sábado, 10 de novembro de 2018

Pesquisa revela como os cristãos reagem diante da pobreza



Uma pesquisa realizada com 2.958 adultos revelou que 87% tomaram medidas contra a pobreza no ano passado – uma proporção muito maior do que a população em geral.

Os cristãos que fazem a diferença, é um relatório que analisa as conexões entre as crenças, práticas e prioridades cristãs e sua resposta à pobreza.
A pesquisa mostra que os cristãos são mais propensos a doar para caridade (73 por cento dos cristãos contra 63 por cento de todos os outros adultos) e para dar comida, roupas, móveis ou outros recursos para alguém em necessidade (49 dos cristãos contra 40 por cento de todos os outros adultos). 

Os cristãos também são mais propensos a fazer mudanças significativas no estilo de vida do consumidor (39% dos cristãos contra 35% de todos os adultos), como reciclagem, redução do consumo de carne e uso de um fornecedor de energia verde. Entre aqueles que frequentam regularmente a igreja (pelo menos uma vez por mês), os percentuais são ainda maiores.

As novas descobertas também revelam que crescer em um lar cristão é um prognóstico significativo do ativismo posterior da pobreza, mesmo entre adultos que não frequentam a igreja agora. Seis em cada dez ativistas da pobreza (62 por cento) cresceram em uma casa onde o cristianismo era praticado regularmente, mesmo que eles não frequentassem mais a igreja. Isso ressalta o impacto de longo prazo que a educação religiosa tem no cuidado dos pobres, mesmo sem o envolvimento atual em uma igreja.

Cristãos que priorizam servir pessoas na pobreza também priorizam práticas espirituais como ler a Bíblia e orar. Dois terços dizem que a leitura da Bíblia, por exemplo, é essencial para aumentar sua fé, comparada à metade dos frequentadores da igreja que não servem às pessoas em situação de pobreza (67% contra 46%).

Os dados também mostram que há uma minoria de pessoas cujo cuidado com as pessoas em situação de pobreza é um aspecto essencial e holístico de suas vidas. Um em cada 20 adultos responde à pobreza extrema em todas as cinco dimensões: doações financeiras, oração pelos necessitados, responsabilidade pessoal, defesa de políticas governamentais e mudanças no estilo de vida dos consumidores.

De acordo com a Dra. Ruth Valerio, diretora global de advocacia e influência da Tearfund: “Esta nova pesquisa mostra que servir os necessitados e cuidar de toda a criação de Deus não é apenas uma disciplina cristã essencial, mas desempenha um papel importante no crescimento espiritual. Nos últimos 20 anos, a proporção da população mundial que vive em extrema pobreza caiu pela metade. O fim da pobreza extrema é possível – mas devemos agir juntos, como a igreja, unidos em uma resposta de toda a vida à extrema pobreza.

David Kinnaman, presidente do Barna Group, disse: “A questão crucial que a próxima geração está perguntando não é se as alegações do cristianismo são verdadeiras, mas se o cristianismo é responsável pelo bem na vida das pessoas e na sociedade. Contra a corrente do sentimento popular, nossa equipe continua descobrindo evidências de que muitos cristãos são, de fato, uma força para o bem no mundo. Nos dados deste estudo, encontramos cristãos – e aqueles com uma educação cristã – priorizando o cuidado e a ação em favor das pessoas em situação de pobreza. Cristãos fazem a diferença.

Entre outros resultados, a pesquisa descobriu que quase quatro em cada cinco (79%) daqueles que frequentam a igreja pelo menos uma vez por mês dizem que sua fé afeta o quanto eles doam ou dão aos outros. Quase três quartos (71 por cento) dos frequentadores da igreja regulares sentem que devem tomar medidas para aliviar a pobreza extrema, contra metade (43 por cento) daqueles que não frequentam a igreja regularmente ou em absoluto.

A pesquisa foi realizada no Reino Unido pelo Barna Group para a agência cristã de assistência e desenvolvimento Tearfund.
 
Fonte: The Christian Times

Com Informações da Folha Gospel

0 comentários

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...