada.
No exterior, o pastor de uma megaigreja no estado de Nova York, Estados Unidos decidiu que os dízimos e ofertas dos fiéis serão usados para a construção de casas populares e, após o plano de ação ser aprovado, destinará aproximadamente R$ 250 milhões na construção de centenas de moradias para pessoas de baixa renda.
“Eu quero que as pessoas olhem para esse prédio [templo] todos os dias e saibam que há esperança. Eu quero que eles venham à igreja e adorem a Deus, como diz a Bíblia, na beleza de Sua Santidade, e ouçam uma palavra sobre esperança. Estamos na região leste de Nova York, onde a igreja é realmente necessária, não apenas para pregar e cantar, mas para cuidar do povo”, frisou o líder evangélico.
“A igreja é mais do que pregar e cantar. É também atender às necessidades mais básicas das pessoas, exatamente onde elas vivem”, resumiu o bispo Hezekiah Walker, segundo informações da emissora de TV Christian Broadcasting Network (CBN). Não foram divulgados detalhes a respeito do fundo para a construção, mas a hipótese mais provável é que a igreja tenha parte do valor, e a outra parte seja destinada ao longo dos próximos anos.
Fonte: Gospel Mais

Igrejas negras estão levando fiéis aos cinemas para verem “Pantera Negra”

"Eu quero que eles vejam pessoas que tiveram sucesso e que chegaram à telona. Espero que isso lhes inspire”, diz pastora.

por Jarbas Aragão


O novo lançamento da Marvel, “Pantera Negra”, não é um filme cristão, mas muitas igrejas americanas têm fechado cinemas para exibirem o longa para os fiéis. Apesar de algumas críticas por haver cenas que ensinam sobre a invocação de espírito dos antepassados, o cantor gospel Kirk Franklin defende a iniciativa.
Os Estados Unidos possuem uma longa tradição de igrejas “negras”, que têm uma cultura própria e até denominações formadas em torno da cor da pele, uma herança dos tempos em que a segregação era protegida por lei.
Com o elenco de Pantera Negra é majoritariamente negro, os líderes religiosos veem com bons olhos o fato de o longa ir na “contramão” das grandes produções, que via de regra não mostram negros como os “heróis”.
Franklin acredita que a história do super-herói africano representa “esperança de mudança” para as comunidades negras. “As pessoas sempre quiseram ter algo com o qual podem se identificar e isso [filme] representa esperança. Isso reflete algo maior”, afirmou o pastor e cantor.
“Quando você pode se ver fazendo coisas ‘sobrenaturais’, então se torna capaz de assumir esse poder e acredita que você também possui uma habilidade sobrenatural”, enfatizou, traçando um paralelo dos poderes dos heróis com o ‘poder espiritual’ sobre o qual sua igreja ensina.
Percepção similar tem o pastor Kyev Tatum, líder da Southern Christian Leadership Conference, que levou um grupo de alunos carentes para ver o filme em sua cidade, no Texas.
“Uma criança com problemas precisa de 3 coisas: sentido, responsabilidade e oportunidade. Se você oferecer essas três coisas enquanto elas ainda estão se desenvolvendo, ajudará a terem uma autoimagem positiva. Isso é muito importante quando você sempre se vê retratado de forma negativa. Você olha a TV e o negro sempre é o rejeitado, o suspeito ou o marginal. Isso te faz internalizar a inferioridade racial”, desabafa.
Já o pastor Joe Baker, da Igreja Nação do Refúgio em Newport News, Virgínia, também se associou com organizações locais e igrejas locais para comprar 500 ingressos e fechou por uma noite o cinema local para a exibição a adolescentes negros entre 11 e 18 anos. Ele garante que a ideia é usar o filme para iniciar um debate sobre a maneira como os jovens pensam sobre o seu futuro.
Latrice Caligone, pastora de jovens da Primeira Igreja Batista de North Tulsa, em Oklahoma, explicou porque este é o primeiro filme não cristão que a igreja está promovendo entre os membros.
“Eu quero que eles vejam pessoas que tiveram sucesso e que chegaram à telona. Espero que isso lhes inspire”, disse ela lembrando que vários atores são assumidamente evangélicos, como Chadwick BosemanAngela Bassett e Sope AlukoCom informações de Christian Post
Fonte: Gospel Prime


Reflitamos #19

Graça e Paz, na postagem de hoje damos sequência à série que consiste na postagem de imagens para que servem para nossa reflexão. Que fale ao coração de todos!











sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Arqueólogos de Israel revelam descobertas que remetem a relatos bíblicos

Provável local descrito em Atos 8 foi escavado em uma colina de Jerusalém

por Jarbas Aragão


Um novo sítio arqueológico “extraordinariamente belo” foi inaugurado em Jerusalém, onde foram feitas descobertas que remetem a relatos bíblicos.
A Autoridade das Antiguidades de Israel autorizou a abertura de um parque natural na quarta-feira (31), perto de Jerusalém, após cinco anos de escavações em Ein Hanya, a segunda maior fonte de água natural da Judeia.
Trata-se de um local importante na história do cristianismo e por pertencer à uma igreja, o acesso ao local será gratuito.
Os arqueólogos apresentaram algumas das descobertas feitas no local, incluindo uma coluna típica das estruturas reais do período do Primeiro Templo – cerca de 2.400 a 2.800 anos atrás – o que pode indicar que ali funcionou alguma estrutura ligada ao reinado de Salomão.
As obras de escavações e conservação foram realizadas entre 2012 e 2016, no espaço do Parque Nacional do Vale de Refaim. A cerimônia de inauguração contou com a participação de Ze’ev Elkin, ministro da proteção ambiental e dos assuntos de Jerusalém, o prefeito de Jerusalém Nir Barkat; e Sevan Gharibian, responsável pelo Patriarcado Apostólico Armênio de Jerusalém, que é dono da área.
A maior descoberta foi um grande sistema de piscinas naturais. Segundo Irina Zilberbod, diretora de escavação da IAA, elas faziam parte de um complexo espaçoso de uma antiga igreja que funcionou no local no período bizantino. Ela explicou que embora fosse “difícil precisar para o que era utilizada a grande piscina”, o mais provável é que era para cerimônias de batismo”.
“Acreditamos que alguns dos primeiros escritores cristãos identificaram Ein Hanya como o local onde o eunuco etíope foi batizado, conforme descrito em Atos 8:26-40”, disse o arqueólogo, Dr. Yuval Baruch.
“O batismo do eunuco por Filipe foi um dos principais acontecimentos na propagação do cristianismo”, disse ele. “Portanto, identificar o lugar onde isso ocorreu despertou a atenção de estudiosos por muitas gerações. Não é de admirar que este local ainda seja de propriedade dos cristãos e continue sendo usado para cerimônias religiosas, tanto da Igreja Armênia como da Igreja etíope”.
Além de fragmentos de cerâmica, chama atenção a relação com uma moeda de prata, um dracma grego do século IV aC, uma das mais antigas já encontrada em escavações em Jerusalém. Com informações de Times of Israel
Fonte: Gospel Prime

Homem é esfaqueado, perdoa e contrata advogado para defender algoz na Paraíba

Por Aliny Gama

Sebastião Felizardo (d) perdoou Hugo Ferreira da Paixão (e) da tentativa de homicídio que sofreu ao levar sete facadas
Um homem que foi esfaqueado por um colega durante uma briga no município de Sousa, no sertão da Paraíba, perdoou seu algoz e contratou um advogado para defendê-lo no dia do julgamento do caso.
A vítima Sebastião Felizardo, 39, e o acusado do crime, Hugo Ferreira da Paixão, 29, saíram abraçados da audiência, ocorrida no dia 23 de janeiro, quando o réu conseguiu liberdade provisória. O fato foi divulgado nesta quinta-feira (1º) pelo advogado João Hélio Lopes da Silva, contratado por Felizardo para soltar Ferreira.
Sebastião Felizardo e Hugo Ferreira da Paixão trabalhavam juntos como lavadores de carros no centro de Sousa. Eles se desentenderam por um motivo fútil durante o trabalho no dia 22 de agosto do ano passado e, enfurecido, Paixão desferiu sete facadas contra o colega. Felizardo quase morreu devido ao ataque e pediu socorro dentro de uma igreja católica. O autor do crime foi preso em flagrante por um policial militar que passava pelo local.
A vítima ficou internada na Unidade de Terapia Intensiva por quatro dias no Hospital Regional de Sousa. Depois que se recuperou dos ferimentos, Felizardo se tornou protestante e, durante orações no grupo da igreja, perdoou o colega que tentou matá-lo. A partir daí, ele decidiu procurar ajuda de um advogado para soltar Paixão.
Felizardo participou da audiência com o juiz titular da comarca de Sousa, José Normando Fernandes, e pediu que o caso fosse arquivado. Como houve lesão corporal, a Justiça não atendeu o pedido, mas concedeu liberdade provisória ao autor do fato.  Os autos do processo ficaram com o juiz e ele dará a sentença sobre o caso ainda este mês.
O advogado conta que Felizardo o procurou para contratá-lo e ele explicou que a vítima seria assistida pelo Ministério Público. Entretanto, Felizardo afirmou que queria contratá-lo para ajudar a tirar da cadeia o autor da agressão.
"Expliquei a Sebastião que a acusação do crime seria feita pelo Ministério Público e não tinha sentido ele contratar um advogado para o processo. Foi daí que ele disse que queria minha ajuda para soltar o réu e tentar que ele não fosse condenado", relata o advogado, destacando que vítima e réu enfrentavam problemas de envolvimento com drogas na época do crime. 
Ele ingressou com pedido de soltura de Paixão. No dia 23, a Justiça revogou a prisão preventiva e concedeu liberdade provisória ao réu até julgar o caso. "No dia da audiência, Sebastião afirmou perante o juiz que queria retirar o processo porque perdoou o réu. Eles saíram abraçados do fórum, isso chamou a atenção de todos. Esse foi o maior exemplo de perdão que já vi em toda minha carreira", completou Silva.
A vítima levou seu algoz para o grupo de oração da igreja e, agora, eles trabalham juntos no grupo "Calçadas da Fé". Felizardo não lava mais carros, ele conseguiu um novo trabalho como vendedor autônomo e tenta ajudar o colega Hugo Ferreira da Paixão a conseguir um emprego. 

UOL tentou contato com o juiz José Normando Fernandes, mas o Tribunal de Justiça da Paraíba informou que o magistrado não vai se manifestar sobre o caso porque o processo ainda não foi encerrado.
Com informações do Uol

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Descoberta pode explicar enigma bíblico sobre a última semana de Jesus

Erudito acredita que uso de calendário distinto solucionaria “contradição”

por Jarbas Aragão


A mensagem de um dos dois últimos rolos do Mar Morto ainda não traduzidos pode conter uma pista importante para ajudar os estudiosos da Bíblia a reconstituírem a cronologia da última semana de Jesus na Terra.
Pesquisadores da Universidade de Haifa conseguiram reunir e traduzir 42 fragmentos codificados de um pergaminho que explica a estrutura de um ano, segundo o calendário de 364 dias usada pela seita judaica que vivia na região de Qumran do primeiro século. Conhecidos como “essênios”, eles viviam no deserto da Judeia e são os autores dos rolos encontrados nas cavernas, contendo 15.000 fragmentos de mais de 200 livros.
Embora esse grupo cismático de Qumran usasse um calendário de 364 dias, fato conhecido a partir de documentos antigos anteriormente traduzidos, o material que veio à luz recentemente, publicado no Journal of Biblical Literature, revela o nome hebraico de um festival que os essênios observavam a cada mudança de estação: Tekufah [período].
Em contraste com o calendário de 364 dias, os fariseus e saduceus geralmente usavam o calendário lunar, que às vezes colocava festividades judaicas em dias um pouco diferentes.

Discípulo essênio

Jim Sibley, professor na Faculdade de Israel da Bíblia, explica que Jesus e seus discípulos podem ter seguido o calendário essênio durante a última semana de Sua vida. Isso poderia explicar “a aparente discrepância” entre o relato de João 19:14 – que Jesus morreu no dia imediatamente anterior à noite da refeição da Páscoa judaica – e o relato dos outros evangelhos sobre a última refeição de Cristo ser na véspera da Páscoa.
“O sinal para os discípulos sobre onde eles fariam a ceia era um homem carregando um cântaro de água”, disse Sibley. Provavelmente os discípulos o encontraram no sudoeste de Jerusalém, o local tradicional do Cenáculo. Alguns estudiosos acreditam que nessa área moravam os essênios durante o primeiro século, deixando aberta a possibilidade de o homem ser um essênio que observava a Páscoa de acordo com a calendário de 364 dias.
“Esse essênio pode ter crido em Jesus e se juntado aos seus demais seguidores em Jerusalém”, defende o professor.
O rolo de calendário recentemente traduzido, conhecido como 4Q324d “aponta a importância dada ao calendário no primeiro século”, explica Sibley. Ele lembra que o Antigo Testamento estabelece os meses do calendário judaico, mas não estipula se os dias dos meses devem ser calculados pelo método lunar ou por um calendário de 364 dias.
Entre outras características únicas do pergaminho, destaca-se que ele foi escrito em um código e faz referências tanto a festivais judeus bíblicos quanto extrabíblicos, apontaram os pesquisadores da Universidade de Haifa, Eshbal Ratzon e Jonathan Ben-Dov.
“O calendário lunar, seguido até hoje pelos judeus, requer ação humana: os indivíduos devem olhar para as estrelas e para a Lua e reportar suas observações e outra pessoa, que detém um certo poder, deve decidir o início de um novo mês e chegada de um ano bissexto. Ao contrário dele, ter um calendário de 364 dias seria perfeito, pois, como esse número é divisível por 4 e por 7, as ocasiões especiais acabam sempre caindo no mesmo dia. Isso evita a necessidade, por exemplo, de se decidir quando será o período sabático, como costuma acontecer no uso do calendário lunar”, esclareceram os pesquisadores no artigo que escreveram sobre a descoberta.

Validade dos Rolos

Lamar Cooper, professor da Faculdade Teológica de Criswell, que ajudou a escavar uma caverna onde alguns Rolos do Mar Morto foram localizados, acredita que a última tradução “realmente entusiasma” porque revalida a utilidade dos Rolos do Mar Morto.
“Quando esses pergaminhos foram encontrados pela primeira vez [em 1947], as pessoas pensavam que não tinham valor”, disse Cooper, erudito em Antigo Testamento e arqueologia bíblica. “Ao longo dos anos, tudo o que aparece [dos Pergaminhos do Mar Morto] confirma o que a Bíblia diz”.
Os Pergaminhos (ou Rolos) do Mar Morto são manuscritos que foram encontrados entre as décadas de 1940 e 1950 em mais de dez cavernas na região de Qumran, próximas ao Mar Morto.
Os cerca de 900 pergaminhos foram registrados em papiro, pele de animal e cobre. Muitos acabaram com o tempo se quebrando em milhares de fragmentos. Seu conteúdo varia, incluindo relatos sobre as tradições, histórias e crenças judaicas, bem como livros do Antigo Testamento e relatos sobre a vida dos essênios. Com informações de God Reports
Fonte: Gospel Prime
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...